You are here

Porto: De como se enche uma cidade de vazio

O Porto turístico é, cada vez mais, o Porto turistificado. Este último já não é a cidade singular que, por ser singular, é visitável. Antes, é a cidade que se reformulou na escala do olhar turista e que, com isso, se uniformizou como uma montra de centro comercial. Por Hugo Monteiro e Susana Constante Pereira.
Foto retirada do site visitporto.travel

É a 'antiga, mui gourmet, sem plano social e turística cidade do Porto' que resulta da visão comercial de Rui Moreira para o município: crie-se uma marca, promova-se a cidade enquanto produto, mercantilize-se o património histórico e o imaterial, encham-se as ruas de encenações 'disneylandizadas',  alimentem-se dinâmicas culturais marcadas pelo efémero, negligencie-se a procura infrutífera de casas para habitar no centro da cidade e ignore-se o direito ao lugar. Há valores mais altos que se levantam.

Direito ao Porto. Ponto.

O mote do “direito à cidade”, outrora desenvolvido por Henri Lefebvre no contexto das celebrações do centenário de O Capital, de Marx, reclamava a apropriação coletiva do espaço urbano, que nasce e se desenvolve como fenómeno de classes. Na verdade, desde Lefebvre e na sua continuidade, ter direito à cidade passa pelo direito de todas as pessoas e de cada uma de intervir, transformar e construir esse espaço partilhado e coletivo a que chamamos cidade. Esta é uma das dimensões truncadas pelo predomínio do olhar turístico em que, subitamente, a cidade passa a definir-se unicamente a partir da adequação a um tipo de procura, que o mercado modela e que o turismo materializa, concretizando-se a partir da linguagem e da procura turística, que se converte na grande bitola organizadora dos espaços urbanos.

Foi subitamente que se normalizou a convivência de uma empobrecida rede de transportes públicos com a abundância de autocarros privados, pequenos comboios, barcos de recreio e até riquexós (imagens da distância entre quem transporta e quem se faz transportar) oferecidos à bolsa dos e das turistas. De repente, a oferta gastronómica adopta como fator concorrencial o exotismo gourmet e a vida noturna dificilmente sobrevive ao by night eufórico que pauta as passagens fugazes por uma cidade que se assemelha demasiadamente a um espaço de recreio. De forma abrupta o som do sino do comboinho turístico que faz uma qualquer tour pela cidade ou as cores berrantes e os slogans de convite para 'conhecer o Porto' invadem o dia a dia de quem trabalha na baixa. Num relance, o poder de compra turístico define as zonas “nobres”, as zonas “dignas” ou as áreas “lucrativas” que excluem as bolsas mais magras e as vivências de sempre.

O Mercado Bom Sucesso de mercado já só tem o nome. Na Rua das Flores as lojas centenárias com as suas montras e letterings históricos desaparecem ofuscados pelos anúncios vibrantes das marcas de cerveja ou dos reptos às visitas turísticas. Os comerciantes do Mercado do Bolhão são confinados a um canto de um Centro Comercial enquanto esperam por obras que não é certo garantirem o regresso ao lugar que sempre foi o seu. São relegados para uma periferia já de si fragilizada os e as vendedoras da Feira da Vandoma. Passou a ser habitual o fecho das mercearias da esquina e das lojas de sempre. E, enfim, vão-se vivendo aqui e ali sobressaltos sobre o desígnio reservado para outros espaços da cidade, como aconteceu com o recente susto sobre a conversão da estação de São Bento num espaço para a economia do franchising. Se não estamos com atenção, piscamos os olhos e o Palácio de Cristal passa a espaço de exploração de privados, mantendo nós, com sorte, o acesso aos jardins e à Biblioteca Municipal Almeida Garrett.

O Porto, na sua dinâmica e crescimento, tem sido exemplo deste fenómeno de turistificação unidimensional. A sua história política recente contribui largamente para o modo acrítico, e até celebratório, com que é acolhida esta transformação. Dificilmente podemos escapar a uma propensão natural de comparar o estado atual da governação da cidade com o cinzentismo do pontificado de Rui Rio e o Porto desértico onde nada se passava para lá das corridas de carrinhos e dos aviõezinhos patrocinados por uma bebida qualquer. Este falacioso exercício de paralelo leva-nos a uma ilusão de cidade festiva e animada que desarma críticas e esvazia alternativas, ainda que para os autóctones as possibilidades oscilem entre compor figurativamente o cenário disposto para turista ver e fotografar, ou confinar-se à invisibilidade das periferias, que se definem como tal enquanto não são turisticamente elegíveis.

Ninguém vive num postal ilustrado.

