You are here

Trabalhadores da PT temem “esquartejamento” da empresa

As notícias sobre a intenção de venda das 3.000 torres de comunicações móveis da PT aumentam as suspeitas de que a empresa possa vir a ser retalhada.
Foto André Luís/Flickr

As últimas semanas têm sido de grande preocupação para os trabalhadores da PT Portugal. Na sexta-feira, a Bloomberg deu a notícia de que a Oi já terá contratado o Barclays para negociar a venda das 3.000 torres de comunicações móveis da PT para obter um valor próximo dos 300 milhões de euros. A espanhola Abertis Infraestructuras SA, a American Tower Corp e vários fundos como o KKR & Co. estariam interessados em fazer ofertas.

Esta notícia, atribuía a fontes próximas do processo, não foi confirmada nem desmentida por nenhuma das empresas referidas. Em comunicado, a Comissão de Trabalhadores da PT exigiu explicações para se saber “se esta abordagem do negócio se insere ou não numa estratégia de esquartejamento da PT Portugal e posterior venda às postas”. Os trabalhadores dizem-se ainda “preocupados com o futuro da PT Portugal e as consequências que decisões erradas podem ter para o País, para a Soberania e a Economia Nacional e para os trabalhadores."

Quanto ao negócio das torres, o comunicado da CT avisa que “as empresas ao participarem em operações financeiras, chamadas de sale-leaseback, deixam de ser proprietárias dos seus activos. Independentemente das consequências para a PT Portugal, o que a Oi não pode pretender é no imediato só obter vantagens fiscais e de capital para si, já que se comprometeu com o projecto da criação do grande operador de telecomunicações luso-brasileiro à escala global".

A venda de torres de comunicações móveis tem sido uma das formas da Oi reforçar o capital e liquidez na empresa. Em dezembro passado, anunciou a venda de 2.007 torres no Brasil aos norte-americanos da SBA por cerca de 490 milhões de euros. Seis meses depois, nova venda de 1.641 torres ao mesmo grupo, desta vez por cerca de 376 milhões de euros.

Nestas operações, a empresa vendedora passa a pagar pela utilização das torres à empresa que comprou, enquanto a empresa compradora assegura os custos com a manutenção, ampliação e outros investimentos nas torres de comunicações móveis. Por isso os trabalhadores de PT afirmam que “uma das questões mais importantes é saber se a ideia da venda das cerca de três mil torres de telecomunicações móveis da PT Portugal salvaguarda ou não as operações e a manutenção das mesmas, logo se estão salvaguardados todos os postos de trabalho desta área”.

Sindicatos e CT multiplicam contactos para discutir futuro da empresa

A notícia da Bloomberg surgiu no dia da primeira visita a Portugal de Bayard Gontijo, desde que substituiu interinamente Zeinal Bava à frente da Oi no passado dia 8 de outubro. Os trabalhadores pediram para serem recebidos pelo nº 1 da Oi, mas Gontijo não os chegou a receber nos dois dias que esteve em Lisboa.

A Comissão de Trabalhadores pediu uma nova reunião de urgência sobre a venda das torres ao presidente da PT Portugal, Armando Almeida, que em agosto substituiu Zeinal Bava. Na reunião que tiveram no dia 9, logo a seguir à saída de Bava da Oi, Armando Almeida disse aos trabalhadores ter passado as primeiras semanas no cargo a conhecer a empresa, depois de ter passado 17 anos fora do país. De acordo com o relato da CT, o gestor acrescentou que estava empenhado em elaborar um plano de atividade para mostrar aos acionistas da Oi que a empresa pode valorizar os seus ativos e afastou a hipótese da venda das operações em Portugal, que ao contrário das de África, eram considerados ativos estratégicos por parte da Oi, que detém a totalidade do capital da PT Portugal.

No dia 14 realizou-se um encontro entre as estruturas representativas dos trabalhadores da PT - CT, SINTTAV, STPT, SINDETELCO, SNTCT, TENSIQ, STT, SINQUADROS e FE/SERS - para procurar coordenar as iniciativas em defesa dos postos de trabalho e contra a alienação da PT Portugal. Ficou decidido o pedido de encontros com o presidente da PT SGPS, o primeiro-ministro, o ministro da Economia, os grupos parlamentares e as centrais sindicais.

Logo no dia seguinte teve lugar a reunião com o presidente da PT SGPS, Mello Franco, que disse aos trabalhadores que “os acionistas da PT continuam empenhados na fusão com a Oi”. Nesse mesmo dia, a empresa brasileira anunciava que Mello Franco passava de efetivo a suplente no conselho de administração da Oi. E que Rafael Mora, da Ongoing, entrava como membro efetivo da administração.  

(...)

Resto dossier

Queda da Portugal Telecom

A Portugal Telecom foi arrastada pela crise do BES e pelas decisões contrárias ao interesse da empresa para ajudar os acionistas, em particular os Espírito Santo. Com a fusão com a Oi a resvalar para a venda a retalho da PT, o futuro adivinha-se sombrio para os trabalhadores da empresa. Dossier organizado por Luís Branco.

Trabalhadores da PT temem “esquartejamento” da empresa

As notícias sobre a intenção de venda das 3.000 torres de comunicações móveis da PT aumentam as suspeitas de que a empresa possa vir a ser retalhada.

O que é a Altice?

A empresa que quer comprar a PT já está habituada a adquirir empresas em Portugal por um décimo do valor que tinham alguns anos antes. Foi o caso da Cabovisão.

A informação como bem público

O sector das telecomunicações tem de ser priorizado enquanto activo estratégico para um combate ao liberalismo de mercado. Aceitar que pode não representar um monopólio natural e, portanto, não tem de ser inteiramente público, não significa que se aceitem as regras do jogo neoliberal. Artigo de Luís Bernardo.

BES e PT: uma relação antiga que acabou mal

Com a crise provocada pela aplicação ruinosa em dívida dos Espírito Santo, ficou bem à vista o poder deste grupo financeiro nas decisões da PT e a importância desta no financiamento do grupo.

Jackpot de 11,5 mil milhões foi parar ao bolso dos acionistas da PT

Quando Zeinal Bava entrou na Portugal Telecom, a empresa valia 12,8 mil milhões. Hoje vale menos de 1,5 mil milhões. A destruição de valor equivale ao dinheiro distribuído aos acionistas durante a sua gestão.

Rioforte: a história do "desfalque" que afundou a PT

A aplicação de cerca de 900 milhões de euros em papel comercial da empresa do Grupo Espírito Santo ditou a saída de Granadeiro e Zeinal e a redução da fatia da PT na brasileira Oi.

Portugal Telecom – como se afunda uma empresa

Querem saber como se destrói uma empresa? Perguntem a Zeinal Bava e a Henrique Granadeiro. O que teve lugar na Portugal Telecom, nos últimos anos, devia ser compilado e dar origem a um manual de instruções para afundar empresas.

O fim da "golden share" que protegia o interesse público

No memorando da troika assinado por PS, PSD e CDS, o Estado português aceitou desfazer-se das suas posições na PT, EDP e Galp sem receber um cêntimo em troca. Dois meses depois, no debate parlamentar que aqui recordamos, o ministro Vítor Gaspar congratulava-se com a medida.

PT desvalorizou 87% mas manteve os prémios dos gestores

Enquanto o valor da empresa caía em bolsa e a remuneração dos trabalhadores era cortada, os gestores da Portugal Telecom continuaram a ganhar os mesmos prémios.