You are here

Joana Mortágua

Deputada e dirigente do Bloco de Esquerda, licenciada em relações internacionais.

Artigos do Autor(a)

2022/05/27 - 11:26am

A luta pela igualdade de género não pode desembocar na procura da padronização dos corpos e dos comportamentos humanos pelo referencial masculino para evitar o preconceito e a discriminação.

2022/05/20 - 9:00am

O manifesto afirma o que todas pensamos: não podemos aceitar para juiz do Tribunal Constitucional “que nos faz sentir a mesma vergonha que paira sobre o Supremo Tribunal dos EUA”.

2022/05/15 - 11:06pm

Para a história não ficarão as tristes declarações de Marta Temido, mas, no mundo em que vivemos, isso não retira gravidade ao sucedido. No mínimo, deram ideias ao próximo governo da direita.

2022/05/07 - 12:32pm

Cabe-nos vigiar os direitos conquistados, porque o que não faltam por aí são resquícios trumpistas, sobretudo no que toca aos direitos de género.

2022/04/29 - 3:48pm

A maioria das vezes, os autores destes crimes são homens que fazem parte das relações familiares ou de proximidade das vítimas.

2022/04/24 - 12:42pm

Sou das muitas e muitos que rejeitam o apagão ideológico que se esconde no chavão “o 25 de Abril é de todos”.

2022/04/13 - 10:44pm

Normalidade não é ausência de adversidades, é boa política educativa, é preparação, é investimento, é professores a todas as disciplinas. No final do segundo período eram 30 mil alunos sem professor a pelo menos uma disciplina. E no próximo ano já serão cerca de 110 mil na mesma situação.

2022/04/11 - 11:02pm

Não é inocente nem despiciendo que Guterres inclua nas suas acusações, além dos governantes, os líderes empresariais. Grandes grupos económicos que escondem atrás de fachadas muito verdejantes a sua atuação (às vezes a sua própria existência) anti-climática.

2022/04/03 - 3:48pm

O objetivo é que as mulheres recorram aos serviços de saúde para terem as suas crianças, e por isso a mudança tem de começar por um impulso institucional. Aplicar e discutir boas práticas, facilitar a denúncia, punir os abusos e – principalmente – discutir o assunto, são prioridades.

2022/03/26 - 11:33am

Com esta decisão, Sanchez fez uma escolha. Não apenas pela indiferença humanitária perante um povo que vive maioritariamente em campos de refugiados, mas pela negação do direito histórico de um povo colonizado à sua própria existência.

Pages