You are here

Teve golpe

É um golpe pela democracia? Impossível. A democracia dá-se bem com eleições, mas não gosta de assaltos.

E foi feio. Não se trata de defender ou atacar Dilma Roussef ou o PT brasileiro. Não se trata de negar os casos de corrupção ou de má governação. Trata-se, simplesmente, de reconhecer o que está à frente dos nossos olhos. Estamos a assistir em direto a um golpe no quinto maior país do Mundo.

É um golpe contra a corrupção? Difícil. Só na comissão que propôs a destituição de Dilma metade dos membros estavam sob investigação do Supremo Tribunal. Na Câmara dos Deputados, que aprovou a destituição, quase metade estão também estão sob acusação de crimes. Ao contrário de Dilma, que até agora não foi acusada ou indiciada por qualquer crime, Michel Temer, atual presidente interino, está a ser investigado pelo seu envolvimento em vários casos de corrupção e ilegalidades. Sem um crime comprovado não pode, constitucionalmente, haver destituição.

É por isso que é um golpe.

É um golpe pela democracia? Impossível. A democracia dá-se bem com eleições, mas não gosta de assaltos. Gostemos ou não, Dilma, com o seu programa, ganhou as eleições há 18 meses. Temer, que goza de baixíssimos índices de popularidade no país, está a aproveitar o momento, a instrumentalizar o descontentamento e a ser instrumentalizado pela Oposição derrotada, para chegar ao poder.

Em vez de defender a convocação de eleições, Michel Temer nomeou um novo Governo de 23 homens brancos, cinco deles com conhecidas ligações ao caso Lava Jato. Ainda é cedo para saber todos os pormenores, mas a política económica vai mudar, com privatizações e cortes anunciados. Demasiadas mudanças e demasiada pressa para um presidente interino.

No Brasil, quem quer justificar o golpe diz falar em nome da democracia contra a corrupção. Trata-se, na verdade, de um assalto de uma elite corrupta que, com tanta sede de poder, já nem tem vergonha de atropelar a democracia.


Artigo publicado no Jornal de Notícias

Sobre o/a autor(a)

Deputada. Dirigente do Bloco de Esquerda. Economista.
Comentários (1)