You are here

Acordo no Eurogrupo abre debate interno no Syriza

Mal foi anunciado o príncipio de acordo em Bruxelas, surgiram vozes de destacados membros e apoiantes do Syriza a criticá-lo.
Alexis Tsipras e Mikis Theodorakis, num encontro após as duras críticas do compositor ao acordo alcançado em Bruxelas.

“Pela minha parte, peço desculpas ao povo grego porque contribui para esta ilusão”. As palavras de Manolis Glezos, histórico resistente às tropas de ocupação nazi na Grécia e atualmente eurodeputado do Syriza, abriram as hostilidades no campo dos apoiantes do novo Governo grego.

Na sua carta aberta publicada no sábado, Glezos argumentava que “não pode haver nenhum compromisso entre oprimido e opressor” e que “entre escravo e ocupante, a única solução é a liberdade”, abrindo a porta a uma solução que foi sendo afastada pelos negociadores gregos ao longo do processo negocial: a saída do euro.

As reações não se fizeram esperar, com outras figuras destacadas do partido a partilharem a carta de Glezos nas redes sociais, como foi o caso de Yannis Milios, um dos responsáveis. Por seu lado, uma das deputadas mais populares do Syriza, a antiga atleta olímpica Sofia Sakorafa, também veio dizer que “As pessoas deram um mandato para cancelar o memorando. Nós não temos nenhuma legitimidade política para fazer o oposto”. E o compositor Mikis Theodorakis, uma das figuras mais respeitadas da esquerda grega, alinhou pelo mesmo tom, desafiando Tsipras a responder com um óchi (não) grego ao nein de Schãuble. Na segunda-feira, Tsipras encontrou-se com o compositor para lhe explicar a sua estratégia de “não cair na armadilha do inimigo”.

As críticas alargaram-se também ao próprio governo, com o ministro Lafazanis, que integra a Plataforma de Esquerda (uma das tendências no interior do partido) defendeu que a “linha vermelha” que devia ser estabelecida eram os principais compromissos do seu programa sufragado pelo povo grego.

As críticas alargaram-se também ao próprio governo, com o ministro da Reconstrução Produtiva, Ambiente e Energia a defender que o acordo alcançado em Bruxelas não podia anular o programa anti-austeridade do Syriza. Lafazanis, que integra a Plataforma de Esquerda (uma das tendências no interior do partido) defendeu que a “linha vermelha” que devia ser estabelecida eram os principais compromissos do seu programa sufragado pelo povo grego.

Também o economista Costas Lapavitsas publicou uma carta aberta com cinco questões à direção do Syriza acerca da compatibilidade de partes fundamentais do Programa de Salónica com o acordo-ponte para os próximos quatro meses. Também o académico Stathis Kouvelakis questiona a opção tomada. “Dizem-nos que o Syria não recebeu um mandato para sair do euro. Mas também não foi mandatado para abandonar o essencial do seu programa em nome da permanência do euro”, afirma o dirigente do Syriza, para quem está agora posta em causa “a ideia de que seria possível uma rotura com a austeridade e o fardo da dívida no atual quadro europeu”.

Para a direção do Syriza, a questão é diferente. No seu discurso ao grupo parlamentar esta quarta-feira, Alexis Tsipras afirmou que o acordo do Eurogrupo matou a teoria do “parêntesis de esquerda” na Grécia, que previa que o Governo duraria poucas semanas antes de embater com a realidade das forças em presença a nível europeu. Para Tsipras, o acordo dá à Grécia “espaço para respirar”, afasta o anterior memorando e as metas orçamentais irrealistas e substituiu os cortes previstos pelo anterior governo por reformas incluídas no Programa de Salónica.

Fora do Syriza, para além das críticas da Nova Democracia e do Pasok – que acusam Tsipras de ter negociado um novo memorando quando eles estavam prestes a libertar a Grécia do anterior –, o Partido Comunista Grego já anunciou um comício contra o governo para esta sexta-feira na praça Syntagma, depois de ter votado contra o programa de governo ao lado dos antigos governantes gregos e dos nazis.

(...)

Resto dossier

A Grécia depois do acordo-ponte no Eurogrupo

Semanas de negociações tensas resultaram num acordo que permite à Grécia continuar no euro por mais uns meses. Neste dossier, publicamos opiniões de observadores internacionais sobre este acordo-ponte, quem ganha e quem perde, as perspetivas próximas para a Grécia e para a Europa. Dossier organizado por Luís Branco.

Syriza ganha tempo e espaço

Que critério devemos usar para medir as ações de Tsipras e Varoufakis, de forma a julgar a sua adequação e eficácia? Artigo de Étienne Balibar e Sandro Mezzadra.

Acordo no Eurogrupo abre debate interno no Syriza

Mal foi anunciado o príncipio de acordo em Bruxelas, surgiram vozes de destacados membros e apoiantes do Syriza a criticá-lo.

Ler o acordo grego como deve ser

O economista norte-americano James Galbraith acompanhou Varoufakis em Atenas e Bruxelas durante uma semana de negociações. Neste artigo, contesta a leitura publicada na imprensa norte-americana e apresenta o seu ponto de vista sobre a estretégia grega no Eurogrupo.

A goleada sofrida pelo Syriza nas negociações da UE

A linha de Tsipras e Varoufakis é simplesmente insustentável. O seu compromisso em tentar resolver esta crise no quadro do euro só pode fracassar. Artigo de Richard Seymour.

O que falta no acordo da Grécia são os números

Há um elemento crucial ausente da carta da Grécia ao Eurogrupo, delineando as reformas que tenciona levar a cabo: é como se o portátil de Yanis Varoufakis não tivesse a tecla de €. Por Paul Mason.

O discurso que Tsipras devia ter feito

O escritor e ativista Tariq Ali não poupou palavras para criticar a declaração de Tsipras sobre o acordo alcançado na reunião dos ministros das Finanças da zona euro.

O mastro de Ulisses e as sereias dos nossos tempos

Para a Grécia, ganhar tempo pode ser útil. Mas o tempo tem um preço: em junho, no fim do acordo, ou a Grécia estabelece um novo programa de austeridade ou pedirá financiamento nos mercados, se não tiver uma alternativa de redução substancial e imediata do serviço da dívida.

Preparados?

A questão decisiva é qual é que será a atitude do governo grego nas negociações de junho. Se a estratégia de ganhar tempo serve para este pequeno prolongamento e para uma resposta de curto prazo à emergência social, em junho a discussão será outra.

Não, o Syriza não se rendeu

Tom Walker analisa o que foi acordado pelo governo Grego e argumenta que ganhar tempo não é o mesmo que quebrar promessas.

Varoufakis explica o acordo

Neste vídeo, a conferência de imprensa dada pelo ministro das Finanças grego para explicar o acordo com o Eurogrupo.