You are here

Água líquida em Marte pode indicar presença de vida no planeta

Em 2015 descobriu-se que a superfície de Marte, já foi coberta por um oceano, e que tem atualmente água líquida, num ciclo sazonal. Estas descobertas podem ter implicações para existência de vida no planeta.
Comparação entre a Terra e Marte. Foto de NASA's Marshall Space Flight Center:Flickr.jpg
Comparação entre a Terra e Marte. Foto de NASA's Marshall Space Flight Center:Flickr.jpg

No início de 2015, medições feitas à atmosfera de Marte revelaram a existência de um antigo oceano que, há 4500 milhões de anos, cobriuum quinto do planeta. Atualmente, Marte tem um ciclo hídrico dependente das estações. No Polo norte há gelo e cai alguma neve no Inverno que no Verão se transforma em vapor de água.

Marte tem 38% da gravidade da Terra e pouco mais de metade do seu diâmetro e por isso os gases que compõem a atmosfera marciana são facilmente arrancados para o espaço, incluindo o vapor de água. Há 4500 milhões de anos, segundo o estudo publicado em março na Science, Marte teve chuvas torrenciais e um oceano no Hemisfério Norte que ocupou um quinto do planeta. Hoje a atmosfera de Marte tem 1% da densidade da atmosfera terrestre e isso pensava-se impossibilitar a existência de água em estado líquido no planeta vermelho.

Panorâmica da superfície marciana. Foto de NASA's Marshall Space Flight Center:Flickr.jpg

No entanto, em agosto um artigo da revista Nature Geoscience provou que sazonalmente escorre água salgada na superfície do planeta. Esta descoberta foi feita depois de analisadas as estrias escuras que surgem os anos nas encostas marcianas no final da primavera e que desaparecem no verão. Estas estrias foram descobertas em 2011 pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter, que foi lançada há dez anos, e podem ter centenas de metros de comprimento e cinco metros de largura. A água é muito mais salgada do que a água dos oceanos terrestres e isso explica a sua existência no estado líquido num planeta temperatura média de 63 graus negativos e uma atmosfera muito rarefeita.

Na Terra, a água ferve a 100ºC, mas numa atmosfera tão fina como a de Marte, água passa para o estado gasoso com apenas 10º C. Mas a água salgada comporta-se de forma diferente, as temperaturas a que a água passa para estado sólido e gasoso são outras. Quando misturada com determinados sais, a água pode congelas aos 70ºC negativos e ferver apenas ao 24ºC. Esta circunstância explica a existência de água líquida em Marte.

Marte. NASA Goddard Space Flight Center:Flickr.jpg

Marte. NASA Goddard Space Flight Center:Flickr.jpg

Esta descoberta pode ter implicações para a procura de vida em Marte e, sendo água sinónimo de vida (pelo menos na Terra), faz aumentar a expectativa da presença de alguma forma de vida no planeta vizinho. No entanto, depois desta descoberta, a NASA viu-se ironicamente impossibilitada de enviar o seu robô Curiosity para recolher amostras. Por uma questão de contenção orçamental e porque este descoberta não foi prevista, o robô não foi esterilizado antes de partir da Terra. Pensava-se, na altura da descolagem, que presença de água líquida em Marte fazia parte de um passado distante (os tais 4500 milhões de anos) e não do presente, por isso o robô foi preparado para recolher amostrar num planeta sem água. No entanto, esta descoberta aumenta a probabilidade de vida no planeta, que não pode ser contaminada (com consequências totalmente imprevisíveis) por micróbios terrestres.

Teremos de esperar por uma missão futura, devidamente esterilizada, para ter mais informações sobre possíveis formas de vida marcianas. A próxima missão da NASA a Marte, chamada Marte 2020, também não previa no orçamento a esterilização do robô, o que se espera que seja alterado até à data do seu lançamento.

(...)

Resto dossier

10 temas de 2015

2015 foi um ano marcado por turbulências várias, por viragens importantes, num tempo de estagnação do capitalismo, de austeridade imposta aos povos, de grande instabilidade política e social e de esperança na mudança. Escolhemos para este dossier 10 temas nacionais e internacionais, com a consciência de que muitos faltam neste ano cheio de acontecimentos significativos.

