You are here

A Economia e a Independência

O principal argumento do Better Together, de que as maiores economias são mais resistentes e flexíveis, ainda está por escrutinar. As pequenas economias do Norte, geograficamente semelhantes à Escócia, mantiveram as suas moedas independentes, mais estáveis do que a libra esterlina. Artigo de James Foley e Pete Ramand.
Foto tigerweet/Flickr

Alguns chamam-lhe a ciência sinistra. Mas, entre todas as controvérsias sobre o referendo, a economia provoca as emoções mais violentas. Os media, juntamente com os lideres da campanha do NÃO, enquadraram o problema da segurança económica da Escócia em torno da credibilidade pessoal de Alex Salmond, e a tática deu resultados. Pessoas geralmente sensatas confessam que até votariam SIM, se não fosse considerarem que ter como timoneiro o “Wee Fat ‘Eck” [alcunha de Alex Salmond] seria um risco grande demais. Quem quer comprometer o seu futuro para ele [Salmond] se poder pavonear como não-coroado Rei da Escócia?

Esta estratégia resulta a dois níveis. Primeiro, Salmond, antes visto como o  mais forte trunfo do movimento do SIM, representa agora um verdadeiro embaraço. Mesmo tendo-se afastado dos olhos do público, Better Together descreve-o como arrogante e imprudente, jogando com a prosperidade da Escócia ao sabor dos seus interesses.

Exige-se a Salmond que descreva, a um pormenor quase ridículo, como a futura economia escocesa e os compromissos internacionais poderão funcionar. No entanto, ninguém do Labour, dos Tories ou dos Liberais-Democratas sofre qualquer pressão para garantir a segurança da economia escocesa.

Em segundo lugar, a classe política escocesa tornou-se míope em relação à sua situação económica presente. Exige-se a Salmond que descreva, a um pormenor quase ridículo, como a futura economia escocesa e os compromissos internacionais poderão funcionar. No entanto, ninguém do Labour, dos Tories ou dos Liberais-Democratas sofre qualquer pressão para garantir a segurança da economia escocesa. Numa era de potenciais abandonos da UE, a subida do UKIP e a estagnação da economia britânica, isto resume-se a uma complacência surpreendente dos nossos inteletuais públicos.

Os riscos da permanência no Reino Unido são fáceis de antever. As instituições financeiras britânicas não aprenderam nada com a crise de 2008, e provavelmente vão desregular ainda mais quando a oportunidade chegar, enquanto todos os partidos em Westminster estão comprometidos com a austeridade pelas próximas décadas. A menos que o decorrer dos acontecimentos sofra uma reviravolta, os britânicos acabarão a próxima era mais pobres, muito mais tristes e muito mais isolados dos seus vizinhos.

Entre a era Thatcher e 2012, o Reino Unido transferiu mais rendimento para os ricos do que qualquer outra nação desenvolvida. Uma pequena elite conseguiu fortunas, enquanto a verdadeira classe média britânica estagnou. Quando o preço do metro quadrado disparou e as dívidas se multiplicaram, os pensionistas britânicos os mais pobres do grupo UE 27; prejudicando as crianças que ficaram numa situação de miséria semelhante à descrita por Dickens; e as restrições de combustível foram as piores da Europa chegando a níveis abaixo dos da Estónia. E a brecha na riqueza da Grã-Bretanha alargou-se até duas vezes o tamanho das dos seus piores rivais na UE. Apesar dos intermináveis discursos moralizantes de Westminster sobre as famílias, o Reino Unido foi considerado o terceiro pior país da Europa para criar uma família.

A partir de 2008, o crescimento britânico caiu abaixo das economias do G7, excepto da Itália, e os seus salários passaram a ser os mais baixos de todos. Tendo perdido todas as hipóteses de reformar a ordem moral londrina da era-gueto de Gordon, o nível de vida dos britânicos caiu de tal forma, que excedeu a queda do do Japão durante a sua desgraçada ‘década-perdida’. E Osborne e companhia, com a austeridade reforçaram a volatilidade existente, enquanto elevavam a exploração para níveis vitorianos.
Se os britânicos continuarem com o presente curso das coisas, correm numa direcção assustadora. Podem vir a ultrapassar países como Singapura, Portugal e os Estados Unidos tornando-se a mais desigual das sociedades desenvolvidas, exemplo de indecência e miséria. Os sintomas já são visíveis. A Organização Mundial de Saúde afirma que a pobreza infantil é uma “opção política” deliberada feita pelos partidos de Westminster. Um em dez trabalhadores estão em situação de emprego precário, e a crise normalizou os contratos “zero-hour”*.  As “bedroom taxes”**sugerem para o futuro uma profunda e irracional crueldade, embora isso simbolize meramente a economia do Reino Unido e o nosso sistema de partidos políticos não ofereça outra alternativa.

