You are here

Para onde caminha a Lisboa cultural?

A ideia de uma cidade que se reinventa para o exterior, fazendo-se pouco atenta às subtilezas de um tempo presente de necessidades e quotidianos sociais, bem como de que nem sempre se faz cuidadosa das matérias da sua herança cultural, faz questionar o que se quer como futuro para a cidade. Por Marluci Menezes.
Foto de Paulete Matos.

Lisboa mudou: de cidade que, a par do seu rico património histórico e cultural, tendia a ser identificada também pelos problemas de perda e envelhecimento da sua população, desvitalização socio-económica e degradação do seu edificado, mais recentemente, volta a ser tema público por motivos de uma outra dinâmica social e urbana. Mais animada, com mais e mais pessoas de falas e jeitos diferentes, obras e mais obras, com muitos eventos culturais, Lisboa e, sobretudo, o seu centro histórico, parece viver um tempo de férias, uma cidade time out.

Assente num marketing urbano que liga-se às inovações de uma economia tida como cultural e criativa, esta nova dinâmica urbana realiza-se num ideal de revitalização socio-económica focada no sector turístico, na requalificação de espaços públicos, numa reconversão funcional do seu património e em lógicas de atractabilidade e oferta habitacional orientadas para segmentos sociais de média/alta renda.

Uma dinâmica urbana que não é exclusiva a Lisboa e, como sabemos, afecta não só outras cidades do País, como muitas outras cidades do mundo contemporâneo. É também incontestável para Lisboa, bem como para o País, que estas novas dinâmicas são, em potencial, activos revigorantes da economia nacional.

Todavia, a ideia de uma cidade que se reinventa para o exterior, fazendo-se pouco atenta às subtilezas de um tempo presente de necessidades e quotidianos sociais, bem como de que nem sempre se faz cuidadosa das matérias da sua herança cultural, faz questionar o que se quer como futuro para a cidade. O que, em termos de uma estratégia pública do fazer urbano, traz à tona as tão prementes questões do urbanismo e do planeamento urbano.

Isto porque, no âmbito do plano, da política e da intervenção urbana, se observa uma instrumentalização da cultura que, a par de uma significativa alteração do seu papel no quadro mais amplo das questões urbanas, expõe uma distorção na sua relação com o património, a cidadania e o território. Assim, os processos de culturalização do planeamento e da cidade, intervenções urbano-culturais ou de urbanismo cenográfico, não são imunes aos riscos que a estetização do planeamento pode ter na invenção de uma cidadania contemplativa e esvaziada, como se os conflitos, as desigualdades e a segregação deixassem de existir nos espaços que, pouco a pouco, se tornam mais sofisticados, porque involucrados por uma ‘aura cultural’. Muito mais do que o instrumentalizar da cultura como meio de transformação urbana, urge (re)inventar uma cultura de planeamento urbano que saiba restituir o apreço público da cidade.

O que, evidencia a importância de uma cultura da cidade num sentido mais lato: se é que a integração social e urbana de todos os habitantes deve ser uma condição regular das políticas urbanas, importa considerar alternativas que permitam suprir as necessidades daqueles que, face à precariedade socio-económica e monetária, não têm como ter acesso ao mercado que institui a oferta de serviços e infraestruturas. Estas preocupações assentam numa perspetiva de desenvolvimento de abordagens e iniciativas que ressaltam as questões ligadas à justiça social e à justiça espacial.

Importa, assim, cuidar da sustentabilidade urbana enquanto lógica assente em três pilares – sociedade, ambiente e economia. Aí reside a possibilidade de estabelecer-se uma mediação entre conservar e desenvolver, entre qualificar e promover cidadania através do direito à cidade. Isto porque, muito embora em Lisboa a cultura se tenha tornado num instrumento de intervenção urbana, a forma como vem sendo mobilizada nem sempre permite indiciar desenvolvimento social e urbano sustentável, nomeadamente quando dos eminentes riscos de patrimonialização, culturalização, turistificação e mercadorização da cidade, às custas de uma desqualificada periferização de quem nela não consegue viver. Isto é, mais do que preocupar-nos com a sustentabilidade cultural em si própria, urde inventar políticas e estratégias que contribuam para uma cultura de sustentabilidade urbana que, efetivamente, promova um desenvolvimento social e económico devidamente confirmado pela salvaguarda do património cultural e urbano da cidade.

 


 

*Marluci Menezes é Antropóloga, Investigadora dos temas da Cidade, Património e Cultura.

(...)

Resto dossier

Turismo: Cidade e Gentrificação

A deficiente regulação do setor do Turismo, a precarização das relações laborais e a priorização dos grandes negócios em detrimento dos direitos dos residentes têm tido consequências devastadoras. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

“O turismo, se não devidamente regulado, pode ser um sector predador”

Em entrevista ao Esquerda.net, Mário Alves, especialista em Mobilidade e Transportes, defendeu que o turismo pode e deve ser potenciado, mas também enquadrado e regulado e até como forma de fonte de receita fiscal.  

