You are here

Bloco solidário com trabalhadores da Unicer de Santarém

Bloquistas reprovam despedimento coletivo e encerramento desta unidade fabril. Trabalhadores lembram que estas medidas surgem "na lógica de dar sequência ao processo de reestruturação iniciado em 2012” e que foi “encetado pelo atual Ministro da economia António Pires de Lima, à data administrador executivo da Unicer”.

Numa nota de imprensa divulgada esta terça-feira, “o Bloco de Esquerda manifesta a sua solidariedade com os trabalhadores da Rical/Unicer e rejeita as intenções de despedimento e de encerramento da fábrica de Santarém”.

Após reuniões com a Comissão de Trabalhadores da Unicer e com Sindicatos do setor, que contaram com a presença do deputado eleito Carlos Matias, e também com responsáveis da empresa, os bloquistas assinalam que reprovam “a decisão da administração da Unicer de despedir 70 trabalhadores da fábrica de Santarém, encerrando esta unidade fabril”.

O Bloco cita o comunicado emitido por todas as organizações representativas dos trabalhadores, que lembra que as medidas além de inaceitáveis surgem"na lógica de dar sequência ao processo de reestruturação iniciado em 2012 e que levou ao encerramento da fábrica de cervejas em Santarém e à perda de mais de 100 postos de trabalho, processo esse encetado pelo actual Ministro da economia António Pires de Lima, à data administrador executivo da Unicer”.

“O encerramento é tanto mais inaceitável quanto a empresa apresenta todos os anos avultados lucros e, recentemente, recebeu um subsídio de 7 milhões de euros, dos quais 3,7 milhões foram investidos precisamente na unidade cujo encerramento é agora anunciado”, lê-se no documento, no qual é ainda assinalado que “ninguém compreende que um grupo empresarial com cerca de 1300 trabalhadores e que investe anualmente milhões de euros em publicidade não consiga manter 70 postos de trabalho, em Santarém”.

“Mais uma vez, pretende-se entregar produção à subcontratação, obrigar a baixar salários ao mínimo e transformar trabalhadores efetivos em precários. Ou em desempregados”, lamentam os bloquistas, frisando que “esta orientação económica e política tem raiz no próprio governo PSD/CDS e no ministro da Economia, Pires de Lima”.

“Percebe-se que o governo PSD/CDS prefira o silêncio, mas o Bloco de Esquerda entende que é preciso que a opinião pública e as forças vivas do concelho façam ouvir uma voz solidária”, acrescentam.

O Bloco deixa ainda a garantia de que, “logo que reabra a Assembleia da República, Carlos Matias, deputado eleito por Santarém, interpelará o Ministro da Economia sobre este problema”.

AttachmentSize
PDF icon unicer_comunicado_de_imprensa.pdf47.17 KB
Termos relacionados Política
(...)