You are here

Refugiados: Catarina desafia Passos a demarcar-se de David Cameron

Para a porta-voz do Bloco, o primeiro-ministro português deve aproveitar o encontro de sexta-feira com o homólogo britânico para se demarcar da posição que Cameron assumiu sobre os refugiados, ao chamar-lhes “uma praga”.
Foto Conselho Europeu

Esta sexta-feira, o primeiro-ministro britânico vem a Portugal encontrar-se com Passos Coelho. Para Catarina Martins, depois das declarações de Cameron, que chamou de "praga" os refugiados do Mediterrâneo, Passos Coelho nem o deveria receber. "Mas já que o faz, é uma oportunidade para que o primeiro-ministro português faça duas coisas: que se demarque claramente da posição do governo britânico no que diz respeito aos refugiados e que faça pressão para que o governo britânico assuma as suas responsabilidades”.

Em declarações aos jornalistas esta quinta-feira, Catarina Martins lembrou que foi Londres a fazer mais pressão na União Europeia para acabar com o programa Mare Nostrum, “que servia para salvar vidas no Mediterrâneo”, substituindo-o pelo Tritão, “que tem muito menos orçamento” e que “em vez de salvar vidas, serve para afundar barcos. Com isto o que fizeram foi pôr os pequenos pescadores do Mediterrâneo sem embarcações, porque os traficantes arranjam sempre outras”.

“Mais do que isso, David Cameron não só é responsável por uma alteração da política europeia que prejudicou o salvamento dos refugiados, como tratou os refugiados como uma praga”, acrescentou a porta-voz do Bloco, exigindo uma demarcação por parte do governo português em relação à posição de Londres, numa altura em que milhares de refugiados da guerra na Síria chegam à Europa para escapar ao terror no seu país natal.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados legislativas 2015, Política
(...)