You are here

Breves

Politécnico de Tomar em greve por falta de materiais e de professores

Os professores da licenciatura em fotografia do Instituto Politécnico de Tomar (IPT) estão em greve desde o início da semana e irão continuar até segunda-feira. A greve acontece por falta de professores e de meios técnicos as disciplinas. Os materiais nunca foram renovados desde a abertura do curso, há 13 anos. Os professores, em negociações com a direção do instituto, afirmam que a proposta da direção “apenas garante o funcionamento das aulas, mas não a qualidade de ensino”, e por isso interromperam as conversações e decidiram manter a greve.

Em relação aos professores, a greve também é feita em solidariedade com dois docentes, Luís Pavão e Paula Lourenço. O primeiro é especialistas em conservação de fotografia e foi despromovido no início do ano letivo. Luís Pavão assinava contratos anuais, com equiparação a professor-coordenador (o correspondente a professor catedrático) há 13 anos. No início deste ano letivo, o contrato não continha essa equiparação, o que o levou a não o assinar. Paula Lourenço, por outro lado, tem um contrato até ao final do mês e este ainda não foi renovado pela instituição. O corpo docente refere por isso a questão da precariedade laboral como razão adicional para a greve. Dos dez professores da licenciatura, apenas três têm um contrato sem termo.