You are here

Apicultores alertam para ameaça de vespa asiática

Apicultores do Norte exortaram as “entidades competentes no sentido de criarem as melhores condições para que os ninhos possam ser estudados pelos cientistas". Comandante do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto salientou que a vespa asiática é um problema para a biodiversidade e, "de forma secundária, poderá eventualmente ser também para as pessoas".

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação de apicultores do Norte de Portugal lembrou que em Portugal ainda se sabe pouco sobre a vespa asiática e que é necessário "fazer um apelo às entidades competentes no sentido de criarem as melhores condições para que os ninhos possam ser estudados pelos cientistas".

"Hoje agimos já de uma forma mais eficaz do que na fase inicial. No entanto, é como eu digo, era bom que houvesse mais estudos para esta espécie, nomeadamente sobre as fundadoras, sobre a vespa em geral" acrescentou João Valente.

O presidente da Associação de apicultores do Norte de Portugal referiu também que as vespas asiáticas têm um impacto negativo no ecossistema, porque, por serem carnívoras, "comem tudo que seja inseto", o que se traduz numa "baixa na produção de frutos, de legumes, de produtos comestíveis".

O comandante do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto frisou, por sua vez, que a vespa é um predador natural de outros insetos, criando assim um problema para a biodiversidade e, "de forma secundária, poderá eventualmente ser também para as pessoas".

"O período favorável para o desenvolvimento de ninhos de vespas decorre a partir de fevereiro, sendo que um ninho pode conter cerca de duas mil vespas, num espaço que se associa a um ovo, com uma altura de um metro e diâmetro 60 a 80 centímetros" acrescentou.

As vespas asiáticas são uma verdadeira praga para as abelhas. Esta espécie não só se alimenta destes insetos como acaba por inibir a saída das abelhas das colmeias, que acabam por morrer de fome. Ao destruir as colmeias das abelhas autóctones, a vespa asiática põe em causa a polinização, pelo que o risco de uma crise alimentar é real.

A espécie terá chegado a Portugal em 2010, contudo, os primeiros ataques ocorreram em 2011. Apesar de o país contar com um plano de combate à vespa asiática desde 2013, o mesmo tem sido alvo de inúmeras críticas, na medida em que não é definido quem tem competência para travar esta praga.

Na sequência inicial do filme As mil e uma noites - Volume 1, o inquieto, o realizador Miguel Gomes aborda a problemática da invasão da vespa asiática em Viana do Castelo.

Termos relacionados Sociedade
(...)