Para enfrentar o século XXI, os britânicos precisam de profundas transformações. No centro das transformações planetárias, como as mudanças climáticas, o Reino Unido ficou atrás dos seus rivais, em termos morais e competitivos. Somos o terceiro pior país da Europa no que se refere a energias renováveis, dedicando apenas 1% do PIB a políticas verdes, menos do que a equipamentos e publicidade, e três vezes menos do que com as forças armadas. A investigação sobre energias limpas é dez vezes mais alta no Japão e na Finlândia. Enquanto isto, a Grã-Bretanha está mal adaptada ao surgimento das economias BRIC, exportando mais para a república irlandesa, com uma população abaixo dos 5 milhões, do que para o Brasil, Rússia, India e China todos juntos. Além disso, uma em cada dez empresas britânicas tem a ver com indústria de armamento. Os partidos de Westminster não conseguem proceder às reformas necessárias porque estão ligados ao neo-liberalismo dos Estados Unidos, militar e financeiramente hegemónicos.

O principal argumento do Better Together, de que as maiores economias são mais resistentes e flexíveis, ainda está por escrutinar. As pequenas economias do Norte, geograficamente semelhantes à Escócia, mantiveram as suas moedas independentes, mais estáveis do que a libra esterlina. E é fora de dúvida que todas as economias regionais comparáveis têm níveis de vida melhores ou iguais aos do Reino Unido, e muito menos desigualdades. A Escócia pode aspirar, pelo menos, a replicar estes modelos. Mas, com o capitalismo propenso a crises recorrentes e a crescentes desigualdades, como novo estado europeu devemos ter como objetivo algo melhor, mais sustentável, capaz de modificar o decurso dos próximos cem anos. Para isto, temos de planificar a nossa economia de forma a ir ao encontro das necessidades sociais e ambientais, sem desperdiçar recursos na anarquia dos mercados.

Contrariamente ao mito popular, a Escócia não é ‘dependente de subsídios’. Desde os anos 1970, gere um excedente fiscal de 100 mil milhões de libras, enquanto o resto do Reino Unido vive com um largo défice.

Contrariamente ao mito popular, a Escócia não é ‘dependente de subsídios’. Desde os anos 1970, gere um excedente fiscal de 100 mil milhões de libras, enquanto o resto do Reino Unido vive com um largo défice. Claro que os voláteis lucros do petróleo têm um papel significativo nestas contas. Mas, tal como o petróleo tem limites físicos, também o polo financeiro de Londres tem limites sociais, e o Reino Unido precisa de uma transição dolorosa do instável capitalismo rentista, com que nenhum partido deseja confrontar-se. A Escócia tem os recursos físicos para liderar a nova revolução energética, com um quarto do vento da Europa e do potencial das marés, e um décimo do seu potencial das ondas. Mas precisamos de vontade social e política, aliada às infraestruturas económicas, para tornar isto viável. Independência é uma pré-condição para estas longamente esperadas mudanças sociais.

Até agora, o debate sobre economia escocesa tem sido paroquial e pessoal. Desafiamos os partidos do Better Together a expor os seus pontos de vista para acabar com a dependência dos britânicos do setor financeiro, dos negócios de armas e das indústrias poluidoras, e criar uma economia sustentável. A instabilidade da independência é menor comparada com os riscos de ficar na dependência de um iminente referendo sobre a UE, dos bancos em ‘rédea solta’, e da adesão às inevitáveis e já iniciadas invasões dos Estados Unidos. Comparar isto com a Escócia, com dois partidos centristas na liderança, aspirando a um futuro ao estilo nórdico. O que não é uma utopia. Mas temos de ter em vista o estabelecer de precedentes; não nos prender à inevitabilidade do esmagamento da Grã-Bretanha de Cameron.


James Foley e Pete Ramand integram a Radical Independence Campaign. Publicado originalmente em The London Economic, a 06/02/2014. Traduzido por Isabel Gentil.

