You are here

Wikileaks: EUA armaram Estado Islâmico que agora combatem no Iraque

Segundo documentos obtidos pelo jornal britânico The Guardian, grande parte do armamento utilizado pelo EIIL veio de grupos armados pelos EUA e cooptados por Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Califado Islâmico, que hoje controla territórios na Síria e no Iraque.

Os Estados Unidos da América recusaram ajuda ao Governo da Síria no combate a grupos radicais islâmicos como a Al-Qaeda e o EIIL (Exército Islâmico do Iraque e do Levante, que recentemente mudou de nome para Estado Islâmico). Além disso, segundo revelações feitas pela Wikileaks, a administração norte-americana armou grupos como o Estado Islâmico. Os quase 3 mil documentos sobre o assunto foram divulgados pelo site dirigido por Julian Assange na passada sexta-feira.

A 18 de fevereiro de 2010, o chefe dos serviços secretos sírios, o general Ali Mamlouk, apareceu de surpresa numa reunião entre os diplomatas norte-americanos e Faisal a-Miqad, vice-ministro das relações externas da Síria. A visita de Mamlouk foi uma decisão pessoal de Bashar al-Assad, presidente sírio, em mostrar empenho no combate aos grupos radicais islâmicos no Médio Oriente, afirma o documento.

Neste encontro com Daniel Benjamin, coordenador das ações de contra-terrorismo dos EUA, “o general Mamlouk enfatizou a ligação entre a melhoria das relações EUA-Síria e a cooperação nas áreas de inteligência e segurança”, afirmam os diplomatas norte-americanos em telegrama destinado à CIA, ao Departamento de Estado e às embaixadas dos EUA no Líbano, Jordânia, Arábia Saudita e Inglaterra.

Para Miqad e Mamlouk, essa estratégia passava por três pontos: com o apoio dos EUA, a Síria deveria ter maior papel na região, a política seria um aspeto fundamental para ações de cooperação contra o terrorismo e a população síria deveria ser convencida dessa estratégia com a suspensão dos embargos económicos contra o país. Para Imad Mustapha, embaixador sírio em Washington, “os EUA deveriam retirar a Síria da lista negra”. Nas palavras de George W. Bush, o país fazia parte do “eixo do mal”, junto com Coreia do Norte e Afeganistão.

Apesar da discordância entre os EUA e a Síria em relação ao apoio de Assad a grupos como o Hezbollah e o Hamas, os dois países concordavam quanto à necessidade de interromper o fluxo de guerrilheiros estrangeiros para o Iraque e impedir a proliferação de grupos radicais, como a Al-Qaeda, o EIIL e o Junjalat, grupo palestiniano com a mesma orientação política. Para Benjamin, as armas chegavam ao Iraque e ao Líbano contrabandeadas através do território sírio.

Mamlouk reforçou a “experiência síria em combater grupos terroristas”. “Nós não ficamos na teoria, tomamos atitudes práticas”, foram as palavras do chefe de inteligência de Assad.

Segundo o general, o Governo sírio não mata ou ataca imediatamente esses grupos. “Primeiro, infiltramo-nos nessas organizações e estudamos o seu funcionamento”. De acordo com Damasco, “essa complexa estratégia impediu centenas de terroristas de entrarem no Iraque”.

Guerra do Iraque e surgimento do Estado Islâmico

No entanto, apesar de afirmarem cooperar com a Síria para combater o terrorismo, os EUA também trabalharam para armar os opositores sírios e isso causaria um problema maior na região: a criação do atual Estado Islâmico. Segundo documentos obtidos pelo jornal britânico The Guardian, grande parte do armamento utilizado pelo EIIL veio de grupos armados pelos EUA e cooptados por Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Califado Islâmico, que hoje controla territórios na Síria e no Iraque.

Saddam al-Jammal, líder do Exército de Libertação da Síria, outro grupo anti-Assad, também jurou lealdade ao Estado Islâmico desde novembro de 2013. Para garantir tal apoio, o EIIL mudou a sua estratégia de controlo: dava autonomia às autoridades locais em vez de controlar diretamente a governação das cidades. Como resultado, o EIIL expandiu-se e conseguiu lutar em cinco frentes: contra o Governo e os opositores sírios, contra o Governo iraquiano, contra o Exército libanês e as milícias curdas.

O armamento começou a ser enviado para os opositores sírios em setembro de 2013. Na época, analistas davam o EIIL como terminado e a alegação para fortalecer esses grupos era a de que o governo Assad havia usado armas químicas. Para enviar as armas, o Governo Obama usou bases clandestinas na Jordânia e na Turquia. Aliados dos EUA na região, como a Arábia Saudita e o Qatar, também forneceram ajuda financeira e militar.

