You are here

“Zonas centrais de Lisboa estão a tornar-se morada exclusiva para os mais ricos”

A intensificação do turismo na cidade de Lisboa originou transformações significativas na vida dos seus habitantes, muitas indubitavelmente positivas, outras claramente negativas e preocupantes, tanto no presente como a prazo, a exemplo do já sucedido e conhecido noutras cidades europeias. Por Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses.
Foto de António Cotrim, Lusa.
Foto de António Cotrim, Lusa.

A recente intensificação do turismo de curta duração nas cidades e a consequente procura de soluções de alojamento, fora da oferta hoteleira tradicional, levou a que muitos proprietários afetassem apartamentos situados nas zonas mais centrais a este serviço desviando-os da habitação, própria ou arrendada, seu destino e vocação inicial e para tal projetados e licenciados.

Esta intensificação do turismo na cidade de Lisboa originou transformações significativas na vida dos seus habitantes, muitas indubitavelmente positivas, outras claramente negativas e preocupantes, tanto no presente como a prazo, a exemplo do já sucedido e conhecido noutras cidades europeias.

Como aspetos positivos, podemos considerar os benefícios na reabilitação do edificado, maiores rendimentos a proprietários, crescimento das receitas do turismo, criação de postos de trabalho, aumento da receita fiscal.

Como consequências negativas e preocupantes para a cidade, temos o desvio de milhares de habitações e edifícios para o alojamento local ou para hotéis, de que resulta cada vez menos habitantes e atividades económicas tradicionais na cidade e o exponencial aumento do preço da habitação, estando as zonas mais centrais de Lisboa a tornar-se praticamente morada exclusiva para os mais ricos e para moradores em trânsito.

Se o arrendamento habitacional já era considerado um subproduto e mesmo um anacronismo, o crescimento do alojamento local veio pressionar ainda mais e mais rapidamente, o arrendamento na cidade para algo semelhante a uma obsolescência.

Quando o discurso oficial argumenta que é necessário haver condições de mobilidade dos cidadãos e das famílias, ao ter-se um mercado de arrendamento incipiente, anacrónico, anémico, de baixa qualidade e de preço excessivo que não satisfaz a procura e a mobilidade, não se pode continuar a adiar a tomada de medidas para se criar e para dinamizar um mercado de arrendamento habitacional que apresente uma oferta diversificada, em quantidade, em qualidade e em preço, que garanta à propriedade um rendimento estável e prolongado e ao arrendatário uma morada igualmente estável e de preço acessível.

O crescimento do Alojamento Local induziu o Governo anterior a determinar certa regulamentação sobre esta oferta, designadamente no sentido de a colocar sob a alçada fiscal, aproveitando também para arrecadar receita sobre o tradicional alojamento sazonal para férias.

Todavia, ao invés de regular convenientemente a atividade, impondo regras e limites razoáveis e aceitáveis, a desregulação e o facilitismo apressadamente concedidos na legislação sobre o Alojamento Local permitiram que qualquer apartamento, com a complacência do Município, possa ser afeto a uma indústria sem uma prévia alteração, quer do título, quer do projeto aprovado, quer do respetivo licenciamento de uso.

Ao não se terem impostos limites à possibilidade de afetar apartamentos a esta indústria, resultou na utilização indiscriminada, desregrada e intensiva de inúmeros apartamentos em prédios de habitação, com arrendatários e/ou em condomínio, causando desnecessárias perturbações, incómodos, excessos, conflitos e despesas não previstas.

Acresce que uma certa ganância e a perspetiva de ganhos maiores e mais rápidos, levou a que muitos senhorios pressionassem inquilinos, designadamente os mais idosos e vulneráveis, a abandonarem as suas casas mediante indemnizações, quase sempre irrisórias, havendo situações de intensa coação, expulsando-os dos seus locais de morada e quebrando relações de vizinhança e de solidariedade.

Não se questionando satisfazer a procura de alojamento turístico em apartamentos, entende-se que se deve intervir, a exemplo de outras cidades europeias, de modo a regrar e disciplinar esta utilização.

Para se regrar convenientemente esta atividade haverá que não permitir a utilização para Alojamento Local, bem como para outros fins, de apartamentos destinados a habitação, sem a prévia autorização municipal de alteração de uso com base no projeto para o qual foi licenciado.

Haverá que limitar, no máximo a 50%, os apartamentos para utilização afeta ao Alojamento Local quando em prédios com locados arrendados e licenciados para habitação, e apenas os situados nos pisos inferiores.

Quando em condomínios, não permitir a utilização turística afeta ao Alojamento Local de apartamentos sem a prévia concordância dos condóminos, acrescido da obrigatoriedade de um seguro multirriscos para cobertura de possíveis danos causados pelos respetivos utilizadores.

Haverá ainda que impor regras de higiene e segurança, idênticas às exigidas para a hotelaria e exercer a consequente fiscalização.

Paralelamente, de insofismável importância e de urgente resolução, haverá que considerar e corrigir a enorme discrepância e injustiça na fiscalidade aplicada ao arrendamento e ao alojamento local, com claro prejuízo do primeiro, que inegavelmente tem uma função social de grande relevo que o segundo não tem. Ao arrendamento, em sede de IRS, aplica-se uma taxa liberatória de 28% sobre as rendas recebidas. Ao Alojamento Local considera-se apenas 15% do rendimento auferido para declarar em sede de IRS, o que resulta num imposto efetivo médio, estima-se, entre os 5% e os 10%.

Esta disparidade fiscal não pode determinar, como consta ser a intenção facilitista do Governo, que sobre o alojamento local venha a incidir a mesma fiscalidade que incide sobre o arrendamento. Não parece ser a solução adequada para atividades económicas e prestações de serviços muito diferentes.