Imagine-se uma ponte, uma linha de casas velhas ao longo da margem do rio e, entre as casas velhas, um prédio com painéis solares, materiais modernos e acabamentos de luxo. Imagine-se, não muito tempo depois, o mesmo sítio, agora com menos casas velhas – apenas uma ou outra! –, mas com mais prédios modernos, com painéis solares e acabamentos de luxo. As casas antigas, a acompanhar o rio, já não se veem senão em imitação e as pessoas já não moram lá. As novas casas para onde foram estão longe da vista e das vistas, que postais ilustrados são para passear, não para se viver.

Paralelamente, as antigas redes de apoio, proporcionadas pelas próprias relações de vizinhança, dão lugar a formas concorrenciais de relação, alimentadas pela ilusão fugaz da iniciativa privada e do empreendedorismo. É assim que, também no Porto, o arrendamento dá lugar ao “Airbnb”, trocando arrendatários por turistas e moradores ou moradoras por prestadores de serviços.

Também aqui a turistificação é uma parcela significativa do processo excludente da gentrificação, onde a cidade se transforma em zona tomada pelo capitalismo predatório e colonizada pelo interesse exclusivo das clientelas do turismo. Sob este prisma, encontramos os mais agressivos mecanismos neoliberais, em que a segregação das classes populares é docilizada pela ressignificação de palavras como “reabilitação” ou “requalificação”. Palavras dimensionadas apenas pelo lucro, mas capazes de gerar rendas generosas e muito trabalho precário.

No Porto, esta realidade implica viver entre a consternação e a expetativa. Consternação em face da perda dos espaços e das vivências de sempre, da fragilidade da gestão de património e da política cultural (que é diferente de programação cultural) ou da ainda ausente resposta às situações de exclusão e de pobreza que se vivem na cidade. Expetativa em face do potencial da oportunidade, da putativa multiplicação de possibilidades de sobrevivência ou da eventual perspectiva de um horizonte para lá do qual se adivinhe um porvir de alternativas sustentáveis para a cidade e para cada uma das pessoas que a habitam. Ou deveriam habitar.

A urgência da construção de alternativas.

Não é fácil contrariar uma tendência mundial que, mesmo com os identificados exemplos de Barcelona, de Berlin, de Veneza ou mesmo de Lisboa, tendem a solidificar-se cada vez mais. Há que refletir, porém, nas mobilizações e nos movimentos nascidos das vítimas do conjunto de processos excludentes de um urbanismo modelado pelo capital, cuja força reivindicativa tem por raiz justamente os territórios urbanos. Organizados em torno do direito à habitação, da luta contra a especulação imobiliária e contra os despejos, contra a privatização dos serviços públicos, contra a precariedade do trabalho no setor e outras consequências da cidade neoliberal, que a turistificação prepara e concretiza, estes movimentos podem constituir uma base de reflexão e de ação a favor de uma outra organização das cidades e uma mais justa repartição dos espaços.

De Madrid ou de Barcelona, largamente possibilitadas pelos movimentos 15M, chegam-nos exemplos transformadores no que toca à gestão local, com processos de decisão participativos, remunicipalização de serviços contra a privatização, intensificação da relação política entre as pessoas e os órgãos de gestão municipal… Paralelamente, o reforço da solidariedade como parcela do “direito à cidade” surge-nos nos exemplos de apoio e acolhimento de refugiados/as, mostrando que uma cidade não se esgota nos seus habitantes nativos. Curiosamente no Porto, a par de toda a narrativa da cidade global e aberta ao mundo, a Assembleia Municipal rejeitou a proposta de esta ser também uma cidade acolhedora de refugiados.

Aqui também a luta é anti capitalista e interseccional, no sentido de realçar e intensificar experiências contra-hegemónicas, capazes de provocar brechas na ilusão fatalista de que não há alternativas à cidade-mercado, tarefa a assumir em solo urbano, de forma a garantir cidades presentes e futuras de todos e de todas e para todos e para todas. Para turistas inclusive, que o turismo vive melhor e com mais longevidade numa cidade que a ele não se resume.

Susana Constante Pereira - Técnica de educação e intervenção social. Autarca do Porto do Bloco de Esquerda.
Hugo Monteiro - Professor e ativista.

(...)

Resto dossier

Turismo: Cidade e Gentrificação

A deficiente regulação do setor do Turismo, a precarização das relações laborais e a priorização dos grandes negócios em detrimento dos direitos dos residentes têm tido consequências devastadoras. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

“O turismo, se não devidamente regulado, pode ser um sector predador”

Em entrevista ao Esquerda.net, Mário Alves, especialista em Mobilidade e Transportes, defendeu que o turismo pode e deve ser potenciado, mas também enquadrado e regulado e até como forma de fonte de receita fiscal.  

