You are here

Milhares de refugiados reféns da hipocrisia da UE

Se há imagens que ao longo deste ano ficaram na memória de milhões de pessoas, elas estão relacionadas com o drama dos refugiados que, para fugir da guerra, das perseguições e da miséria extrema, tentaram alcançar a Europa em embarcações sem um mínimo de condições de segurança.
Nem o inverno trava a fuga de refugiados: todos os dias 4 mil pessoas cruzam o Mediterrâneo para chegar à Grécia.

Muitos perderam a vida, outros foram separados das suas famílias. Aquela que já foi considerada como a maior crise de refugiados após a II Guerra Mundial, esbarrou, no entanto, na indiferença dos responsáveis políticos dos Estados-membros da UE que em vez de encontrar soluções para resolver este drama humanitário, optaram por erguer muros ao longo das suas fronteiras e adotar um discuro onde a lógica securitária se sobrepôs à solidariedade.

Os números-divulgados pelas Nações Unidas e pela Organização Internacional das Migrações são impressionantes pela sua dimensão e dão-nos conta que ao longo do ano cerca de um milhão de pessoas oriundas sobretudo da Síria, Afeganistão, Iraque Eritreia e, e menor escala, do Paquistão, da Gâmbia, do Sudão, do Mali e da Nigéria, abandonaram os seus países que, mergulhados em conflitos de vária natureza, deixaram de garantir as condições mínimas de estabilidade e perspectivas de futuro aos seus habitantes.

“ Se não fugisse, mais cedo ou mais tarde era morto”, disse um refugiado sírio que hoje vive num centro de acolhimento algures na Europa.

A miséria que é uma forma de morte lenta, é a única coisa que nos resta. Eu e a minha família queremos viver com alguma dignidade

“No meu país, o Afeganistão, não resta nada. A miséria que é uma forma de morte lenta, é a única coisa que nos resta. Eu e a minha família queremos viver com alguma dignidade. Por isso arriscámos à espera que nos deixem entrar”, afirmou, por seu turno, uma jovem.

Manipulação da opinião pública

Estes relatos, espécie de apelos desesperados à compreensão dos decisores europeus, não teve uma resposta objetiva. Antes pelo contrário, os líderes dos países da UE, numa clara tentativa de intoxicar a opinião pública optaram por adiar a resolução do problema com discursos de natureza xenófoba pondo o acento tónico na defesa dos valores ocidentais que poderiam ser postos em causa pela “islamização do continente” e por atos terroristas daqueles que, aproveitando-se deste fluxo para cruzar as fronteiras da Europa, tinham como única intenção levar a cabo atos de natureza terrorista.

Diga-se a este propósito, que após os atentados de novembro em Paris, o primeiro-minstro francês, Manuel Valls afirmou ao jornal alemão “Süddeutsche Zeitung” que “a Europa não pode aceitar mais refugiados", acrescentando "ser necessário um controlo mais rigído das fronteiras europeias.”

Nessa entrevista, Valls disse ainda que “a opinião pública está consciente de que pelo menos dois dos terroristas de Paris entraram na Europa com os refugiados."

Este tipo de comentários que vai pontuando as intervenções dos responsáveis europeus, ao invés de servir uma estratégia comum para pôr fim a esta situação, leva ao extremar de posições por parte de quem, não estando isento de responsabilidades no autêntico “barril de pólvora” em que se transformaram muitos países, pretende somente abrir espaço para um férreo controlo das fronteiras que pode inclusivamente colocar em causa a livre circulação de pessoas no espaço europeu.

Olhar para o lado

Com ficou referido no início do texto, o número de refugiados é avassalador e carece de ações urgente que evitem que esta tragédia ganhe contornos ainda maiores.

a chegada de um milhão de pessoas ao continente europeu durante 2015 significa que este fluxo aumentou cinco vezes em relação ao ano anterior cujo número foi de 216 mil tendo-se registado também mais 400 mortes do que em 2104

Para se ter uma ideia basta atentar uma vez mais nos números divulgados pelas Nações Unidas: a chegada de um milhão de pessoas ao continente europeu durante 2015 significa que este fluxo aumentou cinco vezes em relação ao ano anterior cujo número foi de 216 mil tendo-se registado também mais 400 mortes do que em 2104.

Perante esta situação, e apesar do fluxo de refugiados continuar, aumentando ainda mais o perigo da travessia por mar por causa do inverno, os responsáveis dos 28 países da UE estiveram reunidos em cimeira no passado dia 19 de dezembro tendo-se limitado a manifestar a sua “preocupação” com este problema. As decisões foram adiadas uma vez mais para o início do segundo semestre de 2016.

Nessa reunião, houve, no entanto, um aspeto que mereceu a concordância de todos os responsáveis dos Estados-membros. Esse ponto está relacionado com a necessidade do reforço das fronteiras externas da Europa, única forma, segundo o presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Junker de “garantir o espaço de livre circulação na UE criado pelos acordos de Schengen.

Estamos assim perante a criação de uma Europa fortaleza que se fecha perante si própria e aposta na criação de uma polícia de fronteira com cerca de 1500 efectivos com poder para intervir num país mesmo antes de este pedir a sua intervenção o que é considerado como “um passo essencial” para “presevar” a liberdade de movimentos na Europa.

