You are here

Militares iam devolver medalhas, mas Cavaco não as quis receber

A ação simbólica de protesto dos oficiais das Forças Armadas foi travada pela polícia, que tinha ordens para ninguém se aproximar do Palácio de Belém. As medalhas serão enviadas por correio, prometem os militares.
Militares foram a Belém entregar medalhas, mas o Comandante Supremo das Forças Armadas não os deixou aproximar-se da porta de entrada. Foto João Relvas/Lusa.

O perímetro montado pela PSP em frente à Presidência da República impediu militares dos três ramos das Forças Armadas de devolverem as condecorações recebidas por serviços prestados em combate.

A ação tinha por objetivo denunciar as alterações às regras de aposentação dos militares. A idade da reforma passa para os 66 anos e os militares só passarão à reserva aos 55 anos de idade ou após 40 anos de serviço.

"As forças policiais tinham instruções para nos recusar a entrada. Para nós, isto é grave. O que vínhamos fazer aqui é um ato cheio de significado, digno, que representa o sentimento mais nobre de quem é militar", afirmou o presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA). A atitude de Cavaco Silva fá-lo acreditar que o Presidente “é colaborador, colaborante, da tutela em tudo aquilo que vai acontecendo aos militares e às Forças Armadas", afirmou o coronel Pereira Cracel, citado pela agência Lusa.

"As medalhas vão ser enviadas à Presidência da República por carta registada e com aviso de receção. O Presidente vai recebê-las e está obrigado a cumprir aquilo que os cidadãos, em geral, cumprem. Há de recebê-la e assiná-la ou alguém por ele", prometeu o presidente da AOFA.

Termos relacionados Sociedade
(...)