You are here

Portugal tem das maiores taxas de Desemprego Jovem

Portugal tem uma das maiores taxas de desemprego jovem da União Europeia (UE), com 34,8%. Segundo a OIT, a taxa de desemprego jovem no mundo é de 13%, a maior desde 2007. Na UE a taxa média é de 16,6% e os países com mais desemprego jovem são: Espanha, Grécia, Croácia, Itália, Chipre e Portugal.
Portugal tem uma das maiores taxas de desemprego jovem da União Europeia (UE), com 34,8% - imagem de Paulete Matos

Portugal: 34,8% de Desemprego Jovem

A Organização Internacional de Trabalho (OIT) divulgou nesta quinta-feira, 8 de outubro de 2015, o relatório “Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2015” (disponível aqui, em inglês).

Seis países da Europa do Sul têm as mais altas taxas de desemprego jovem da UE, muito acima da média que é de 16,6%. As mais altas taxas de desemprego jovem são as de Espanha (53,2%), Grécia (52,4%), Croácia (45,5%), Itália (42,7%), Chipre (35,9%) e Portugal (34,8%).

A OIT destaca que o aumento do desemprego jovem em Portugal e noutros países europeus, sobretudo na Europa do Sul, está relacionado com as políticas de austeridade.

Taxas de desemprego jovem, países europeus, 2008,2012 e 2014

Taxas de desemprego jovem, países europeus, 2008,2013 e 2014

Segundo a Lusa, o relatório salienta que, pelo menos desde a crise de 2007, tem vindo a aumentar o trabalho temporário e em 'part-time' entre os jovens, que não conseguem outro tipo de emprego e correm "o risco de caírem na pobreza ou na exclusão social".

O documento destaca ainda que em 2014 na UE houve um decréscimo de 20% do número de contratos temporários, à exceção de França, Itália, Portugal e Espanha. No caso de Portugal, a OIT considera que o agravamento da precariedade, entre 2012 e 2014, teve a ver com as políticas de austeridade.

Mais de 70 milhões de jovens desempregados

Segundo o relatório da OIT, a taxa de desemprego jovem a nível mundial estabilizou nos 13%, depois de ter subido dos 11,7% em 2007.

O número de desempregados jovens no mundo foi de 73,3 milhões, menos 3,3 milhões do que os 76,6 milhões em 2009, "durante o pico mais elevado da crise".

Desemprego jovem no mundo, 1995-2015

Desemprego jovem no mundo, 1995-2015

Entre 2012 e 2014, a taxa de desemprego jovem diminui 1,4 pontos percentuais nos chamados países desenvolvidos, incluindo a UE em média e baixou 0,5 pontos percentuais nos países europeus que não pertencem à UE. Nas restantes regiões do mundo a taxa de desemprego jovem manteve-se ou diminuiu.

Segundo o Jornal de Negócios, Sara Elder, uma das autoras do relatório, considerou positiva a diminuição do número de desempregados jovens, mas salientou que "a recuperação não é universal" e apontou: "Cerca de 43% dos jovens da população ativa do mundo não tem emprego ou são trabalhadores que vivem na pobreza".

O relatório assinala ainda que as jovens mulheres estão mais expostas ao desemprego que os homens e sublinha a persistência da desigualdade de género, uma vez que as taxas de participação das mulheres jovens no trabalho são "significativamente mais baixas" que as dos homens jovens na maioria das regiões.

O documento aponta ainda para um elevado número de desemprego jovem de longa duração e salienta que, nas economias mais desenvolvidas, a qualidade do emprego jovem é inferior às expectativas.

Termos relacionados Sociedade
Comentários (2)