You are here

Polícias absolvidos no caso que originou motins em França

Terminou em absolvição o julgamento dos dois agentes policiais acusados de nada terem feito para evitar a morte de dois adolescentes eletrocutados quando fugiam a um controlo nos arredores de Paris em outubro de 2005.
Manifestação realizada em Clichy-sous-Bois em 2006, para lembrar os adolescentes eletrocutados quando fugiam a um controlo policial.

A morte de Zyed e Bouna, de 17 e 15 anos respetivamente, incendiou a periferia das grandes cidades francesas no outono de 2005 e levou à declaração do primeiro estado de emergência em França desde a guerra da Argélia.

Os dois adolescentes fugiam de um controlo policial em Clichy-sous-Bois quando resolveram esconder-se dentro de um posto de transformação elétrico. Morreram ambos e o seu companheiro Mehittin, de 17 anos, sobreviveu com queimaduras em 10% do corpo.

Dez anos depois, os dois polícias acusados de homicídio por negligência acabaram por ser absolvidos pelo tribunal de Rennes, que seguiu a posição defendida pelo Ministério Público. Foi o agente Sébastien Gaillemin, afeto à polícia de proximidade, que viu os jovens a subir uma vedação e a aproximarem-se do posto de transformação. "Se entrarem ali, não dou nada por eles", terá comunicado via rádio à sua colega Stéphanie Klein, então estagiária, também acusada por não ter reagido à situação de perigo iminente.

Apesar das palavras do agente terem ficado gravadas, a opinião do tribunal esta segunda-feira, segundo relata o diário Le Monde, foi a de que os dois polícias não tinham consciência de que o perigo que os adolescentes corriam era "certo e iminente". O tribunal deu como certa a versão do agente Gaillement, que assegurou ter verificado por duas vezes que já não estaria ninguém dentro do posto de transformação, antes de abandonar o local. A tragédia ocorreu meia hora depois.

Um relatório do organismo de inspeção às atividades policiais concluiu em 2006 que tinha havido negligência por parte dos agentes, uma vez que se tivessem dado logo o alerta, o piquete da EDF estaria no local em 15 minutos e poder-se-ia ter evitado a tragédia. Os inspetores falavam de "uma ligeireza e distração supreendentes" para classificar o comportamento policial nesta situação.

Um relatório do organismo de inspeção às atividades policiais concluiu em 2006 que tinha havido negligência por parte dos agentes, uma vez que se tivessem dado logo o alerta, o piquete da EDF estaria no local em 15 minutos e poder-se-ia ter evitado a tragédia. Os inspetores falavam de "uma ligeireza e distração supreendentes" para classificar o comportamento policial nesta situação.

"Dez anos de impunidade policial"

Ao conhecer a sentença de absolvição, familiares e amigos dos adolescentes mortos reagiram com indignação. "Vocês são os responsáveis", "Isto é um escândalo", "Dez anos de impunidade policial" ou "Não perdoamos" foram algumas das frases lançadas na sala de audiências.

Com a decisão do tribunal, fica afastada a hipótese das famílias das vítimas ter direito a uma indemnização, o que desagradou aos seus advogados. "As vítimas não são reconhecidas [por esta decisão], ao fim ao cabo dizem-nos agora que não se passou nada", lamentou Emmanuel Tordjman, afirmando existir "um sentimento de injustiça" com esta decisão.

Para o presidente da associação Aclefeu, criada após os motins em Clichy-sous-Bois, agora "irá aumentar ainda mais o fosso que separa os habitantes dos bairros e a justiça". Para já, está marcada uma concentração de protesto ao fim da tarde em frente ao tribunal de Bobigny, mas também nas cidades de Lyon, Lille e Toulouse.

Termos relacionados Internacional
(...)