You are here

“Governo vai voltar a servir de capacho a Angela Merkel”

Antecipando as reuniões do Eurogrupo e do Conselho Europeu sobre a Grécia, Catarina Martins lamentou que Passos Coelho vá às reuniões “envergonhar o país” e curvar-se ante a chanceler alemã.
Foto PPE/Flickr

"Na semana que aí vem, vamos ter reuniões muito importantes, vamos ter reuniões do Eurogrupo, vamos ter reuniões do Conselho Europeu. Nós sabemos que não podemos contar com o nosso Governo para ter uma posição decente em nenhuma destas reuniões. Sabemos, infelizmente, que o nosso Governo nos vai envergonhar, servindo pura e simplesmente de capacho de Angela Merkel  como até aqui", afirmou Catarina Martins num almoço com militantes em Leiria.

Para a porta-voz bloquista, o governo de Coelho e Portas "é um dos mais incomodados por haver alguém que decidiu discutir política, alguém que decidiu que a política é uma coisa séria e é uma coisa de resposta à vida das pessoas e não é um concurso a ver quem se curva mais perante Angela Merkel e os mercados financeiros".

Para a porta-voz bloquista, o governo de Coelho e Portas "é um dos mais incomodados por haver alguém que decidiu discutir política, alguém que decidiu que a política é uma coisa séria e é uma coisa de resposta à vida das pessoas e não é um concurso a ver quem se curva mais perante Angela Merkel e os mercados financeiros".

Catarina Martins deu exemplos dos sinais de incómodo do Governo nas últimas semanas com a vitória do Syriza na Grécia, como o “conto de crianças” referido pelo primeiro ministro, “o conto da cigarra e da formiga” da autoria do ministro Marques Guedes e, mais recentemente, o “comprimido amargo” dos sacrifícios que o ministro Pires de Lima prescreveu ao povo grego, e foi noticiado por um dos principais diários de Atenas. “Na Grécia há três milhões de pessoas sem acesso a cuidados de saúde", afirmou Catarina Martins, questionando em seguida se o ministro acha que ainda "pode ficar mais amargo que isto".

"Mas em Portugal precisámos mesmo para alguma coisa desta pílula amarga que Pires de Lima receita? Fez alguma coisa bem às nossas vidas termos escolas que não abrem no ano lectivo, termos hospitais que não respondem nas urgências, termos uma em cada três crianças em situação de pobreza", perguntou Catarina Martins.

Pelo contrário, concluiu a porta-voz do Bloco, é o Governo que fica com um sabor amargo quando olha para a Grécia, uma vez que "a esperança é o que mais mete medo à direita, a esperança é o que mais mete medo à Comissão Europeia, ao directório europeu e aos mercados financeiros".

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
Comentários (1)