You are here

Privatização STCP e Metro do Porto: “Pagamos mais para ter menos?”

O Bloco de Esquerda esteve esta sexta-feira junto dos utentes dos transportes públicos do Porto para defender a urgência de travar a privatização em curso.
Contra a privatização da STCP e do Metro do Porto, o Bloco contactou com os utentes junto à Rotunda da Boavista. Foto Ada Pereira da Silva

Prosseguindo a semana dedicada ao estado dos transportes públicos no país, a deputada Mariana Mortágua esteve esta sexta-feira junto ao interface da Casa da Música numa ação organizada pelo Bloco de Esquerda do Porto, com a distribuição de um folheto contra a privatização dos transportes .

No próximo dia 11 de fevereiro, o Bloco irá interpelar o Governo sobre esta política de privatizações, estando agendada para o dia seguinte a votação do projeto de resolução bloquista para anular os concursos de concessão da STCP e do Metro do Porto.

“O Bloco de Esquerda defende firmemente a manutenção do serviço público de transportes na esfera pública. É a única maneira de garantir que as populações têm acesso a transportes de qualidade, que chegam a todo o lado, e acessíveis”, diz o comunicado da distrital do Bloco/Porto.

No próximo dia 11 de fevereiro, o Bloco irá interpelar o Governo sobre esta política de privatizações, estando agendada para o dia seguinte a votação do projeto de resolução bloquista para anular os concursos de concessão da STCP e do Metro do Porto.

Para além da intenção de privatização, o Bloco acusa ainda a administração da STCP de agir sob instruções do Governo para degradar o serviço público de transportes na cidade: “encerra linhas, baixa as frequências, ao mesmo tempo que aumenta os preços dos bilhetes e passes e que reduz as condições dadas à população estudantil e de ‘idade maior’”, para além de faltarem 120 motoristas ao número indispensável para cumprir os horários e carreiras, mesmo depois dos sucessivos cortes.

A imagem dos operadores privados de transportes no Porto é justamente o que os bloquistas querem evitar para o futuro da STCP: “viaturas velhas, poluentes e com poucas condições de segurança, superlotados, sem circulação às horas de menor afluência”, mas que “recebem na mesma subsídios do Estado e engordam os seus lucros à nossa custa e dos seus trabalhadores, a quem não dão contrato de trabalho”.

“O governo PSD/CDS aumenta sistematicamente os impostos e baixa a qualidade dos serviços. Não aceitamos. Não permitiremos!”, conclui o comunicado.

 

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
(...)