You are here

Tony Blair pode vir a ser julgado por crimes de guerra, defende Jeremy Corbyn

O ex-primeiro-ministro britânico pode vir a ser julgado pela invasão do Iraque. Jeremy Corbyn classifica a guerra de “ilegal” e afirma que Blair deve estar preparado para pagar pelas suas ações.
Jeremy Corbyn é candidato à liderança do Partido Trabalhista britânico (Labour).

O ex-primeiro-ministro britânico, Tony Blair, pode vir a ser julgado por crimes de guerra, entende o atual candidato à liderança do Labour, Jeremy Corbyn.

O candidato da ala esquerda, e, até agora, à frente em todas as sondagens, avisou que Blair terá que lidar com as consequências das suas ações quando vier a público o relatório do inquérito Chilcot sobre a guerra do Iraque.

“Acho que foi uma guerra ilegal”, defendeu numa entrevista ao programa Newsnight da BBC2, recordando que o ex-secretário-geral da ONU tem a mesma opinião. “Portanto, ele, (Blair), terá que dar explicações por isso”, frisou Corbyn.

“Nós entrámos numa guerra catastrófica, ilegal, que nos custou muito dinheiro e que nos custou muitas vidas”.

"Nós entramos em uma guerra que era catastrófica, que era ilegal, que nos custou muito dinheiro, que perdeu um monte de vidas", acrescentou. “As consequências continuam com mortes de migrantes no Mediterrâneo e refugiados em toda a região”.

Questionado diretamente pelo jornalista se Blair deveria ser acusado de crime de guerra, disse: “Se cometeu um crime de guerra, sim. Toda a gente que cometeu um crime de guerra deveria ser”.

Recentemente, o ex-primeiro-ministro trabalhista atacou a plataforma de apoio de Corbyn, considerando-a “antiquada” e alegou que era o candidato “preferido” dos conservadores britânicos à liderança do Labour.  

Blair disse também que uma “postura de esquerda tradicional” não se ganham eleições, isto apesar de o apoio a Corbyn no Reino Unido não parar de crescer.

Por sua vez, um ex-secretário de Estado para os Assuntos Internos trabalhista, Alan Johnson, defendeu que o partido deve “acabar com a loucura” e eleger Yvette Cooper, uma das candidatas centristas à liderança do Labour. 

Estrela mundial de snooker e Brian Eno apoiam Corbyn

O famoso jogador de snooker, Ronnie O’Sullivan declarou esta segunda-feira o seu apoio a Jeremy Corbyn na corrida à liderança do Partido Trabalhista britânico, admitindo que também é um homem com o “antigo Labour” no coração.

Num blogue da Eurosport, o cinco vezes campeão mundial de snooker, escreveu que gosta como Corbyn está a ser honesto sobre o aumento de impostos para financiar o Serviço Nacional de Saúde.

Esta semana, o lendário músico e produtor declarou o seu apoio a Corbyn, tendo participado num comício em Londres que reuniu milhares de apoiantes (ver vídeo abaixo).

Brian Eno produziu diversos álbuns da banda irlandesa U2 e trabalhou com artistas como David Byrne, Paul Simon, Coldplay ou Grace Jones. 

Brian Eno on Jeremy Corbyn: 'I trust him'

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Internacional
(...)