Dignidade e Democracia

porZuraida Soares

13 de July 2015 - 23:51
PARTILHAR

O povo grego foi na última semana chantageado de forma absurda. Um povo exausto de tanta privação, que se confronta com falta de comida na mesa, que não tem acesso a cuidados de saúde, que vê os seus jovens a emigrar, ainda é acusado de andar a gastar o dinheiro dos povos da Europa.

Esta semana, não podia deixar de falar na Grécia. De falar da dignidade de um povo e do exercício da democracia por um partido de esquerda, que contrasta com a nossa experiência em Portugal.

A dívida pública da Grécia, em 2010, era 120% do PIB, hoje corresponde a 180%. Nestes cinco anos, o povo grego foi submetido a privações sem par no quadro europeu, que resultaram em 27% de desemprego global, 60% de desemprego jovem e 27% de descida do PIB.

O resultado destes números é a marginalização social em massa, a cada dia que passa, sem que a dívida, em nome do qual se faz tudo, não baixa, mas aumenta.

Aliás, o mesmo acontece no nosso país: a dívida, em 2011, representava 97% do PIB, e hoje ronda os 130%.

O actual governo grego apresentou-se às eleições com a bandeira da inversão do caminho de austeridade que tinha sido imposto à Grécia. Mas as instituições europeias impuseram o prosseguimento do mesmo caminho, e ao fim de cinco meses, fizeram mesmo um ultimato: ou isto ou nada!

Perante este ultimato, o governo grego não se fechou em si, entregou de novo ao povo a decisão do caminho a seguir, tirando daí as conclusões políticas da vontade popular.

O tal ‘governo de extrema esquerda’ – como muitos gostam de chamar – deu uma lição de humildade, de apego à democracia, e de responsabilidade perante o seu povo.

Notemos o contraste com o nosso país, onde tudo se fez – desde a entrada na CEE, os sucessivos tratados, a entrada no euro, o Tratado Orçamental, que foi de responsabilidade governamental para fugir ao Parlamento Europeu, e por fim a entrada da Troika – sem que o povo português fosse chamado a pronunciar-se.

A nossa experiência mostra que PS, PSD e CDS têm medo da democracia e fogem de colocar nas mãos do povo o seu futuro coletivo. A pergunta que se coloca é ‘porque têm medo da democracia?’.

O povo grego foi na última semana chantageado de forma absurda. Um povo exausto de tanta privação, que se confronta com falta de comida na mesa, que não tem acesso a cuidados de saúde, que vê os seus jovens a emigrar, ainda é acusado de andar a gastar o dinheiro dos povos da Europa.

O dinheiro emprestado, quer à Grécia, quer a Portugal, não foi para salários e pensões. Foi para pagar os juros e ‘reciclagens’ da dívida. Nós sabemos isso muito bem, porque estamos a sofrer a mesma chantagem.

As chamadas ‘instituições’ emprestam-nos para se ressarcirem, assim como aos bancos envolvidos.

Mas a tudo o que de mais baixo existe, o povo grego respondeu com uma dignidade, um civismo, e uma vontade coletiva que não me canso de exaltar e que me enche de alegria.

Não sei o futuro. A luta não terminou no domingo, mas não custa a crer que esta demonstração de dignidade e democracia seja vista pelo pensamento dominante – dirigido, na Europa, pelo capital financeiro – como um alvo a abater.

O pensamento único não pode ser confrontado com alternativas, não vá o povo querer a alternativa a sério, parafraseando António Aleixo.

Não quero terminar este artigo sem lembrar Maria Barroso, que esta semana nos deixou. Pelo seu empenho na luta pela liberdade, na cultura como instrumento emancipador, e pelo seu exemplo na libertação da Mulher.

Zuraida Soares
Sobre o/a autor(a)

Zuraida Soares

Dirigente do Bloco de Esquerda. Deputada à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, entre 2008 e 2018.
Termos relacionados: