You are here

Trabalho temporário: o shark tank cria empregos?

O trabalho temporário não "cria emprego", mas sim substitui postos de trabalho com contrato por postos de trabalho precários. O conceito constitucionalmente defendido de "trabalho igual, salário igual" não vale nada no shark tank do trabalho temporário.

As notícias desta quarta-feira dizem-nos que tudo vai bem no maravilhoso mundo das Empresas de Trabalho Temporário (ETT). Em 2014 as ETT faturaram 910 milhões de euros, crescendo 4,5% num momento em que o crescimento económico estava perto dos 1%, e os dados indicam que terão um crescimento de 7% este ano. Isto acontece depois de perderem força nos primeiros anos da crise e do mercado das ETT se ter contraído 25%, solidificando a posição das grandes empresas do sector (ler notícia esquerda.net). Só as cinco maiores empresas - Randstad, Kelly Services, Manpower, Tempo Team e Addeco - representam 39% da quota de mercado.

Para os tubarões do trabalho temporário o principal objetivo desse modo de contratação é externalizar a incerteza das empresas para os trabalhadores

No ano passado o trabalho temporário empregava quase 66 mil pessoas em Portugal permanentemente e os tubarões do setor acreditam que as empresas estão a apostar investir no trabalho temporário porque tem um "modelo de contratação flexível" o que é importante "após uma crise" (Luís Gonzaga Ribeiro in Diário Económico, 1/04/2015). Esta posição do diretor-comercial da Randstad corresponde à de um estudo da Michael Page do ano passado, que identificava a flexibilidade como o principal fator de escolha do trabalho temporário pelas empresas (89,4%). De acordo com o mesmo estudo, os trabalhadores temporários encontravam "diversos desafios" como a impossibilidade de planear o próximo emprego (48,5%), conseguir estabilidade para constituir família (28,1%) ou alugar um apartamento (16,3%).

Ou seja, para os tubarões do trabalho temporário o principal objetivo desse modo de contratação é externalizar a incerteza das empresas para os trabalhadores.

No entanto, e muito embora nenhum empresário o queira admitir, o trabalho temporário tem outra vantagem: é muito mais barato, mesmo considerando os serviços da ETT. Em média, os trabalhadores temporários recebem menos 40% do salário do que os trabalhadores com contrato

No entanto, e muito embora nenhum empresário o queira admitir, o trabalho temporário tem outra vantagem: é muito mais barato, mesmo considerando os serviços da ETT.

Em média, os trabalhadores temporários recebem menos 40% do salário do que os trabalhadores com contrato (ver estudo sobre Trabalhadores temporários, desigualdade salarial e baixos salários). Sindicatos, nem vê-los, e quantas histórias conhecemos de pessoas nas empresas e na função pública a realizar exatamente as mesmas tarefas com a mesma qualificação, mas com vínculos diferentes, empregadores diferentes e salários diferentes. O conceito constitucionalmente defendido de "trabalho igual, salário igual" não vale nada no shark tank do trabalho temporário.

Gonzaga Ribeiro (in Diário Económico, 1/04/2015) defende que as ETT "ajudam a criar emprego, pois cerca de 80% não seria criado se não existissem agências de trabalho temporário", o que é falso, porque o trabalho temporário não "cria emprego", mas sim substitui postos de trabalho com contrato por postos de trabalho precários. A maioria do trabalho temporário é, de facto, ilegal, porque as empresas não poderiam funcionar sem os serviços daqueles trabalhadores, constituindo, por isso, postos de trabalho permanentes a que deviam corresponder contratos de trabalho estáveis.

O trabalho temporário é um triângulo das bermudas, onde os trabalhadores perdem salário e direitos e onde os tubarões ganham milhões com a ilegalidade.

Artigos relacionados: 

Sobre o/a autor(a)

Engenheiro e mestre em políticas públicas. Dirigente do Bloco.
Comentários (1)