* Contratos de trabalho em que o patrão não oferece horas mínimas e o empregado tem de estar disponível para ser chamado, sendo pago à tarefa.

** Imposto sobre os quartos desocupados.

(...)

Resto dossier

Referendo na Escócia: o fim do Império?

A poucos dias do referendo de 18 de setembro, o poder político de Londres treme ante a subida das intenções de voto do Sim à independência da Escócia. No meio da austeridade que nos últimos anos tem cortado nos salários, pensões e serviços públicos, a população escocesa atreveu-se a imaginar um país novo e mais justo e a discutir as opções do seu futuro. Dossier organizado por Mariana Vieira.

A Escócia já ganhou

O referendo de 18 de Setembro trouxe para o quotidiano discussões sobre história, política e economia, sobre o que foi o passado e o que se quer do futuro. Quase ninguém responde agora “ah, eu não falo dessas coisas”. E já não era sem tempo! Artigo de Mariana Vieira, em Edimburgo.

Por que passei a dizer SIM à Independência da Escócia

Podemos dizer que da União não sobra muito, a não ser sentimento, história e família. Algumas das razões pragmáticas para a subsistência da União, que emergiram nos séculos XVIII e XIX, desapareceram. Artigo do historiador Tom Devine, a principal referência do estudo da Escócia moderna .

Quem irá escrever a Constituição da Escócia?

Se a Escócia votar pela independência teremos de enfrentar importantes perguntas na área constitucional: Qual será a relação entre os cidadãos e os Estado? Quem escreverá a Constituição? Poderá o escocês comum a contribuir para esse processo? E como poderemos todos nós ser incluídos nele? O modelo islandês é um exemplo a seguir? Artigo de Jamie Mann.

A Economia e a Independência

O principal argumento do Better Together, de que as maiores economias são mais resistentes e flexíveis, ainda está por escrutinar. As pequenas economias do Norte, geograficamente semelhantes à Escócia, mantiveram as suas moedas independentes, mais estáveis do que a libra esterlina. Artigo de James Foley e Pete Ramand.

O voto no SIM na Escócia soltaria a mais perigosa das coisas: a esperança

O mito da apatia foi já destruído pelo movimento tumultuoso a norte da fronteira. Assim que há uma coisa pela qual vale a pena votar, as pessoas fazem filas pela noite fora para ter o nome no caderno eleitoral. A pouca participação nas eleições para Westminster reflete não a falta de interesse, mas a falta de esperança. Artigo de George Monbiot.

Petróleo do Mar do Norte: o que importa não é se vai haver um “boom” mas a quem pertence o petróleo

A única forma de diminuir o deficit e retomar os serviços públicos depois dos cortes da coligação, bem como de conseguir ter dinheiro para investir e reconstruir a economia escocesa será nacionalizar o petróleo do Mar do Norte. Artigo de Ralph Blake.

Cronologia da Independência

Momentos importantes da história da Escócia e das suas várias conquistas e sucessivas perdas de independência através dos séculos. Mais informação sobre cada época pode ser consultada, por exemplo, aqui.

Glossário do referendo

Quem é quem nesta campanha do referendo à independência? Quais os sites e blogs que defendem a campanha do Sim e têm tentado furar o bloqueio dos grandes meios de comunicação a favor do Não? Reunimos aqui alguma informação básica para acompanhar melhor esta campanha.

O SNP não pode fugir para sempre ao debate sobre a monarquia

Será interessante a resposta dos membros do SNP às possibilidades constitucionais abertas pela independência. Vão acomodar-se à monarquia pragmática dos seus dirigentes ou exigir uma alternativa mais radical e genuinamente democrática? Artigo de James Maxwell.

O Left Unity e o debate da Independência

Por explicarem o quadro geral das duas posições opostas, publicamos aqui dois textos do debate em curso no Left Unity, novo partido que pretende ser um agregador da esquerda por todo o Reino Unido. Até à data, o partido escolheu não tomar posição oficial, apesar de os seus membros participarem activamente nas campanhas respectivas. Alan Mackinnon defende o NÃO; Allan Armstrong responde-lhe pelo SIM.

Os socialistas e o SIM

Apoiar o direito democrático de nações como a Escócia à autodeterminação não faz de ti um nacionalista escocês, faz ti um democrata. Artigo de Colin Fox, porta-voz do Scottish Socialist Party.

Como se aproximam os sindicatos da independência?

