You are here

“Cidade competitiva” ou “Cidade Despida”

Por estes dias ocorre um Lisboa um encontro mundial de investidores e empreendedores mundial – o Web Summit.

Medina, presidente não eleito da cidade de Lisboa , já veio bradar aos céus pela oportunidade que virá deste evento: atrair investidores, criar emprego e tornar Lisboa uma cidade verdadeiramente competitiva.

A cidade veste-se de gala: sabe-se que o Metro de Lisboa vai ter um horário adicional até ás 5 da manhã para receber aqueles que, segundo o organizador do evento, “ são empresários irreverentes que ás vezes parecem pessoas normais”. Se o classismo pagasse imposto já se podia eliminar a sobretaxa de IRS. Porque um evento de empreendedores não é um evento de empreendedores sem trabalho voluntário não pago ( ou pago a uma miséria) a ajudar, este também o tem. A maioria das pessoas que mantém este evento até são estudantes do secundário ou do superior desejosos de ganhar mais “algum” para as propinas .

Numa cidade bem distante chamada Lisboa, passamos de cidade competitiva a cidade despida. Enquanto Medina se foca em obras e mais obras sem sabermos qual a utilidade publica das mesmas, milhares de lisboetas são empurrados para os subúrbios pelo excessivo aumento das rendas, enquanto os hotéis e os bancos continuam sem pagar um adicional de IMI que alivie o imposto sobre as casas de habitação. Nesta cidade despida deixou de haver espaço para as pessoas viverem, nesta cidade despida estamos a mais. O metro de qualidade para nós está a mais, a habitação está a mais e as pessoas que querem cá viver estão a mais.

Neste liberalismo socialista de Medina é à esquerda que se exige o mais difícil: virar o jogo da cidade despida e ir vestindo-a de gente. Virar o jogo é acabar com o IMI sobre as primeiras habitações , virar o jogo é meter os bancos a pagar muito mais IMI, virar o jogo é congelar o preço das casas e criar um subsidio municipal para os inquilinos mais pobres, virar o jogo é construir passeios para pessoas com diversidade funcional. Estaremos prontos para virar?

Sobre o/a autor(a)

Estudante. Atvista do Bloco de Esquerda
Comentários (1)