You are here

Um em cada três empregos criados afinal é estágio

O Banco de Portugal põe em causa os números do emprego do INE para o terceiro trimestre. Em vez de crescer 6%, foi só 2,5%, E um terço não são empregos, são estágios. A deputada Mariana Aiveca assinala que mais de metade dos empregos criados são precários.
Ministros do CDS à frente da Economia e Emprego puseram os contribuintes a pagar um em cada três empregos gerados na economia privada. Provavelmente, só durarão até ao fim do estágio. Foto Tiago Petinga/Lusa

No mês passado, um dos responsáveis da troika dizia-se perplexo com os números do emprego divulgados pelo Governo, que não estavam em linha com o crescimento económico registado no país. "Penso que ninguém ainda percebeu muito bem como é que a taxa de desemprego está a baixar", afirmou Subir Lall numa entrevista ao Jornal de Negócios.

Os novos números divulgados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal podem dar uma ajuda ao emissário da troika. Em vez dos 6% de crescimento na criação de emprego por conta de outrém no setor privado que o Instituto Nacional de Estatística anunciou, a realidade fica bem aquém desses números, cifrando-se em 2,5%. E como 0.9% desse crescimento no emprego privado se deve aos estágios financiados com dinheiro dos contribuintes, o número real não ultrapassará 1,6%, um valor mais próximo da tímida taxa de crescimento portuguesa, após anos de profunda recessão. Ante a falta de números oficiais sobre o sucesso dos estágios, é de prever que sem o financiamento público, boa parte desses estágios não passem disso mesmo.

"As pessoas têm direito a ter um emprego, lutam por isso, e faz parte da sua dignidade enquanto cidadãos serem pagos, bem pagos, por esse emprego. Os estágios profissionais, como bem sabemos, são pessoas que ocupam postos de trabalho que são permanentes e, como tal, deviam ter esse direito", concluiu Mariana Aiveca.

A diferença dos números é explicada pelo Banco de Portugal com razões metodológicas, revela agora o Jornal de Negócios, apontando "problemas temporários na amostra do INE" por causa da introdução de dados referentes aos Censos 2011, realizados antes da grande vaga de emigração de trabalhadores portugueses. Assim sendo, "a análise efectuada permite concluir que o emprego privado por conta de outrem estará a apresentar uma recuperação desde o terceiro trimestre de 2013, mas mais moderada do que a sugerida pelo Inquérito ao Emprego", conclui o Boletim Económico do Banco de Portugal.

Mariana Aiveca: "Mais de metade do emprego criado é precário"

Reagindo aos números do Boletim Económico do Banco de Portugal, a deputada bloquista Mariana Aiveca sublinhou que "6 em cada 10 postos de trabalho criados são precários, são estagiários, são contratos Emprego Inserção. Aquilo que o BdP hoje nos diz vem em linha com aquilo que o Bloco tem vindo a afirmar relativamente aos dados do emprego".

"As pessoas têm direito a ter um emprego, lutam por isso, e faz parte da sua dignidade enquanto cidadãos serem pagos, bem pagos, por esse emprego. Os estágios profissionais, como bem sabemos, são pessoas que ocupam postos de trabalho que são permanentes e, como tal, deviam ter esse direito", concluiu Mariana Aiveca.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
(...)