Tendo em conta a sua função social, e conforme a AIL insistentemente tem proposto, a carga fiscal sobre o arrendamento urbano, designadamente o habitacional, deveria, isso sim, ser reduzida e já a constar no Orçamento do Estado para 2017.

A fiscalidade sobre o Alojamento Local deverá ser tratada em conformidade com uma atividade económica turística, com deduções de gastos das operações e taxas apropriadas e suportáveis.

Não é por se aumentar a carga fiscal que a economia cresce e se desenvolve.

(...)

Resto dossier

Turismo: Cidade e Gentrificação

A deficiente regulação do setor do Turismo, a precarização das relações laborais e a priorização dos grandes negócios em detrimento dos direitos dos residentes têm tido consequências devastadoras. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

“O turismo, se não devidamente regulado, pode ser um sector predador”

Em entrevista ao Esquerda.net, Mário Alves, especialista em Mobilidade e Transportes, defendeu que o turismo pode e deve ser potenciado, mas também enquadrado e regulado e até como forma de fonte de receita fiscal.  

O turismo está a estragar o Centro Histórico do Porto?

As condições de vida, a permanência dos moradores nas suas habitações e até a classificação do Centro Histórico do Porto como Património Mundial da Humanidade estão a ser postas em causa. Por José Castro.

Gentrificação: palavra suja do urbanismo austeritário

A gentrificação é uma questão ideológica, política e é o processo de mudança urbana que melhor materializa a luta de classes no palco cidade na/da contemporaneidade. Por Luís Mendes.

Gentrificação: é positiva, inevitável ou a expressão espacial da desigualdade?

A gentrificação é um produto do urbanismo neoliberal. O urbanismo que prescinde do planeamento e regula a favor do mercado, provoca a expulsão das classes mais vulneráveis e a sua substituição por classes de maior rendimento. Por Rita Silva.

O papel das políticas da CM de Lisboa na turistificação da cidade

As dinâmicas económicas e as transformações urbanas daí resultantes têm vindo a comprometer a desejada coesão socio-económica e territorial, tendendo a converter-se as ações de reabilitação em processos de renovação e gentrificação. Por Fabiana Pavel.

Para onde caminha a Lisboa cultural?

A ideia de uma cidade que se reinventa para o exterior, fazendo-se pouco atenta às subtilezas de um tempo presente de necessidades e quotidianos sociais, bem como de que nem sempre se faz cuidadosa das matérias da sua herança cultural, faz questionar o que se quer como futuro para a cidade. Por Marluci Menezes.

Respira, querida Lisboa!

Entra aquela sensação de que em breve terão que haver workshops para treinar figurantes que pareçam habitantes locais. Por Sofia Neuparth.

A segunda gentrificação de Lisboa

Vista pelos olhos de um investidor imobiliário, qualquer gentrificação é um processo irresistível. Pelos olhos de quem habite ou deseje habitar um centro histórico, é uma arbitrariedade esmagadora. Por Pedro Bingre do Amaral.

“Modelo de desenvolvimento turístico de Lisboa é totalmente insustentável”

Em entrevista ao Esquerda.net, o deputado municipal do Bloco de Esquerda em Lisboa, Ricardo Robles,  defendeu que “é preciso criar condições” para que o turismo “sobreviva a longo prazo e não conflitue com a cidade e com quem nela quer viver”.

“Zonas centrais de Lisboa estão a tornar-se morada exclusiva para os mais ricos”

As transformações da intensificação do turismo na capital analisadas por Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses.

Gentrificação e turismo em Lisboa

Vídeo do programa do Mais Esquerda sobre a gentrificação e o turismo na cidade de Lisboa.

Encontro na Trienal de Arquitectura, fotografia de António Brito Guterres

Quem vai poder morar em Lisboa?

Da gentrificação e do turismo à subida no preço da habitação: causas, consequências e propostas. Texto publicado em buala.org

“Vamos deixar Lisboa porque não somos ricos”

A gentrificação e o turismo de massas têm vindo a alterar o perfil da cidade de Lisboa empurrando para a periferia aqueles que têm menos recursos económicos. Recolhemos a opinião de pessoas que já detetaram esses sinais e algumas delas foram mesmo obrigadas a mudar o seu curso de vida. Por Pedro Ferreira.

Foto do site da Tomaz Douro.

Como acabar com a precariedade no turismo

Num sector altamente concentrado - 1% das empresas são responsáveis por 64% do volume de negócios e 32% do emprego - não admira que os patrões queiram uma mudança na lei laboral de forma a legitimar o que são hoje práticas abusivas e uma informalidade constante. Por Adriano Campos.

Porto: De como se enche uma cidade de vazio

O Porto turístico é, cada vez mais, o Porto turistificado. Este último já não é a cidade singular que, por ser singular, é visitável. Antes, é a cidade que se reformulou na escala do olhar turista e que, com isso, se uniformizou como uma montra de centro comercial. Por Hugo Monteiro e Susana Constante Pereira.

Barcelona: O Bairro Gótico, paradigma da turistificação da cidade

Turistificação de Barcelona levou ao aumento das rendas, privatização de espaços públicos, destruição do tecido social e comercial do centro. Bairro Gótico é exemplo flagrante.

Foto: Fernanda LeMarie. Cancellería del Ecuador

Ada Colau: Por um "controlo democrático" do turismo em Barcelona

A autarca barcelonesa tem vindo a implementar medidas que visam “regular o setor, regressar às tradições do planeamento urbano local, e colocar os direitos dos residentes antes dos interesses dos grandes negócios”.

Combate à gentrificação: Experiências internacionais

Neste artigo são assinaladas algumas das medidas adotadas na luta contra a gentrificação em cidades como Berlim, São Francisco, Paris e Barcelona.