You are here

Marcelo, vice-rei da Esquerda

Marcelo aspirará à unanimidade caso os poderes de Bruxelas não entendam dinamitar a Europa e, com ela, o poder em Portugal. Seja a Esquerda capaz de manter consigo o seu vice-rei.

A dinâmica dos aplausos é o mais relevante facto político parlamentar do novo presidente. A força, a intensidade e a posição das mãos. A firmeza do olhar e a posição das costas. Sacrilégio. Sem palmarem repetidamente as próprias mãos após o redondo mas apelativo discurso de tomada de posse de Marcelo, grande parte do interesse jornalístico olhava para a parte mais à esquerda da Esquerda parlamentar como gente ingrata ou sem educação. Gente incapaz de bater uma palma mas talhada de berço para furar o unanimismo. Gente cruel e sem sentido de Estado, no dia em que o estado de graça se apresentou como ser vivo, eleito e mandante. O cartaz-que-não-foi-cartaz de Jesus Cristo inverteu a descendência: sendo uma espécie de pai de todos, a Marcelo parece terem faltado dois filhos, Bloco de Esquerda e PCP.

A circunstância poderia fazer amolecer todo e qualquer deputado. Olhando friamente para quadro e moldura, era Cavaco que rendia a guarda e - isso sim - convocava belos motivos para aplauso. E na prática, dizem alguns despeitados pela afronta, se nem agora Bloco de Esquerda e PCP aplaudem Marcelo é porque provavelmente nunca mais o irão aplaudir. Se presumivelmente fazem bingo na análise e na projecção de futuro, por que pretendem uma outra justificação ou razão para a ausência de aplausos? Não está na cara, está no silêncio.

A taxa de esforço mais mundana é um indicador que traduz o peso dos empréstimos nos rendimentos do agregado familiar. No plano do exercício do aplauso parlamentar, acredito que a taxa de esforço tinha sido bem maior e mais pesada no PSD e CDS-PP. Imagino o que passará pela cabeça da Direita republicana no momento em que tem que conviver com um presidente-rei que apoiou e ajudou a eleger. Com alguém que não tentará intervir sem estar seguro de que o índice de popularidade não se acanha, alguém que elevará a dramaturgia ao nível da performance individual. Um presidente em que António Costa poderá ter votado. Um presidente que não aparenta ressentimentos ideológicos com parte dos portugueses em razão do mundo que "afectivamente" partilha. A nova "narrativa" é agora a dos "afectos", até à canonização.

Podem ter que nascer pessoas duas vezes (como sugeria Cavaco) ou assistirmos à sucessão de várias legislaturas sem que Marcelo enfrente uma ruptura de frente. Como um vice-rei, designado por alguma monarquia como governador de uma província ou território ultramarino, não será o novo monarca da República a provocar ou acentuar uma crise política. O preço de mercado seria extremamente elevado. Marcelo aspirará à unanimidade caso os poderes de Bruxelas não entendam dinamitar a Europa e, com ela, o poder em Portugal. Seja a Esquerda capaz de manter consigo o seu vice-rei.

Artigo publicado em “Jornal de Notícias” a 16 de março de 2015

Sobre o/a autor(a)

Músico e jurista. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990.
(...)