You are here

Bragança: “Municipalização do ensino é retrocesso”

O candidato do Bloco por Bragança reuniu com o Sindicato dos Professores do Norte acerca da abertura do ano letivo. A saída de muitos professores do distrito é uma das preocupações de José Freire.
José Freire (à direita) no comício do Bloco no Porto. Foto Paulete Matos.

Para o cabeça de lista do Bloco por Bragança, a saída de professores, muitos por causa de pedidos de destacamento por doença, “resulta da precariedade, em que o governo é perito, em relação a quem trabalha”. José Freire defende que não se pode admitir que haja professores “com 20 ou 25 anos ao serviço do estado e estarem precários”.

A municipalização do ensino posta em marcha pelo atual governo foi outro dos pontos criticados pela candidatura do Bloco/Bragança neste encontro. José Freire teme que “o ensino perca a liberdade que tem perante o poder autárquico”. “A municipalização vai-se manifestar num retrocesso do ensino e as pessoas vão ter de alinhar pelo diapasão do poder ou não conseguem ir a lado nenhum. E nós defendemos que temos de ter um ensino universal e livre para os nossos filhos”, prosseguiu o candidato bloquista.

O mandatário da candidatura, Gil Gonçalves, defendeu ainda a redução do número de alunos por turma “para um melhor acompanhamento aos alunos”, uma vez que “neste momento há turmas que têm excesso de alunos”. E propõe uma forma de “discriminação positiva” para o distrito, no sentido de haver uma diferenciação entre o interior e o litoral, para que “mais professores possam ser colocados em regiões como esta”.

Termos relacionados legislativas 2015, Política
Comentários (1)