You are here

Bebé palestiniano morto em incêndio provocado por colonos israelitas

Colonos israelitas lançaram ataque terrorista com bombas incendiárias contra a casa de uma família palestiniana. Um bebé morreu e ficaram gravemente feridos um irmão de 4 anos e os pais. Palestinianos apontam que “crime não teria ocorrido se o governo israelita não insistisse em incentivar os colonatos e proteger os colonos".
Ali Saad Dawabsha morreu logo. A mãe, Reham, o pai, Saad, e o irmão, Ahmad, estão hospitalizados

Um bebé palestiniano de um ano e meio morreu queimado num incêndio intencionalmente causado por colonos israelitas dentro de uma casa na Cisjordânia nesta sexta-feira (31/07).

Os pais da criança — Ali Saad Dawabsha - e um dos seus irmãos, de quatro anos, ficaram feridos e foram encaminhados para hospitais. Algumas das vítimas sofrem queimaduras em mais de 70% do corpo e estão em estado grave.

O ataque aconteceu na cidade de Duma, próxima a Nablus, onde judeus ultraortodoxos quebraram as janelas da residência e lançaram no seu interior bombas incendiárias. A família estava a dormir durante o ato.

O Exército israelita reforçou a presença das suas tropas na área para iniciar uma grande busca dos suspeitos. Na casa, havia pichagens com o símbolo da estrela de David e inscrições em hebraico como “Vingança” e “Vida longa ao Messias”.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou que ficou “chocado”, classificou o ataque como “terrorista” e prometeu que "todos os meios" serão empregados para levar os agressores à justiça.

Palestinianos carregam corpo sem vida de Ali e protestam contra injustiça

Um porta-voz do presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, responsabilizou Telavive pelo incêndio. "Esse crime não teria ocorrido se o governo israelita não insistisse em incentivar os colonatos e proteger os colonos", disse Nabil Abu Rdainah. Por sua vez, o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, pediu vingança.

Além disso, a Palestina anunciou que levará o caso ao TPI (Tribunal Penal Internacional), reportou a Agência Efe. Segundo o porta-voz da OLP (Organização para a Libertação da Palestina), Xavier Abu Eid, os ataques “ocorrem devido à impunidade que Israel garante aos colonos”.

“Se esses colonos estão aí, é por uma decisão política de Israel. Estão protegidos por Israel, que agora não pode surpreender-se com os crimes cometidos por uma cultura de ódio que eles mesmos implantaram", acusou.

Casa da família palestiniana após o incêndio e com as pichagens em hebraico: 'vingança'

Os ataques de colonos israelitas contra civis palestinianos são comuns na região, dado que judeus gozam de tratamento privilegiado e raramente são condenados pelas suas hostilidades.

A Cisjordânia é um território palestiniano controlado pela ANP (Autoridade Nacional Palestina), mas cujas terras são constantemente anexadas pelo governo israelita.

Na quarta-feira (29/07), por exemplo, Netanyahu autorizou a construção de 300 novas casas no colonato judaico de Bet O, no território palestino ocupado.

Cerca de 500 mil judeus moram em mais de 100 colonatos construídos desde a ocupação da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental em 1967. A atitude é considerada ilegal pelo direito internacional e pelas Nações Unidas.

Artigo publicado em “OperaMundi”

Termos relacionados Internacional
(...)