You are here

EDP: a rainha da promiscuidade entre política e negócios

Só desde os anos 90, mais de duas dezenas de antigos membros de governos portugueses passaram por órgãos sociais da EDP. Conhecer esta promiscuidade ajuda-nos certamente a compreender a força que permite manter no setor elétrico uma pilhagem tão sistemática e permanente contra a maioria da população.
Os ex-ministros do PSD António Mexia e Eduardo Catroga estão à frente da empresa agora detida pelo Estado chinês. Foto Miguel A. Lopes/Flickr

Constituído a partir de investimentos públicos, pagos pelos impostos ao longo de décadas, o sistema elétrico tornou-se um orçamento paralelo na casa dos 6500 milhões de euros anuais. E é também um dispositivo de transferência de riqueza social. Se a exploração se opera antes de mais no mundo laboral, ela ocorre também em muitas outras esferas, onde os trabalhadores são espoliados a favor do capital como contribuintes, devedores ou consumidores. É nesta última condição que milhões de trabalhadores portugueses passaram a ver uma fatia cada vez maior dos seus rendimentos capturada pelos grupos da energia privatizada.

A EDP, em particular, tornou-se uma peça central do modelo rentista, número um na distribuição de dividendos aos acionistas, com destaque, até há poucos anos, para as grandes elétricas espanholas, a banca portuguesa, o grupo Mello. A entrada do capital estatal chinês na EDP e na REN mudou o comando e terminou de vez com a entrega de dividendos ao Estado. De resto, o valor que o Estado encaixou na privatização corresponde a pouco mais de um trimestre de juros da dívida pública e, pelo lado chinês, será recuperado em poucos anos de dividendos. Nas palavras do presidente da China Three Gorges, Cao Guanjing, “a EDP foi barata” (Dinheiro Vivo, 30.12.2011).

Os anos da crise económica foram atravessados sem sobressaltos pelo oligopólio energético. Enquanto os bancos se afundavam em sucessivos resgates e crises, o negócio da energia pouco sofria, passando a representar quase metade do valor bolsista do PSI-20.

Ao longo de todo este percurso, do início da privatização até ao domínio chinês, a porta giratória com a política não parou de rodar. O ex-ministro das finanças Pina Moura presidiu à Iberdrola Portugal, a Endesa tem sido representada por um secretário de Estado da Energia dos tempos de Cavaco Silva e mesmo António Mexia, presidente executivo da EDP, não prescindiu de uma passagem pelo governo Santana Lopes, apesar das suas já vastas ligações políticas. Tem hoje ao seu lado, como presidente não executivo, o ex-ministro das Finanças Eduardo Catroga, ligado ao grupo Mello e representante do PSD nas negociações do memorando com a troika, onde ficou decidida a privatização final da EDP.

Nos anos da privatização, mais de vinte membros de governos passaram por órgãos sociais da EDP.

Estes não são casos isolados. Só desde os anos 90, mais de duas dezenas de antigos membros de governos portugueses passaram por órgãos sociais da EDP. Conhecer esta promiscuidade ajuda-nos certamente a compreender a força que permite manter no setor elétrico uma pilhagem tão sistemática e permanente contra a maioria da população. Só ela pode explicar escândalos como o das concessões das barragens, em que o Estado terá sido lesado em quase 600 milhões de euros, ou o da atribuição de uma licença perpétua para a central térmica de Sines, cuja licença de produção deveria expirar em 2017, sem qualquer contrapartida pela parte da EDP.

A dependência que todos temos do acesso à energia torna-nos vulneráveis ao poder do oligopólio. É nessa dependência que assenta a transferência de rendimento através do setor elétrico, uma estratégia forte que contribui para a robustez do regime liberal de concentração da riqueza. É por isso tão central nas orientações da União Europeia, na composição da elite política, nas crónicas mediáticas da “livre concorrência”. Esta é a estratégia dos grupos de capital, estatais ou privados, globais, que impõem a sua lei.

(...)

