You are here

Salários e competitividade

O problema de se fazerem afirmações como estas é que elas se referem a um assunto muito sério, que afecta de forma directa o rendimento de milhões de famílias e que, portanto exigiriam à partida uma fundamentação económica clara. O justificado alarme público que tais declarações provocam imporia, com efeito, que quem as faz demonstrasse com cálculos credíveis a justeza da sua proposta.

Do nosso ponto de vista, a proposta de redução salarial no sentido de melhorar a competitividade não tem qualquer fundamento técnico-económico sólido e revela que quem a sugere não fez um mínimo de cálculos sérios sobre o assunto.

Tentámos, por isso avaliar em que medida se justificaria uma redução salarial nominal para obtermos uma melhoria da competitividade. Para isso, como base na matriz de relações inter-industriais de 2005 (fluxos nacionais) calculámos o conteúdo em salários - conteúdo directo e indirecto (este último através das matérias-primas e outros fornecimentos que o sector exportador consome) - do sector exportador. E chegámos à conclusão que esse conteúdo é de cerca de 33%, ou seja, se os salários diminuírem (ou aumentarem) 10% os preços das exportações, tudo o resto se mantendo constante, caem (ou sobem) 3,3%. O que é que isto significa? Significa que a descida de salários é um instrumento particularmente ineficaz para melhorar a competitividade externa. Por exemplo, para se atingir uma melhoria de 20% na competitividade externa os salários teriam de descer 60%!

Porque é que isto sucede? Por um a razão evidente: é que o conteúdo directo e indirecto em importações das exportações portuguesas é muito elevado (cerca de 40%, de que uma parte importante tem a ver com o petróleo) pelo que só os restantes 60% do valor das exportações são repartidos entre salários e rendimentos do capital.

E, note-se, nem sequer argumentamos com outros efeitos da descida salarial claramente inaceitáveis, como seja o seu impacte na solvência das famílias que recebem rendimentos salariais, as quais veriam os seus rendimentos descer ao mesmo tempo que as dívidas que contraíram se manteriam no mesmo valor.

A nossa conclusão é a de que quem advoga uma descida geral dos salários nominais para melhorar a competitividade externa teria toda a vantagem em fazer algumas contas.

Sobre o/a autor(a)

Professor no ISEG
(...)

Resto dossier

PEC 2010

A actualização do Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC) revelou a estratégia para a economia e os resultados que o governo espera alcançar nos próximos anos. Este dossier debate as medidas do PEC 2010.

Salários e competitividade

Recorrentemente, alguns economistas estrangeiros e portugueses vêm sugerir uma descida de salários nominais como forma da nossa economia ganhar, ou melhor, recuperar a competitividade externa que tem perdido desde meados dos anos noventa.

O fim do jogo para a Europa: o corte salarial e a batalha pelas exportações

Afirmei que os esforços da Letónia para a redução de custos são evidentes comparados com uma amostra significativa dos países da União Europeia. Os esforços da Letónia, ainda que louváveis, foram em larga medida o resultado do plano de emergência de empréstimo do FMI, em Dezembro de 2008, e a consequente recessão em 2009.

Declaração sobre o PEC

No final da reunião de Concertação Social onde o governo apresentou o resumo do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), o Secretário-geral da CGTP-IN, Manuel Carvalho da Silva, fez uma declaração onde destacou o prosseguimento e possível aprofundamento da crise, uma perigosa fragilização das políticas sociais e desvalorização dos salários dos trabalhadores e a ameça das privatizações. Publicado em CGTP

Privatização dos CTT: mais Estado em mãos privadas

A ideia de que, também no sector postal, só a liberalização e a privatização permitiriam aumentar a qualidade, satisfazer as necessidades da economia e das pessoas, diminuindo ao mesmo tempo o preço dos serviços, já vem sendo defendida há pelo menos 20 anos pela gente do costume.

As privatizações que fazem mal ao défice

As privatizações vão fazer o Estado poupar, todos os anos, 170 milhões de euros em juros da dívida. Só a EDP e os CTT dão isso em dividendos. Junte-se a Galp e a Fidelidade.

Contra o ajustamento “inevitável”

O Governo de Zapatero parece um piloto desnorteado. Não é capaz de apresentar uma linha de actuação vigorosa. E quando anuncia medidas acaba por desdizer-se no dia seguinte.

Uma odisseia de sonhos

Toda a gente tem uma teoria sobre a crise financeira. Estas teorias vão desde o absurdo até ao plausível – desde afirmações de que Democratas liberais de alguma forma forçaram os bancos a emprestar a pobres sem valor (embora os Republicanos controlassem o Congresso) até à crença de que instrumentos financeiros invulgares alimentaram a confusão e a fraude. Mas o que sabemos realmente?