You are here

O discurso que Tsipras devia ter feito

O escritor e ativista Tariq Ali não poupou palavras para criticar a declaração de Tsipras sobre o acordo alcançado na reunião dos ministros das Finanças da zona euro.
Foto Secretaria de Cultura da Cidade do México

A declaração de Tsipras nem sequer chega a ser uma ilusão, é uma combinação de inverdades. Num estilo triunfalista e cruel, Schäuble disse à delegação grega que queria ver como eles iam explicar esta capitulação ao seu povo.

A tentativa de artifício aqui em baixo é a declaração de Tsipras. De facto são as mesmas tretas onde brilham os políticos do centro. Podíamos vê-la como um recuo tático se integrasse uma estratégia global, não não parece que seja o caso. Esta teria sido uma declaração mais honesta:

O discurso que Tsipras devia ter feito

Tentámos, negociámos com seriedade, mas eles estavam determinados em defecar nas nossas cabeças. Primeiro os alemães e depois os seus seguidores. Isto foi especialmente duro para o nosso ministro das Finanças que não trazia chapéu na cabeça nesse dia. Estava na sua mão. Por isso regressámos com nada.

Eles ganharam o primeiro assalto e na segunda-feira vão ditar ainda mais as condições do seu triunfo. A Troika ainda está no comando. Vai controlar o dinheiro que recebemos, vai determinar como e em quê vamos gastar o nosso dinheiro. A elita da UE está determinada em prosseguir o nosso castigo e nós aceitámos isso por quatro meses. Vamos usá-los para preparar um plano B. Apelamos aos cidadãos da Europa a mobilizarem-se para nos apoiarem.

A chantagem que nos é imposta é semelhante à que impuseram aos países pequenos durante os anos entre guerras. A Grécia ainda não é um país soberano. A nossa democracia não diz nada aos alemães e à elita da UE. Alguns agradecem-nos por termos salvo o Euro, mas esse elogio não nos engana. Agora estamos determinados a salvar a Grécia.

O discurso que ele fez

[Na sexta à noite, Atenas e os seus credores da zona euro chegaram a um acordo de última hora para prolongar o resgate de 172 mil milhões de euros. Esta é a declaração oficial do primeiro-ministro grego]

Ontem a Grécia conseguiu um resultado importante e positivo nas negociações com a Europa. A Grécia mantém-se de pé - e com a sua dignidade intacta. Provámos que a Europa defende compromissos mutuamente benéficos e não a distribuição de castigos. E neste sentido, os resultados de ontem podem ser ainda mais importantes para a Europa do que para a própria Grécia.

A declaração conjunta do Eurogrupo estabelece o quadro do acordo que faz a ponte entre o Memorando e o nosso plano de crescimento. O acordo cria o quadro institucional para as tão necessárias reformas progressistas no que respeita à luta contra a corrupção e a fuga ao fisco, bem como reformar os Estado e a administração pública, e evidentemente ultrapassar a crise humanitária, o que consideramos ser a nossa principal responsabilidade.

Ontem demos um passo decisivo, deixando para trás a austeridade, o Memorando e a Troika. Um passo decisivo que permitirá mudanças na zona euro. Ontem não foi o fim das negociações. Entraremos numa nova fase das negociações até chegarmos a um acordo final para a transição das políticas catastróficas do Memorando para políticas concentradas no desenvolvimento, emprego e coesão social.

Claro que enfrentaremos desafios. Mas o governo Grego está empenhado em abordar as negociações, que terão lugar entre agora e junho, com ainda maior determinação. Comprometemo-nos a repor a nossa soberania nacional e popular. Juntamente com o apoio do povo Grego, a quem cabe o julgamento final das nossas ações. Enquanto apoiantes e participantes ativos, o povo Grego vai ajudar-nos nos nossos esforços para alcançar a mudança política.


Artigo publicado na página Facebook de Tariq Ali. Traduzido por Luís Branco para o esquerda.net.

Comentários (1)

Resto dossier

A Grécia depois do acordo-ponte no Eurogrupo

Semanas de negociações tensas resultaram num acordo que permite à Grécia continuar no euro por mais uns meses. Neste dossier, publicamos opiniões de observadores internacionais sobre este acordo-ponte, quem ganha e quem perde, as perspetivas próximas para a Grécia e para a Europa. Dossier organizado por Luís Branco.

Syriza ganha tempo e espaço

Que critério devemos usar para medir as ações de Tsipras e Varoufakis, de forma a julgar a sua adequação e eficácia? Artigo de Étienne Balibar e Sandro Mezzadra.

Acordo no Eurogrupo abre debate interno no Syriza

Mal foi anunciado o príncipio de acordo em Bruxelas, surgiram vozes de destacados membros e apoiantes do Syriza a criticá-lo.

Ler o acordo grego como deve ser

O economista norte-americano James Galbraith acompanhou Varoufakis em Atenas e Bruxelas durante uma semana de negociações. Neste artigo, contesta a leitura publicada na imprensa norte-americana e apresenta o seu ponto de vista sobre a estretégia grega no Eurogrupo.

A goleada sofrida pelo Syriza nas negociações da UE

A linha de Tsipras e Varoufakis é simplesmente insustentável. O seu compromisso em tentar resolver esta crise no quadro do euro só pode fracassar. Artigo de Richard Seymour.

O que falta no acordo da Grécia são os números

Há um elemento crucial ausente da carta da Grécia ao Eurogrupo, delineando as reformas que tenciona levar a cabo: é como se o portátil de Yanis Varoufakis não tivesse a tecla de €. Por Paul Mason.

O discurso que Tsipras devia ter feito

O escritor e ativista Tariq Ali não poupou palavras para criticar a declaração de Tsipras sobre o acordo alcançado na reunião dos ministros das Finanças da zona euro.

O mastro de Ulisses e as sereias dos nossos tempos

Para a Grécia, ganhar tempo pode ser útil. Mas o tempo tem um preço: em junho, no fim do acordo, ou a Grécia estabelece um novo programa de austeridade ou pedirá financiamento nos mercados, se não tiver uma alternativa de redução substancial e imediata do serviço da dívida.

Preparados?

A questão decisiva é qual é que será a atitude do governo grego nas negociações de junho. Se a estratégia de ganhar tempo serve para este pequeno prolongamento e para uma resposta de curto prazo à emergência social, em junho a discussão será outra.

Não, o Syriza não se rendeu

Tom Walker analisa o que foi acordado pelo governo Grego e argumenta que ganhar tempo não é o mesmo que quebrar promessas.

Varoufakis explica o acordo

Neste vídeo, a conferência de imprensa dada pelo ministro das Finanças grego para explicar o acordo com o Eurogrupo.