You are here

“Um fracasso das negociações será um fracasso para Merkel e para a Europa”

Numa grande entrevista à Star TV, o primeiro ministro da Grécia disse também que é possível um acordo mínimo até 9 de maio. Mas, se não houver acordo, Tsipras diz que o povo grego poderá ser chamado a pronunciar-se em referendo.
Alexis Tsipras _ foto de left.gr

O primeiro-ministro da Grécia deu uma longa entrevista nesta segunda-feira, 27 de abril, a Nikos Chatzinikolaou para a Star Tv.

Varoufakis é um valor importante para a Grécia

Na entrevista, o primeiro-ministro grego defendeu o ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, salientando que ele representa um valor para o país e considerou que o clima negativo contra Varoufakis no Eurogrupo faz parte do processo de negociações. Quanto à substituição de Varoufakis à frente das negociações no Eurogrupo pelo vice-ministro Tsakalotos, Tsipras disse que num momento tão crítico nas negociações era necessária uma reorganização e salientou que “as negociações não são de uma pessoa, o primeiro-ministro tem a responsabilidade global”.

Prioridade ao pagamento de salários e pensões

Questionado pelo jornalista sobre qual seria a prioridade do governo grego, em caso de falta de liquidez, se seria pagar salários ou pagar ao FMI, Alexis Tsipras afirmou: “Há um problema de liquidez de que estamos a tratar... A nossa prioridade será pagar os salários e as pensões”.

Tsipras salientou, no entanto, que considera que não terá de escolher, porque espera chegar a um acordo mínimo com FMI, CE e BCE até 9 de maio.

“A minha visão não é a Grécia fora da União Europeia, eu quero assegurar a Grécia como um parceiro igual na Europa”, disse Tsipras.

O primeiro-ministro grego, sem entrar em detalhes, reconheceu que se mantêm divergências importantes nas negociações, nomeadamente em relação aos contratos coletivos, à restituição “em vários prazos” do salário mínimo ou ao aumento do IVA nas ilhas gregas.

Possibilidade de convocar um referendo

Em caso de não haver acordo com os credores, Tsipras colocou a possibilidade de ser realizado um referendo.

“Não tenho o direito de decidir pelo povo se as negociações chegarem a um ponto que não corresponda ao mandato popular” disse Tsipras, face às hipóteses de uma saída do euro ou de um acordo que viole o compromisso do seu governo com o povo grego.

O primeiro-ministro grego sublinhou, no entanto, que “um fracasso, um desenvolvimento indesejável ou a bancarrota será um fracasso para Merkel e para a Europa”.

Alexis Tsipras excluiu também o cenário de eleições antecipadas, caso não haja acordo com os credores. “Que sentido tem convocar eleições? Somos um governo eleito há três meses”, sublinhou Tsipras.

Abaixo pode aceder aos dois vídeos da entrevista dada por Alexis Tsipras

Alexis Tsipras interview in English - Part One

Alexis Tsipras interview in English - Part Two

Termos relacionados Internacional
(...)