Ironicamente, os EUA sabem inclusive a real identidade do líder do Califado. Durante um ataque à cidade iraquiana de Fallujah em 2004, os norte-americanos prenderam alguns dos militantes pelos quais procuravam. Entre eles, estava um homem de 30 e poucos anos e pouco importante na organização: Ibrahim Awad Ibrahim al-Badri. Dez anos depois, ele tornar-se-ia líder da mais radical insurgência islâmica contra o Ocidente, segundo informações de um oficial do Pentágono.

Esquerda.net com Opera Mundi.

Comentários (1)

Resto dossier

Estado Islâmico: o que é, quem o financia, o que pretende?

Em poucos meses, o avanço irresistível das forças do Estado Islâmico provocou o colapso do Exército iraquiano e conquistou dezenas de cidades, algumas estratégicas, da Síria e do Iraque. No final de junho foi proclamado o novo califado. Mas de onde veio esta organização desconhecida até há uns meses? Quem a criou? De onde vêm os seus fundos? Por que usa práticas bárbaras? Dossier organizado por Luis Leiria.

Abu Bakr Al-Baghdadi, ou o califa Ibrahim

Perguntas e respostas sobre o Estado Islâmico

Sabia que o atual líder do EI já esteve detido num campo de prisioneiros dos Estados Unidos? E que o território do EI equivale ao do Reino Unido? E que quem salvou milhares de yazidis de serem massacrados pelo EI foi uma organização considerada terrorista por Washington? Veja mais nas perguntas e respostas que se seguem. 

O jornalista Steven Stoloff

Qual é a estratégia do Estado islâmico?

Para combater de forma eficaz o Estado islâmico, é preciso compreender aquilo de que ele é expressão. Ele é expressão de dois grandes fracassos políticos: o do regime sírio e o do regime iraquiano que, em contextos diferentes, com papéis diferentes da comunidade internacional, ostracizaram, marginalizaram, reprimiram a componente sunita da população. Entrevista com François Burgat, conduzida por Alexandra Cagnard.

Os defensores da intervenção militar perguntam se a estratégia, sobretudo a promessa de Obama de não enviar forças de combate, será suficiente para alcançar os seus objetivos. Foto de Lawrence Jackson

Estratégia de Obama contra o Estado Islâmico não convence nos EUA

Apesar de o plano do presidente ter obtido a cautelosa aprovação da maioria dos parlamentares, muitos dizem que gerou tantas dúvidas quanto respostas. Por Jim Lobe, IPS

O que se deve fazer ao Exército Islâmico após a decapitação de James Foley?

A 'guerra ao terror' tem visto o jihadismo tornar-se mais forte do que nunca e o Ocidente deve ter cuidado para não apoiar as jogadas do EI (Estado Islâmico). Por Owen Jones, The Guardian.

Mariana Mortágua: A ascensão desta forma máxima de terror não é a expressão de qualquer religião, ao contrário do que alguns tentam fazer crer.

"Bloco de Esquerda repudia todos os atos de violência e terrorismo"

Intervenção da deputada Mariana Mortágua na Assembleia da República sobre o Estado Islâmico (19-09-2014).

O grande aumento da força e do alcance das organizações jihadistas na Síria e no Iraque tinha, em geral, passado despercebido aos políticos e aos meios de comunicação no Ocidente.

Como a 'Guerra ao Terror' criou o grupo terrorista mais poderoso do mundo

Políticas contraditórias de Washington na Síria e no Iraque garantiram que o Estado Islâmico do Iraque e do Levante pudesse fortalecer-se. Até agora, os EUA evitaram ser culpabilizados pelo crescimento do EI e conseguiram pôr toda a culpa no governo iraquiano. Mas a verdade é que criaram uma situação na qual essa organização pode sobreviver e prosperar. Por Patrick Cockburn, TomDispatch

O EI é inimigo mortal das mulheres, do movimento operário e de todas as forças progressistas da região.

O Estado Islâmico, uma força reacionária, um inimigo mortal

O Estado Islâmico (EI) foi promovido durante o verão à condição de inimigo número um dos Estados Unidos e dos seus aliados. A sua expansão para Bagdade, ao sul, e para o estado autónomo curdo, ao norte, marcaram a sua ação. Ao mesmo tempo, a organização jihadista multiplicou os seus crimes. Por Henri Wilno, L'Anticapitaliste

Wikileaks: EUA armaram Estado Islâmico que agora combatem no Iraque

Segundo documentos obtidos pelo jornal britânico The Guardian, grande parte do armamento utilizado pelo EIIL veio de grupos armados pelos EUA e cooptados por Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Califado Islâmico, que hoje controla territórios na Síria e no Iraque.

O mundo árabe e a nova desordem mundial

Entre a “decadência” norte-americana e a falta de alternativas, nenhum acontecimento acelerou e revelou melhor ambos os processos que as fracassadas revoluções árabes e o surgimento do seu seio - ou do seu fracasso - do Estado Islâmico (EI). Por Santiago Alba Rico.