O turismo está a estragar o Centro Histórico do Porto?

As condições de vida, a permanência dos moradores nas suas habitações e até a classificação do Centro Histórico do Porto como Património Mundial da Humanidade estão a ser postas em causa. Por José Castro.

Gentrificação: palavra suja do urbanismo austeritário

A gentrificação é uma questão ideológica, política e é o processo de mudança urbana que melhor materializa a luta de classes no palco cidade na/da contemporaneidade. Por Luís Mendes.

Gentrificação: é positiva, inevitável ou a expressão espacial da desigualdade?

A gentrificação é um produto do urbanismo neoliberal. O urbanismo que prescinde do planeamento e regula a favor do mercado, provoca a expulsão das classes mais vulneráveis e a sua substituição por classes de maior rendimento. Por Rita Silva.

O papel das políticas da CM de Lisboa na turistificação da cidade

As dinâmicas económicas e as transformações urbanas daí resultantes têm vindo a comprometer a desejada coesão socio-económica e territorial, tendendo a converter-se as ações de reabilitação em processos de renovação e gentrificação. Por Fabiana Pavel.

Para onde caminha a Lisboa cultural?

A ideia de uma cidade que se reinventa para o exterior, fazendo-se pouco atenta às subtilezas de um tempo presente de necessidades e quotidianos sociais, bem como de que nem sempre se faz cuidadosa das matérias da sua herança cultural, faz questionar o que se quer como futuro para a cidade. Por Marluci Menezes.

Respira, querida Lisboa!

Entra aquela sensação de que em breve terão que haver workshops para treinar figurantes que pareçam habitantes locais. Por Sofia Neuparth.

A segunda gentrificação de Lisboa

Vista pelos olhos de um investidor imobiliário, qualquer gentrificação é um processo irresistível. Pelos olhos de quem habite ou deseje habitar um centro histórico, é uma arbitrariedade esmagadora. Por Pedro Bingre do Amaral.

“Modelo de desenvolvimento turístico de Lisboa é totalmente insustentável”

Em entrevista ao Esquerda.net, o deputado municipal do Bloco de Esquerda em Lisboa, Ricardo Robles,  defendeu que “é preciso criar condições” para que o turismo “sobreviva a longo prazo e não conflitue com a cidade e com quem nela quer viver”.

“Zonas centrais de Lisboa estão a tornar-se morada exclusiva para os mais ricos”

As transformações da intensificação do turismo na capital analisadas por Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses.

Gentrificação e turismo em Lisboa

Vídeo do programa do Mais Esquerda sobre a gentrificação e o turismo na cidade de Lisboa.

Encontro na Trienal de Arquitectura, fotografia de António Brito Guterres

Quem vai poder morar em Lisboa?

Da gentrificação e do turismo à subida no preço da habitação: causas, consequências e propostas. Texto publicado em buala.org

“Vamos deixar Lisboa porque não somos ricos”

A gentrificação e o turismo de massas têm vindo a alterar o perfil da cidade de Lisboa empurrando para a periferia aqueles que têm menos recursos económicos. Recolhemos a opinião de pessoas que já detetaram esses sinais e algumas delas foram mesmo obrigadas a mudar o seu curso de vida. Por Pedro Ferreira.

Foto do site da Tomaz Douro.

Como acabar com a precariedade no turismo

Num sector altamente concentrado - 1% das empresas são responsáveis por 64% do volume de negócios e 32% do emprego - não admira que os patrões queiram uma mudança na lei laboral de forma a legitimar o que são hoje práticas abusivas e uma informalidade constante. Por Adriano Campos.

Porto: De como se enche uma cidade de vazio

O Porto turístico é, cada vez mais, o Porto turistificado. Este último já não é a cidade singular que, por ser singular, é visitável. Antes, é a cidade que se reformulou na escala do olhar turista e que, com isso, se uniformizou como uma montra de centro comercial. Por Hugo Monteiro e Susana Constante Pereira.

Barcelona: O Bairro Gótico, paradigma da turistificação da cidade

Turistificação de Barcelona levou ao aumento das rendas, privatização de espaços públicos, destruição do tecido social e comercial do centro. Bairro Gótico é exemplo flagrante.

Foto: Fernanda LeMarie. Cancellería del Ecuador

Ada Colau: Por um "controlo democrático" do turismo em Barcelona

A autarca barcelonesa tem vindo a implementar medidas que visam “regular o setor, regressar às tradições do planeamento urbano local, e colocar os direitos dos residentes antes dos interesses dos grandes negócios”.

Combate à gentrificação: Experiências internacionais

Neste artigo são assinaladas algumas das medidas adotadas na luta contra a gentrificação em cidades como Berlim, São Francisco, Paris e Barcelona.