You are here

Cameron quer mais barreiras para travar “enxame” de imigrantes

A resposta do primeiro-ministro britânico à crise migratória foi criticada pelo Conselho dos Refugiados. Nas últimas semanas, pelo menos nove pessoas morreram ao tentar entrar em Inglaterra através do Eurotúnel.
Foto hakzelf/Flickr

A morte de um imigrante esta semana e as tentativas de milhares de pessoas para ultrapassar as vedações colocadas nos acessos ao túnel em Calais fizeram regressar às primeiras páginas o drama dos imigrantes em busca de trabalho na Inglaterra.

Em visita ao Vietname, o primeiro-ministro britânico David Cameron respondeu à situação prometendo criar ainda mais obstáculos para impedir a travessia do Canal da Mancha. “Temos um enxame de pessoas a atravessar o Mediterrâneo em busca de uma vida melhor, querendo vir para a Grã-Bretanha porque a Grã-Bretanha tem empregos, é uma economia em crescimento, é um excelente lugar para se viver”, afirmou.

Cameron prometeu ainda aumentar as expulsões de imigrantes no próximo período para “enviar uma mensagem” aos que tentam entrar em território britãnico. “Vamos certificar-nos que não se pode tirar uma carta de condução, alugar uma casa ou abrir uma conta bancária, e vamos retirar mais imigrantes ilegais do nosso país para que se saiba que ele não é um porto seguro uma vez lá chegados", afirmou o primeiro-ministro após confirmar o investimento de 10 milhões de euros para erguer mais vedações à entrada do túnel.

As palavras de Cameron motivaram o protesto imediato do Conselho dos Refugiados, que as considerou “uma linguagem horrível e desumanizadora vinda de um líder mundial”. E até Nigel Farage, o líder do UKIP conhecido pelas suas tiradas xenófobas, afirmou à BBC que não escolheria a palavra “enxame” para se referir aos imigrantes. “O primeiro-ministro está a tentar parecer duro. Se ele tem ou não intenção de o ser é outra questão”, concluiu Farage.

Termos relacionados Internacional
(...)