You are here

PJ faz buscas no gabinete de Paulo Núncio

Investigação na Secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais foi uma das 34 buscas em diversos pontos do país, envolvendo também o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, e serviços do Ministério das Finanças, entre outros. Em causa estarão os indícios de corrupção ligados à emissão dos “vistos gold”.
Busca no gabinete do Secretário de Estado terá a ver com as suspeitas sobre a atribuição dos "vistos gold". Foto Pedro Nunes/Lusa.
Busca no gabinete do Secretário de Estado terá a ver com as suspeitas sobre a atribuição dos "vistos gold". Foto Pedro Nunes/Lusa.

A Polícia Judiciária realizou esta quarta-feira buscas no gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio. Apesar de o Ministério das Finanças afirmar que a ação da polícia tem a ver com um processo de investigação fiscal, uma fonte judicial confirmou à TSF que o que está em causa são os "vistos gold".

Estão em curso várias diligências, nomeadamente 34 buscas em diversos pontos do país, informa a PGR

Num comunicado às redações, a Procuradoria Geral da República (PGR), informou que "estão em curso várias diligências, nomeadamente 34 buscas em diversos pontos do país. As buscas desenvolvem-se em diversos organismos públicos, nomeadamente serviços da Secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), serviços do Ministério das Finanças, entre outros, bem como em diversas empresas e residências particulares".

Suspeitas sobre os “Vistos Gold” estão de volta

A PGR confirma que "neste inquérito investigam-se, entre outras, matérias relacionadas com a atribuição de “vistos gold”. Estão em causa suspeitas de crimes de corrupção, tráfico de influências, peculato e branqueamento de capitais. As buscas envolveram seis magistrados, 80 elementos da PJ e 15 da Autoridade Tributária (AT).

Por outro lado, o Ministério das Finanças informou que “o Ministério Público procedeu a averiguações junto da Secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais no âmbito de um processo relacionado com o tratamento fiscal, em sede de IVA, relativo a uma transação entre uma empresa portuguesa e o Ministério da Saúde Líbio".

A investigação é dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), coadjuvado pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária (PJ) e pela Autoridade Tributária (AT).

Operação Labirinto”

Recorde-se que a “Operação Labirinto”, relacionada com indícios de corrupção na aquisição de “vistos gold”, levou à detenção de 11 pessoas em novembro passado, incluindo o antigo presidente do Instituto de Registos e Notariados (IRN) António Figueiredo, que se encontra em prisão preventiva.

A ex-secretária-geral do Ministério da Justiça Maria Antónia Anes, o ex-diretor-geral do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Manuel Jarmela Palos e o empresário chines Zhu Xiaodong são outros dos arguidos principais do processo.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)