You are here

O sorriso de Bibi

Qual foi, até agora, o resultado concreto de dezenas de anos de negociações no chamado processo de paz israelo-palestiniano? Por José Manuel Rosendo.
"Não há maior amigo do povo e do Estado judeu do que o Presidente Donald Trump”, disse Netanyahu no primeiro encontro como o Presidente norte-americano. Foto Wikimedia commons

A pergunta é retórica. Para além da constituição da Autoridade Palestiniana na sequência do acordo de paz assinado em Setembro de 1993, entre o primeiro-ministro de Israel, Yitzhak Rabin, e o líder palestiniano Yasser Arafat (e o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton), e o consequente regresso de Yasser Arafat à Palestina, nada mais ficou. Já lá vão 23 anos. Passaram os governos israelitas, os presidentes norte-americanos, Intifadas e guerras na Faixa de Gaza, e nada de concreto acontece que aponte para a constituição de um Estado palestiniano. Em contraponto, aumentou de forma constante a presença de colonos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, aumentaram os colonatos e o confisco de terras palestinianas. A única excepção foi a retirada israelita da Faixa de Gaza, em 2005, por decisão unilateral do Primeiro-ministro de então, Ariel Sharon.

Passaram os governos israelitas, os presidentes norte-americanos, Intifadas e guerras na Faixa de Gaza, e nada de concreto acontece que aponte para a constituição de um Estado palestiniano

Durante estes anos o Mundo “distraiu-se” com guerras que retiraram o primeiro plano ao conflito israelo-palestiniano. Ataque às Torres Gémeas, guerra no Afeganistão, no Iraque, no Líbano, na Ucrânia, a ameaça do Irão nuclear, as Primaveras Árabes e o que se lhe seguiu. O conflito israelo-palestiniano deixou de ter destaque na agenda internacional.

E eis que Donald Trump é eleito Presidente dos Estados Unidos. Logo na campanha eleitoral gasolina para a fogueira: a promessa de passar a Embaixada dos Estados Unidos de Telavive para Jerusalém. Se a promessa for concretizada a possibilidade de conflito é enorme. Basta que nos lembremos quando em Setembro de 2000 uma visita de Ariel Sharon à Esplanada das Mesquitas espoletou a II Intifada palestiniana. A religião como arma ultra sensível. Jerusalém, cidade santa, aconselha todos os cuidados.

Mais dúvidas que certezas

Dos primeiros dias de Donald Trump na Casa Branca fica o primeiro encontro e a conferência de imprensa conjunta com o Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, da qual ficaram mais dúvidas do que certezas. A única certeza, para quem seguiu a dita conferência de imprensa, foi o enorme sorriso de Benjamin Netanyahu (Bibi) em vários momentos. O próprio Netanyahu, fez questão de sublinhar que há muito tempo conhece Trump, a família e a equipa que o acompanha. E dão-se muito bem. Netanyahu não tem boas memórias de Barack Obama. Agora, com Donald Trump, houve juras de amor: o jornal El Mundo disse que a Casa Branca assistiu a uma “lua-de-mel” entre os dois políticos. A frase com que Netanyahu encerra a conferência de imprensa é elucidativa: “não há maior amigo do povo e do Estado judeu do que o Presidente Donald Trump”.

O jornal espanhol El Mundo escreveu que a Casa Branca assistiu a uma "lua de mel" entre os dois políticos

Esta conferência de imprensa e esta visita de Benjamin Netanyahu a Washington serviu ao Primeiro-ministro israelita para ganhar outra força política – tem problemas internos preocupantes por estar a ser investigado em alegados casos de corrupção e também no negócio da compra de submarinos – mas também para que Donald Trump pudesse cortar definitivamente com a linha de política externa da administração de Barack Obama. Trump deixou cair a “solução dois Estados” (basicamente o que disse foi que tanto lhe faz: um ou dois Estados. Isto pode ser interpretado como estando a dizer a Israel que tem as mãos livres para fazer o que entender porque terá o apoio norte-americano) e voltou a apontar todas as baterias ao Irão. Música para os ouvidos de Benjamin Netanyahu. Aliás, ter um inimigo externo comum é algo que vai aproximar os dois políticos e permite-lhes a utilização de argumentos e de uma estratégia política que pode dar frutos na política interna. O próprio Netanyahu sugeriu uma paz global no Médio Oriente, entre países árabes e Israel, para fazer face ao Irão e ao Estado Islâmico. Uma proposta curiosa quando a Liga Árabe há mais de uma década (2002) propôs a Israel um plano de paz com todos os países árabes por troca de um acordo entre israelitas e palestinianos. Trump agarrou a sugestão de Netanyahu e o embaixador norte-americano nomeado para Israel defendeu-a no Senado. O Irão como inimigo útil.

Ainda quanto à visita a Washington, o único aspecto que não terá agradado a Benjamin Netanyahu foi não ter obtido a garantia de que a Embaixada dos Estados Unidos passa de Telavive para Jerusalém. Trump sabe (já lhe devem ter dito) qual é o peso dessa decisão. O antigo Secretário de Estado John Kerry, antes de deixar o cargo, deixou um alerta: existe o risco de uma “explosão absoluta na região”!

Convém, no entanto, ter alguma reserva quanto ao que chega da nova administração norte-americana. Logo após a declaração de Trump sobre a “solução dois Estados”, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, veio dizer que “apoiamos absolutamente uma solução de dois Estados, mas também pensamos em alternativas”. Também o Embaixador norte-americano nomeado para Israel, David Friedman, conhecido pelas posições em defesa dos colonatos e hostis aos palestinianos, disse no Senado que não tem melhor solução do que a de dois Estados. Em que ficamos? Situações políticas indefinidas sempre funcionaram contra os objectivos palestinianos.