Neste quadro, a Frontex, agência europeia que é responsável pelo controlo de fronteiras da UE, viu já reforçado o seu orçamento para o próximo ano, para recrutar mais guardas e adquirir mais equipamentos para “proteger” as fronteiras externas de Schengen.

Enquanto isso, milhares de refugidos continuam acantonados em diversos pontos da Europa e também no Líbano e na Jordânia com a vida “suspensa”, uma situação que alguns observadores qualificam como uma “hipocrisia” dado que a entrada a conta-gotas não passa de uma “estratégia” que usa o sistema de quotas e uma burocracia infernal para impedir a entrada da maioria destas homens, mulheres e crianças que acabarão por ser repatriados.

(...)

Resto dossier

10 temas de 2015

2015 foi um ano marcado por turbulências várias, por viragens importantes, num tempo de estagnação do capitalismo, de austeridade imposta aos povos, de grande instabilidade política e social e de esperança na mudança. Escolhemos para este dossier 10 temas nacionais e internacionais, com a consciência de que muitos faltam neste ano cheio de acontecimentos significativos.

Espanha: 20D - Final da primeira parte

O 20D mostra um bipartidarismo ferido e quase afundado. Mas o que vem a seguir está ainda em disputa. Continuismo, auto-reforma e rutura são três horizontes que se confrontam entre si sem que nenhum deles tenha ganhado o desenlace a seu favor. Por Josep Maria Antentas

Milhares de refugiados reféns da hipocrisia da UE

Se há imagens que ao longo deste ano ficaram na memória de milhões de pessoas, elas estão relacionadas com o drama dos refugiados que, para fugir da guerra, das perseguições e da miséria extrema, tentaram alcançar a Europa em embarcações sem um mínimo de condições de segurança.

Grécia: entre a espada do Euro e a parede da austeridade

A Grécia iniciou 2015 inspirando-nos com a ideia de que o possível depende da vontade do povo. Com o futuro nas mãos, o novo governo de esquerda iniciou as mais duras negociações com os credores e a Europa autoritária tornou claro que a democracia é o que menos conta. Depois de um terceiro pacote de austeridade e com um segundo governo Syriza, a Grécia continua a negociar o seu destino.

A esperança que renasceu nas eleições de outubro

Os resultados das eleições de outubro permitiram pela primeira vez na história da democracia, estabelecer um acordo parlamentar entre o PS, Bloco, PCP e PEV para recuperar direitos e retomar o crescimento.

2016: O ano do fim das privatizações?

Em 2015, o governo PSD/CDS acelerou os processos de alienação de setores estratégicos, enfrentando a contestação de trabalhadores e movimentos de cidadãos e a oposição frontal do Bloco. O acordo à esquerda prevê a anulação de privatizações em curso e o compromisso de não se iniciarem novas concessões e privatizações de empresas públicas.

Do BES ao Banif

O ano de 2015 continuou a ser marcado pelas crises no sistema financeiro. A comissão parlamentar de inquérito ao BES, os protestos dos lesados do BES, o escândalo do Banif e o problema do Novo Banco foram tema em 2015. Lições, medidas sobre o sistema financeiro e a supervisão continuam a ser tema para 2016.

A temida bandeira do Daesh: ataques reforçam a propaganda sobre o povo do califado. Foto domínio público

Estado Islâmico: a mensagem da força

Controlam um protoestado do tamanho do Reino Unido; demonstram uma invulgar capacidade de realizar atentados terroristas em diferentes países e continentes; pretendem passar uma imagem de força diante de tantos agressores. A verdade é que um ano e meio depois de proclamarem um califado, atacados pelas mais poderosas forças aéreas do mundo, a sua capacidade não diminuiu.  

Rafael Correa, Evo Morales, Néstor Kirchner, Cristina Fernández, Luiz Inácio Lula da Silva, Nicanor Duarte, e Hugo Chávez na cerimónia de assinatura da carta fundadora do Banco do Sul. Foto de Presidencia de la Nación Argentina. Licensed under CC BY 2.0 via Commons

América Latina: O esgotamento de um modelo

Os sintomas do esgotamento de um modelo são a profunda crise política que atinge, no Brasil, Dilma Rousseff, o Partido dos Trabalhadores (PT) e os seus aliados parlamentares, a derrota da aliança entre kichneristas e alguns peronistas na Argentina, e o descalabro de Nicolás Maduro e do seu Partido Socialista Unido de Venezuela. Por Eduardo Gudynas, Brecha.

2015, o ano em que mudou o clima das Alterações Climáticas

2015 foi o ano em que as alterações climáticas definitivamente passaram a fazer parte da agenda pública e política. Mas o desfasamento entre o grande agravamento nas condições gerais do ambiente e a resposta social e política aos mesmos é ainda muito grande.

Comparação entre a Terra e Marte. Foto de NASA's Marshall Space Flight Center:Flickr.jpg

Água líquida em Marte pode indicar presença de vida no planeta

Em 2015 descobriu-se que a superfície de Marte, já foi coberta por um oceano, e que tem atualmente água líquida, num ciclo sazonal. Estas descobertas podem ter implicações para existência de vida no planeta.