You are here

Bruxelas quer mais cortes, Bloco diz que essa receita falhou

A Comissão Europeia alertou o Governo para o "risco de incumprimento" das metas do défice em 2015. O Bloco de Esquerda recorda que as políticas de austeridade falharam todas as metas do défice até hoje.
Comissão Juncker diz a Passos Coelho que ainda há muito para cortar nos salários e pensões dos portugueses. Foto Jean Claude Juncker/Flickr

"Nós não aceitaremos novas medidas de austeridade. A austeridade falhou nos objetivos do cumprimento défice todos os anos e não tínhamos nenhuma perspetiva que fosse diferente em 2015", afirmou Pedro Filipe Soares em declarações aos jornalistas no parlamento.

"Não aceitamos ser governados por engravatados que, do exterior, não têm qualquer sensibilidade social e que sabem que as suas benesses são garantidas", afirmou Pedro Filipe Soares, defendendo que só uma aposta no investimento público é capaz de criar emprego e equilibrar as contas públicas.

Citado pela Lusa, o líder parlamentar bloquista diz que não vale a pena insistir numa "receita que falhou" e cujos resultados podem ser avaliados por todos: "o desemprego aumentou e o trabalho é cada vez mais precário, com trabalhos ao dia, à jorna e com redução clara e inequívoca de salários".

"Não aceitamos ser governados por engravatados que, do exterior, não têm qualquer sensibilidade social e que sabem que as suas benesses são garantidas", afirmou Pedro Filipe Soares, defendendo que só uma aposta no investimento público é capaz de criar emprego e equilibrar as contas públicas.

Para a Comissão Europeia, Portugal é um dos países que provavelmente não irá cumprir as regras orçamentais no próximo ano, que prevêem um défice de 3% nas contas do Estado. Bruxelas recomenda mais cortes na despesa, apontando a retirada de salários e pensões aos trabalhadores como "instrumentos de consolidação efetivos nos últimos anos".

Termos relacionados Política
(...)