Desde logo, até agora, não há contactos da administração norte-americana com a Autoridade Palestiniana. Com Barack Obama, Mahmood Abbas esteve entre os primeiros líderes mundiais que foram recebidos na Casa Branca.

Um quadro pouco animador

Após as palavras de Trump e Netanyahu, do lado palestiniano surgiram as críticas, embora com a habitual e obrigatória prudência que tenta evitar acusações de radicalismo. O jornal Al Quds (Jerusalém) escreveu em editorial: “Depois de mais de 20 anos passados a negociar e depois de aceitarmos não ficar com mais do que 22% da Palestina histórica, a grande questão é: que devemos fazer?”.

Da Autoridade Palestiniana, o Presidente Mahmood Abbas disse que qualquer medida sobre Jerusalém (transferência da embaixada dos Estados Unidos) destrói a solução política do conflito, acusou Israel de trabalhar para construir um Estado com base no sistema de apertheid e ameaçou rever o reconhecimento de Israel por parte da Organização de Libertação da Palestina.

Depois de mais de 20 anos passados a negociar e depois de aceitarmos não ficar com mais do que 22% da Palestina histórica, a grande questão é: que devemos fazer?

Neste momento estão criadas as circunstâncias para que tudo seja mais complicado para os palestinianos: para além de Donald Trump na Casa Branca, nunca Israel teve um governo tão à direita como o actual executivo liderado por Benjamin Netanyahu, enquanto os palestinianos continuam profundamente divididos e sem qualquer sinal de alteração na relação entre o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, e a Autoridade Palestiniana que controla a Cisjordânia. Uma divisão que começou no Verão de 2007.

O que se passa na Palestina não prenuncia nada de bom. Não se ouvem os tambores da guerra, mas será avisado pensar que nenhum povo aceita pacificamente a humilhação e a desonra. Resta a ONU. António Guterres já veio dizer que a solução dois Estados é a única que permite antever um qualquer acordo entre israelitas e palestinianos. Para início de mandato, António Guterres não podia ter um desafio maior, sabendo nós como ao longo dos anos a Lei Internacional e a palavra das Nações Unidas relativamente a este conflito têm sido (quase) completamente ignoradas.

____________________________

José Manuel Rosendo é mestre em Relações Internacionais

(...)

Resto dossier

Palestina perante novos desafios

O novo contexto internacional, motivado sobretudo pela eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, coloca novos desafios ao povo palestiniano, sujeito há décadas a uma ocupação violenta e ilegal dos seus territórios. Dossier organizado por Pedro Ferreira.

Os senhores da Guerra de Israel dirigem o seu olhar para Gaza

Já está. Os nossos senhores da guerra estão de volta. Chegam os belicistas. Não perdem uma oportunidade de pegar num microfone para proferir ameaças sobre a eclosão de uma nova guerra. E ainda assim ninguém lhes faz uma pergunta óbvia: por quê? para quê? O norte esta calmo, o sul também, relativamente. Por Gideon Levy

Que futuro para a Palestina na era Trump?

A vitória de Donald Trump vem lançar mais interrogações em relação à resolução da questão palestiniana uma vez que prenuncia um apoio sem precedentes às políticas de ocupação levadas a cabo pelo Estado de Israel. Por Alda Sousa.

Foto de José Manuel Teixeira

Boicote, Desinvestimento e Sanções: Uma arma ao nosso alcance contra a ocupação israelita

A campanha Boicote, Desinvestimento e Sanções tem como objetivo chamar a atenção para os crimes cometidos pelo Estado de Israel e forçá-lo respeitar o direito internacional. Por Elsa Sertório.

Para o embaixador da Palestina, Trump é um homem imprevisível e perigoso que não deve ser subestimado

Embaixador da Palestina: “Trump não conseguirá impedir a construção do Estado palestiniano”

O embaixador da Missão Diplomática da Palestina, em Lisboa, Hikmat Ajjuri, afirma em entrevista ao esquerda.net que Donald Trump é um “participante ativo dos crimes cometidos por Israel contra o povo palestiniano” e apela às instâncias internacionais para “não se vergarem às ideias do novo Presidente dos Estados Unidos”. Por Pedro Ferreira

O sorriso de Bibi

Qual foi, até agora, o resultado concreto de dezenas de anos de negociações no chamado processo de paz israelo-palestiniano? Por José Manuel Rosendo.

O presidente norte-americano disse simplesmente que tanto lhe dá haver na Palestina um Estado ou dois Estados, desde que seja uma solução acordada pelas duas partes. Foto de Gage Skidmore. Flickr

Nada de bom pode sair da política de Trump para a Palestina

Quando o novo presidente se instalou na Casa Branca, não faltava quem depositasse todas as esperanças na virtude tranquilizante que supostamente possui a magistratura mais poderosa do planeta. Por António Louçã.

O quotidiano nos territórios ocupados é marcado pela destruição, violência e morte. Foto de Shareef Sarhan/Nações Unidas/Flickr

Israel first

Os crime de guerra cometidos pelo Estado de Israel na Palestina não devem continuar impunes e os seus responsáveis têm que ser julgados em todo o mundo, especialmente pelo Tribunal Penal Internacional (TPI). Por Shahd Wadi.