You are here

Privatização dos transportes públicos “são história de um assalto ao país”

O Bloco promove esta terça-feira a audição pública “Parar a destruição da oferta pública de transportes”, que contará com a presença de representantes sindicais e comissões de trabalhadores do setor. No dia seguinte interpela o Governo sobre a mesma matéria. Bloco quer travar subconcessões do Metro do Porto e da SCTP e a privatização da EMEF.
Catarina Martins e Helena Pinto em visita à EMEF. Fotografia de Catarina Oliveira.

O Governo está a tentar vender, à pressa e em fim de mandato, o que resta dos transportes públicos, como o Metro do Porto e a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), mas a Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) também. Isto é a história de um assalto a um país, depois da privatização da TAP e da concessão a privados dos transportes urbanos", disse à agência Lusa a porta-voz bloquista, Catarina Martins.

Catarina Martins e a deputada Helena Pinto visitaram esta segunda-feira a EMEF no Entroncamento, distrito de Santarém, no âmbito da interpelação ao Governo marcada para quarta-feira, 11 de fevereiro, empresa cujas oficinas contam atualmente com 382 trabalhadores, sendo participada a 100% pela CP.

“O Governo anunciou na semana passada que irá privatizar ou liquidar até final deste ano a EMEF, integrado num plano estratégico para desmantelar o serviço público de transportes, através de processos de privatização, concessão, fusão e subconcessão. Da TAP aos transportes urbanos, da CP às fábricas de manutenção de material ferroviário, o que está em causa é a alienação de setores estratégicos, essenciais para o desenvolvimento do país”, advogou.

“O jornal Público noticia hoje que o Governo pressionou a EMEF para baixar o preço da manutenção à Metro do Porto para tornar mais fácil a sua privatização”, observou Catarina Martins, tendo defendido que a medida “vai prejudicar aquilo que é construído por todos, uma indústria, capaz, inovadora, exportadora e com pessoal altamente especializado, para tornar mais fácil a empresa dar lucros a privados”.

“Depois, mais tarde, vem um governante qualquer, e diz que a EMEF dá prejuízo e que, como tal, tem de se privatizada. Isto é um assalto ao país que é preciso travar”, vincou.

A porta-voz bloquista avançou que, na quarta-feira, no âmbito da interpelação ao Governo “em defesa dos transportes públicos”, o Bloco “vai apresentar projetos na Assembleia da República, por um lado, para anular o concurso de concessão da STCP e Metro do Porto, e apresentar um projeto para a salvaguarda da EMEF”.

A visita que teve lugar esta segunda-feira insere-se na semana “Bloco em movimento pelo transporte público”, organizada pelo Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda entre os dias 3 e 12 de fevereiro.

No dia 10, terça-feira, será promovida uma audição pública intitulada “Parar a destruição da oferta pública de transportes”. A iniciativa terá lugar no auditório do edifício novo da Assembleia da República, com início às 10h. A entrada é livre.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
(...)