You are here

Baze, Sr. Ministro!

O Ministro da Educação ainda permanece no cargo. Como se o atual cenário se tratasse de uma aceitável contingência. Como se o caos no início do ano letivo fosse algo perfeitamente normal.

Crato ainda não se demitiu. Vou repetir: Nuno Crato ainda não se demitiu. Depois de um começo de ano letivo catastrófico, em que em cada escola, em cada agrupamento, em cada concelho, continuam a existir turmas sem professores, o Ministro da Educação ainda permanece no cargo. Como se o atual cenário se tratasse de uma aceitável contingência. Como se o caos no início do ano letivo fosse algo perfeitamente normal.

De facto, os problemas no início do ano letivo acabam por ser daqueles fenómenos sazonais a que já nos fomos habituando. Da mesma maneira que há sol no verão e chuva no inverno, somos sempre brindados com o mesmo tipo de notícias nesta altura do ano: professores colocados tardiamente, turmas sem professores, ao mesmo tempo que milhares de professores enfrentam mais um ano no desemprego. E tudo se repete de ano para ano, com se de uma inevitabilidade se tratasse. Como se tratasse de um processo novo, repleto de contingências e imponderáveis impossíveis de contornar, impossíveis de prever. A única diferença é que este ano a sua dimensão assumiu proporções indisfarçáveis. E, após repetidas promessas de regularização, o caos manteve-se.

De qualquer modo, gostava de algum dia perceber como é possível que o processo de colocação de professores, algo que se repete todos os anos e que dispõe de um ano para ser preparado, consegue revelar sempre falhas e buracos tão grandes. Como se não se aprendesse com os erros do ano anterior, como se fosse impossível planear devidamente todo o processo, testá-lo, acautelar os seus pontos críticos com vista a prepará-lo para os poucos meses do ano em que não pode mesmo falhar.

Uma vez que, passadas já semanas do início do ano letivo, o problema mantém-se, são mais do que óbvias as razões para a demissão do Ministro. Responsabilidades políticas devem ser assumidas, nem merecendo comentários a permanente vontade demonstrada pelo mesmo de responsabilizar um qualquer problema técnico pelo sucedido.

E, já agora, que se aprenda de uma vez por todas com os erros ocorridos este ano. Todos dispensamos com certeza este lamentável espetáculo anual.

Sobre o/a autor(a)

Politólogo, autor do blogue Ativismo de Sofá
(...)