Espanha: 20D - Final da primeira parte

O 20D mostra um bipartidarismo ferido e quase afundado. Mas o que vem a seguir está ainda em disputa. Continuismo, auto-reforma e rutura são três horizontes que se confrontam entre si sem que nenhum deles tenha ganhado o desenlace a seu favor. Por Josep Maria Antentas

Milhares de refugiados reféns da hipocrisia da UE

Se há imagens que ao longo deste ano ficaram na memória de milhões de pessoas, elas estão relacionadas com o drama dos refugiados que, para fugir da guerra, das perseguições e da miséria extrema, tentaram alcançar a Europa em embarcações sem um mínimo de condições de segurança.

Grécia: entre a espada do Euro e a parede da austeridade

A Grécia iniciou 2015 inspirando-nos com a ideia de que o possível depende da vontade do povo. Com o futuro nas mãos, o novo governo de esquerda iniciou as mais duras negociações com os credores e a Europa autoritária tornou claro que a democracia é o que menos conta. Depois de um terceiro pacote de austeridade e com um segundo governo Syriza, a Grécia continua a negociar o seu destino.

A esperança que renasceu nas eleições de outubro

Os resultados das eleições de outubro permitiram pela primeira vez na história da democracia, estabelecer um acordo parlamentar entre o PS, Bloco, PCP e PEV para recuperar direitos e retomar o crescimento.

2016: O ano do fim das privatizações?

Em 2015, o governo PSD/CDS acelerou os processos de alienação de setores estratégicos, enfrentando a contestação de trabalhadores e movimentos de cidadãos e a oposição frontal do Bloco. O acordo à esquerda prevê a anulação de privatizações em curso e o compromisso de não se iniciarem novas concessões e privatizações de empresas públicas.

Do BES ao Banif

O ano de 2015 continuou a ser marcado pelas crises no sistema financeiro. A comissão parlamentar de inquérito ao BES, os protestos dos lesados do BES, o escândalo do Banif e o problema do Novo Banco foram tema em 2015. Lições, medidas sobre o sistema financeiro e a supervisão continuam a ser tema para 2016.

A temida bandeira do Daesh: ataques reforçam a propaganda sobre o povo do califado. Foto domínio público

Estado Islâmico: a mensagem da força

Controlam um protoestado do tamanho do Reino Unido; demonstram uma invulgar capacidade de realizar atentados terroristas em diferentes países e continentes; pretendem passar uma imagem de força diante de tantos agressores. A verdade é que um ano e meio depois de proclamarem um califado, atacados pelas mais poderosas forças aéreas do mundo, a sua capacidade não diminuiu.  

Rafael Correa, Evo Morales, Néstor Kirchner, Cristina Fernández, Luiz Inácio Lula da Silva, Nicanor Duarte, e Hugo Chávez na cerimónia de assinatura da carta fundadora do Banco do Sul. Foto de Presidencia de la Nación Argentina. Licensed under CC BY 2.0 via Commons

América Latina: O esgotamento de um modelo

Os sintomas do esgotamento de um modelo são a profunda crise política que atinge, no Brasil, Dilma Rousseff, o Partido dos Trabalhadores (PT) e os seus aliados parlamentares, a derrota da aliança entre kichneristas e alguns peronistas na Argentina, e o descalabro de Nicolás Maduro e do seu Partido Socialista Unido de Venezuela. Por Eduardo Gudynas, Brecha.

2015, o ano em que mudou o clima das Alterações Climáticas

2015 foi o ano em que as alterações climáticas definitivamente passaram a fazer parte da agenda pública e política. Mas o desfasamento entre o grande agravamento nas condições gerais do ambiente e a resposta social e política aos mesmos é ainda muito grande.

Comparação entre a Terra e Marte. Foto de NASA's Marshall Space Flight Center:Flickr.jpg

Água líquida em Marte pode indicar presença de vida no planeta

Em 2015 descobriu-se que a superfície de Marte, já foi coberta por um oceano, e que tem atualmente água líquida, num ciclo sazonal. Estas descobertas podem ter implicações para existência de vida no planeta.