You are here

“Enquanto os meus filhos cresciam, eu trabalhava ou dormia”

Num momento em que a idade da reforma aumentou consideravelmente é preciso denunciar casos que passam invisíveis à sensibilidade política e humana. Por Raul Matos.
"Existem profissões de risco em que o desgaste físico e psicológico passa despercebido a quem dita uma lei em que a idade da reforma é aos 67 anos"
"Existem profissões de risco em que o desgaste físico e psicológico passa despercebido a quem dita uma lei em que a idade da reforma é aos 67 anos"

Trinta anos a trabalhar por turnos e em vez de ser contemplado com uma reforma, ganhei tremores vitalícios.

Não tenho dúvida de que existem inúmeras profissões de risco, muitas profissões em que o desgaste humano quer físico quer psicológico passa despercebido a quem dita uma lei geral em que a idade da reforma é aos 67 anos. É aqui que eu entro e por isso não posso deixar de dar o meu testemunho.

Tenho 58 anos, trabalho há 30 anos na manutenção de uma fábrica. Este emprego que me dá o sustento privou-me ao longo destes anos de uma vida normal. Enquanto os meus filhos cresciam e aprendiam a ser homens na escola, eu trabalhava ou dormia para poder trabalhar durante a noite enquanto eles dormiam. Quantos dias e por vezes, quantas semanas passavam sem eu os encontrar. Espreitava o seu sono quando entrava à uma da manhã ou imaginava-os na escola com os deveres feitos para tentar descansar durante o dia. Uma vida de desencontros que não me ajudou a criar e educar os meus filhos nem a desempenhar em pleno o meu papel de pai.

Esta é apenas uma das muitas consequências do meu emprego por turnos.

Outra, foi sem dúvida educar o meu sono cada vez que o turno mudava. Ter que dormir sem que o sono me acompanhasse para poder estar acordado num trabalho exigente e de risco.

Foram 30 anos de luta com o sono que ora tinha que chegar de dia ora de noite. Não podia chegar quando ele quisesse, ele não poderia perturbar o meu trabalho.

Só há cerca de 20 anos começou a ser obrigatório o Equipamento de proteção individual na empresa, até aí, a proteção era apenas a Divina.

Sem tempo para pausas

Se o turno de 8 horas de trabalho é a manhã, pára-se meia hora para almoçar, se as 8 horas são o turno da tarde, pára-se meia hora para jantar mas, se as 8 horas são o turno da noite o estômago tem abstinência, não há tempo para parar.


Raul Matos sofre de tremores que lhe perturbam a fala e dificultam o andar
 

Sou um trabalhador pontual e assíduo mas absentista à vida, à minha e à da minha família. Tenho três filhos que mal vi crescer e uma saúde frágil. Tenho como companheiro do meu dia-a-dia um mau estar físico, mental e até mesmo psicológico.

Hoje sofro de tremores que me acompanham no falar, no andar e não me permitem estar parado. Fazer uma refeição com líquidos ou alimentos menos sólidos, só com malabarismos porque de colher é impensável.

Sou apenas igual a muitos em que o direito ao trabalho roubou o direito a uma vida com dignidade.

Será difícil no século XXI, num país dito desenvolvido eu e tantos outros podermos ter uma vida com alguma dignidade com direito a uma reforma ainda que com tremores.

58 anos de idade, 30 anos a trabalhar por turnos não estará mais do que na hora de ter uma reforma para a qual descontei nesta vida de sofrimentos???

Vamos acordar consciências para que não pesem àqueles que ditam leis.

______________________________________

Raul Matos é eletroinstrumentista (manutenção industrial)

(...)

Resto dossier

Trabalho por turnos: Vidas em contraluz

Dossier organizado por Pedro Ferreira.

Responder aos trabalhadores por turnos: reconhecimento e novos direitos

Dois em cada 10 trabalhadores em Portugal trabalham por turnos e a tendência é que sejam cada vez mais. Por José Soeiro.

Isabel Soares da Silva. Foto do site da Universidade do Minho

Trabalho por turnos (*)

A concepção típica de trabalho por turnos envolve a sucessão de equipas de trabalho de modo a estender o período de laboração, incluindo o seu prolongamento até às 24 horas diárias. Por Isabel Soares da Silva.

O Bloco com a sua iniciativa legislativa pretende pôr fim à proliferação da anarquia na organização do trabalho por turnos. Foto do site trabalhando.pt

Vidas condicionadas

O trabalho por turnos e noturno tem vindo a aumentar e está cada vez mais presente nas organizações laborais. A disputa dos mercados e por novos mercados e a concorrência económica estão a gerar uma brutal competição e disputa mundial. Por José Casimiro.

O cansaço, o stress e o isolamento são alguns dos problemas relacionados com o trabalho por turnos. Foto Anadem

“Vivemos ao contrário dos outros”

Depoimentos de trabalhadores de vários setores que fazem trabalho noturno ou por turnos e que falam dos seus problemas familiares, de saúde e do isolamento social a que ficam sujeitos devido aos horários de laboração.

 

 

O recurso a horários de trabalho organizados em turnos é uma forma cada vez mais utilizada pelas empresas para suprir as suas necessidades produtivas. Foto Pressar

Trabalho por turnos: E agora?

Quando se abordam temas relativos à prestação de trabalho em condições de desgaste rápido, é comum indicar a profissão de mineiro como a mais representativa profissão de desgaste rápido, e isto porque, desde há séculos, que esta é associada a uma taxa de morbilidade e mortalidade muito elevada. Por Filipe.M. Santos.

Os trabalhadores de tratamento e distribuição dos CTT queixam-se de não ter tempo para ver os filhos

“O cansaço é um companhia permanente dos trabalhadores”

Salvo algumas exceções (saúde, telecomunicações, vigilância, etc.) o trabalho por turnos acontece porque o trabalhador é mais barato do que a máquina que ele vai operar. Por Roberto Tavares.

Cada vez mais pessoas laboram em regime noturno, por turnos ou até em folgas rotativas

Um dever social indelével

A apresentação potestativa (1) pelo Bloco do seu Projeto de Lei sobre trabalho noturno e por turnos sinaliza a clara escolha de um lado: o Bloco é um partido das e dos trabalhadores. Por Vítor Franco.

"Existem profissões de risco em que o desgaste físico e psicológico passa despercebido a quem dita uma lei em que a idade da reforma é aos 67 anos"

“Enquanto os meus filhos cresciam, eu trabalhava ou dormia”

Num momento em que a idade da reforma aumentou consideravelmente é preciso denunciar casos que passam invisíveis à sensibilidade política e humana. Por Raul Matos.