O princípio da devolução e da transferência de controlo para Edimburgo de, entre outras, políticas de transportes, saúde e educação, criou uma nova camada de poder do estado com as quais as secções escocesas dos sindicatos britânicos passaram a ter de negociar, reduzindo a sua dependência nas estruturas mais alargadas, de todo o Reino Unido. Artigo de James Maxwell.

Quem são os donos da Escócia?

John Glen, o diretor executivo de Buccleuch Estates diz que os membros da Scottish and Land Estates “gerem um razoável volume de recursos naturais”. E tem razão: entre eles, os 2.500 membros devem ser proprietários de três quartos do território escocês. Artigo de Peter Geoghegan.

Tariq Ali: "A separação da Escócia desmantela o estado britânico"

Nesta entrevista conduzida por James Foley, o escritor, realizador e editor da New Left Review explica o seu apoio à independência da Escócia e fala das consequências do voto Sim neste referendo.

Ken Loach: Escócia independente poderá ser a "ameaça do bom exemplo"

O cineasta e fundador do partido Left Unity defende que a independência não resolve todos os problemas da Escócia, mas abre a possibilidade de criar uma sociedade mais justa.

O direito a sonhar

Votar Não significa votar sim a um estado para quem a defesa e a política internacional passam por fingir que não fazem parte da Europa. Fingir que vivemos numa espécie de isolamento glorioso com os nossos “amigos” Estados Unidos. Artigo de Jo Clifford.

O Modelo Nórdico

Na sequência da carta aberta de 17 escritores e jornalistas escandinavos que apoiam a campanha do SIM, Pete Ramand e James Foley, cofundadores da Campanha Radical pela Independência e autores de Yes: The Radical Case for Independence, defendem a tese de que uma Escócia Independente deveria abandonar o capitalismo Anglo-Americano em favor de uma social democracia Nórdica.

Um salva-vidas para as pessoas com deficiência que se afundam neste mar de cortes orçamentais

O Livro Branco sobre a independência lançado pelo Governo promete mudanças no regime de apoios sociais. Ao invés, o Labour só garante que a austeridade e os cortes vão continuar. Artigo de John McArdle.

Votar SIM é a única maneira de salvar da privatização o Serviço Nacional de Saúde

Enquanto o Serviço Nacional de Saúde Inglês está a ser privatizado, o Escocês regressou à filosofia tradicional do serviço unificado e de fundos públicos. Artigo de Philippa Whitford.

A negatividade do SIM

É também enquanto socialista que recuso acreditar que os nossos irmãos e irmãs sejam uma causa perdida. Para mim, um voto SIM soa a desistência e eu acredito que a única forma de ser socialista é manter viva a ideia de que venceremos, num dia distante, talvez, mas venceremos. Artigo de Juan Pablo Lewis Jr.

A Guerra e as Mulheres

A independência é a maior ameaça ao Reino Unido enquanto potência mundial desde a descolonização, fornecendo a uma Escócia independente a oportunidade de adoptar uma política estrangeira independente e justa. Artigo de Cat Boyd e Jenny Morrison.

Imigração na Escócia pós-referendo

A diferença das necessidades demográficas e de migração da Escócia significam que a atual política de imigração do Reino Unido não contemplou as prioridades escocesas no campo da migração. Excerto do Livro Branco do governo escocês, “Scotland’s Future”.

Separando os factos da ficção - o que significa a Grã-Bretanha?

David Cameron e o seu lacaio Michael Gove querem introduzir “Valores Britânicos” na escolas britânicas. Querem ensinar à nossas crianças o que é ‘liberdade’, ‘tolerância’, ‘respeito pelas leis e pelo direito’, ‘crença na responsabilidade pessoal e social’ e ‘respeito pelas instituições britânicas’. Peguemos esta hipocrisia pelos cornos. Artigo de Suki Sangha.

Os planos A, B, C, D, E, F… da moeda Irlandesa desde a independência

Se a libra esterlina passar em 2020 por uma crise como a dos anos 70, o governo da Escócia independente, SNP ou outro qualquer, fará o que fez a Irlanda: vai abandonar a libra esterlina sem hesitar e usar a libra escocesa, mantendo-a dentro dos limites estabelecidos com as moedas dos seus parceiros de mercado, por exemplo, a Zona Euro, os EUA, a Noruega, etc. Artigo de Sean O’Dowd.