You are here

Cem mil pessoas manifestam-se por aumentos salariais em Londres, Glasgow e Belfast

Mais de cem mil pessoas manifestaram-se neste sábado, nas cidades de Londres, Glasgow e Belfast, contra a austeridade e exigindo aumentos salariais. Na participação destacavam-se os trabalhadores do setor público.
~Manifestantes em Londres ~protestam contra a austeridade e exigem aumentos salariais – Foto de Hannah Mckay/Epa/Lusa

Segundo o jornal “Daily Mail”, as manifestações de hoje juntaram muito mais de cem mil pessoas. Os protestos foram convocados pela Confederação Britânica de Sindicatos (TUC, na sigla em inglês) sob o lema: “Britain Needs a Pay Rise” (“Grã-Bretanha precisa de um aumento salarial”).

Segundo a TUC, o poder de compra dos trabalhadores na Grã-Bretanha atingiu o ponto mais baixo, desde a crise iniciada em 2007.

As manifestações deste sábado foram acompanhadas por greves de enfermeiras, trabalhadores da saúde e de outros serviços do setor público, realizadas durante a semana que passou.

Nos protestos deste sábado destacavam-se professoras e professores e trabalhadoras do serviço público de saúde.

Os cartazes mais em destaque eram contra a austeridade e os cortes (“No cuts”), salientando o protesto contra a política de austeridade levada a cabo pelo governo de direita britânico e lembrando que muitos trabalhadores do setor público continuam com os salários congelados.

Durante a semana também se realizaram paralisações em portos, aeroportos, tribunais, museus, centros de emprego, centros de saúde e hospitais.

Segundo o “Daily Mail”, as parteiras estiveram, pela primeira vez na história, em greve durante a semana, em protesto contra a recusa do governo de um aumento de 1% aos trabalhadores do serviço público de saúde britânico.

As greves no setor público britânico vão prosseguir durante a próxima semana.

O secretário-geral da TUC, Frances O'Grady, salientou que a grande participação envia uma clara mensagem ao governo de que deve haver um aumento salarial e destacou que um diretor de uma empresa ganha 175 vezes mais do que um trabalhador com um salário médio.

Termos relacionados Internacional
(...)