Resto dossier

Rendas da energia: um assalto aos consumidores

A fatura da luz em Portugal é das mais caras da Europa. São os consumidores que pagam as rendas excessivas que os governos garantiram à EDP para a privatizarem. Este dossier detalha a história de algumas destas rendas e também das propostas do Bloco de Esquerda para as cortar, que já produziram resultados no último ano. Dossier organizado por Luís Branco.

CMEC: história de uma renda garantida à EDP

Os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual são uma importante parcela das rendas excessivas pagas à EDP. Os CMEC tiraram do bolso dos consumidores de eletricidade mais de 2500 milhões de euros nos últimos dez anos.

EDP: a rainha da promiscuidade entre política e negócios

Só desde os anos 90, mais de duas dezenas de antigos membros de governos portugueses passaram por órgãos sociais da EDP. Conhecer esta promiscuidade ajuda-nos certamente a compreender a força que permite manter no setor elétrico uma pilhagem tão sistemática e permanente contra a maioria da população.

Fatura da luz em Portugal pesa o dobro que em Espanha

Estudos confirmam que Portugal é o segundo país europeu onde a fatura da electricidade pesa mais. Desconto da tarifa social na luz e gás, que o Bloco reforçou e tornou de atribuição automática, é o maior da Europa.

Governo PSD/CDS prometeu novas rendas ao setor solar

O governo da direita não só manteve as velhas rendas da produção elétrica convencional como se comprometeu com novas tarifas subsidiadas à produção solar. O Bloco tem lançado os alertas.

Barragem do Baixo Sabor: Autarquias acusam EDP de não pagar o que deve

A Associação de Municípios do Baixo Sabor diz que a elétrica não está a cumprir as suas obrigações no pagamento da renda e na dotação do fundo para adaptação e desenvolvimento sustentável da região.

Garantia de potência: renda excessiva foi cortada este ano

A disponibilidade das centrais elétricas para abastecerem a rede em caso de necessidade foi paga, ao longo dos anos, a peso de ouro. O fim dos contratos por ajuste direto foi inscrito pelo Bloco no último Orçamento e já poupará este ano 7,2 milhões de euros dos consumidores.

Renováveis: mais um setor com lucros garantidos

A renda excessiva paga pelos consumidores às empresas de energia renovável tem rendido enormes lucros à EDP e outros operadores. Esses ganhos no mercado português são muito superiores aos dos outros países onde estas empresas operam.

Governo sob pressão para tabelar preço do gás de botija

Os preços do gás engarrafado dispararam nos últimos 15 anos e o próprio governo admite o “comportamento anómalo” do mercado. Se em 2002, os consumidores de butano pagavam por kWh mais cerca de 2,5 cêntimos do que os consumidores de gás natural, essa diferença supera hoje os 7 cêntimos.

O caso da “licença perpétua” da EDP na central de Sines

A licença de produção atribuída à EDP para a exploração da central termoelétrica de Sines terminaria este ano. Mas, em 2007, o Estado prolongou-a sem prazo e sem contrapartidas. Se nada for feito para revogar esta licença, a EDP pode ganhar 400 milhões nos próximos dez anos.

Interruptibilidade: a renda dos grandes grupos industriais

Cerca de meia centena de empresas são financiadas pelos consumidores de eletricidade pela prestação de um serviço que até hoje nunca foi utilizado. Esta renda não parou de aumentar e em 2015 atingiu 110 milhões de euros. Por proposta do grupo de trabalho formado pelo Bloco e pelo governo, as regras foram mudadas no Orçamento.

Windfall Tax: como o Reino Unido taxou as rendas da energia

Os lucros excessivos dos serviços de energia privatizados não são uma originalidade portuguesa. No Reino Unido, o imposto especial cobrado em 1997 permitiu arrecadar cerca de 7500 milhões de euros.

Iluminação pública: EDP não cumpriu contrato com municípios

Um inquérito promovido pelo Bloco junto das autarquias confirmou incumprimentos da EDP nos contratos para iluminação pública municipal. Mas a Associação Nacional de Municípios propõe agora reforçar a posição da empresa, tornando-a numa espécie de central de compras das autarquias.