O turismo está a estragar o Centro Histórico do Porto?

As condições de vida, a permanência dos moradores nas suas habitações e até a classificação do Centro Histórico do Porto como Património Mundial da Humanidade estão a ser postas em causa. Por José Castro.

Gentrificação: palavra suja do urbanismo austeritário

A gentrificação é uma questão ideológica, política e é o processo de mudança urbana que melhor materializa a luta de classes no palco cidade na/da contemporaneidade. Por Luís Mendes.

Gentrificação: é positiva, inevitável ou a expressão espacial da desigualdade?

A gentrificação é um produto do urbanismo neoliberal. O urbanismo que prescinde do planeamento e regula a favor do mercado, provoca a expulsão das classes mais vulneráveis e a sua substituição por classes de maior rendimento. Por Rita Silva.

O papel das políticas da CM de Lisboa na turistificação da cidade

As dinâmicas económicas e as transformações urbanas daí resultantes têm vindo a comprometer a desejada coesão socio-económica e territorial, tendendo a converter-se as ações de reabilitação em processos de renovação e gentrificação. Por Fabiana Pavel.

Para onde caminha a Lisboa cultural?

A ideia de uma cidade que se reinventa para o exterior, fazendo-se pouco atenta às subtilezas de um tempo presente de necessidades e quotidianos sociais, bem como de que nem sempre se faz cuidadosa das matérias da sua herança cultural, faz questionar o que se quer como futuro para a cidade. Por Marluci Menezes.

Respira, querida Lisboa!

Entra aquela sensação de que em breve terão que haver workshops para treinar figurantes que pareçam habitantes locais. Por Sofia Neuparth.

A segunda gentrificação de Lisboa

Vista pelos olhos de um investidor imobiliário, qualquer gentrificação é um processo irresistível. Pelos olhos de quem habite ou deseje habitar um centro histórico, é uma arbitrariedade esmagadora. Por Pedro Bingre do Amaral.

“Modelo de desenvolvimento turístico de Lisboa é totalmente insustentável”

Em entrevista ao Esquerda.net, o deputado municipal do Bloco de Esquerda em Lisboa, Ricardo Robles,  defendeu que “é preciso criar condições” para que o turismo “sobreviva a longo prazo e não conflitue com a cidade e com quem nela quer viver”.

“Zonas centrais de Lisboa estão a tornar-se morada exclusiva para os mais ricos”

As transformações da intensificação do turismo na capital analisadas por Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses.

Gentrificação e turismo em Lisboa

Vídeo do programa do Mais Esquerda sobre a gentrificação e o turismo na cidade de Lisboa.

Encontro na Trienal de Arquitectura, fotografia de António Brito Guterres

Quem vai poder morar em Lisboa?

Da gentrificação e do turismo à subida no preço da habitação: causas, consequências e propostas. Texto publicado em buala.org

“Vamos deixar Lisboa porque não somos ricos”

A gentrificação e o turismo de massas têm vindo a alterar o perfil da cidade de Lisboa empurrando para a periferia aqueles que têm menos recursos económicos. Recolhemos a opinião de pessoas que já detetaram esses sinais e algumas delas foram mesmo obrigadas a mudar o seu curso de vida. Por Pedro Ferreira.

Foto do site da Tomaz Douro.

Como acabar com a precariedade no turismo

Num sector altamente concentrado - 1% das empresas são responsáveis por 64% do volume de negócios e 32% do emprego - não admira que os patrões queiram uma mudança na lei laboral de forma a legitimar o que são hoje práticas abusivas e uma informalidade constante. Por Adriano Campos.

Porto: De como se enche uma cidade de vazio

O Porto turístico é, cada vez mais, o Porto turistificado. Este último já não é a cidade singular que, por ser singular, é visitável. Antes, é a cidade que se reformulou na escala do olhar turista e que, com isso, se uniformizou como uma montra de centro comercial. Por Hugo Monteiro e Susana Constante Pereira.

Barcelona: O Bairro Gótico, paradigma da turistificação da cidade

Turistificação de Barcelona levou ao aumento das rendas, privatização de espaços públicos, destruição do tecido social e comercial do centro. Bairro Gótico é exemplo flagrante.

Foto: Fernanda LeMarie. Cancellería del Ecuador

Ada Colau: Por um "controlo democrático" do turismo em Barcelona

A autarca barcelonesa tem vindo a implementar medidas que visam “regular o setor, regressar às tradições do planeamento urbano local, e colocar os direitos dos residentes antes dos interesses dos grandes negócios”.

Combate à gentrificação: Experiências internacionais

Neste artigo são assinaladas algumas das medidas adotadas na luta contra a gentrificação em cidades como Berlim, São Francisco, Paris e Barcelona.