You are here

Ao contrário do que diz, Governo agrava empobrecimento

Milhares de pessoas perderam, no último mês de julho, as prestações sociais que recebiam. 158.000 pessoas perderam apoios sociais num ano. O governo e a maioria PSD/CDS-PP aceleram a aprovação de novos cortes salariais, tendo marcando a realização de plenários extraordinários no parlamento com esse objetivo. Na próxima terça-feira o governo faz reunião extraordinária para aprovar orçamento retificativo.
158.000 pessoas perderam apoios sociais num ano, agravando a pobreza em Portugal - Foto de Paulete Matos

Nesta sexta-feira, foram divulgados os dados do número de pessoas que receberam subsídio de desemprego, rendimento social de inserção (RSI) e complemento solidário para idosos (CSI) no mês de julho de 2014.

Governo corta apoios sociais a mais de 158.000 pessoas

No global, verifica-se que, comparando os dados de julho de 2014 com os de julho de 2013, menos 61.000 pessoas receberam subsídio de desemprego, menos 45.000 pessoas receberam RSI e menos 52.000 receberam CSI.

Em relação ao mês anterior, verifica-se que mais de 5.000 pessoas perderam o subsídio de desemprego, mais de 1.200 perderam o RSI e mais de 200 perderam o CSI.

Num país onde em 2013 um terço da população vivia em risco de pobreza ou exclusão, os novos dados revelados pela segurança social sobre julho de 2014 mostram um agravamento significativo da situação social e demonstram que as políticas do governo Passos Coelho e Paulo Portas continuam a agravar o empobrecimento.

Só 323.000 desempregados receberam subsídio em julho

Em julho de 2013 havia 384.081 pessoas a receber o subsídio de desemprego, em julho de 2014 já só receberam subsídio de desemprego 323.065 pessoas. Menos 61.016 do que no mês homólogo do ano anterior. Em relação a junho de 2014 a queda foi de 5.164 pessoas.

Note-se que os dados da segurança social incluem subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego.

O valor médio destas prestações também desceu. Em julho de 2013 era de 484,13 euros e em julho de 2014 já só era de 463,53 euros.

Menos 45.000 pessoas receberam rendimento social de inserção

Sobre o RSI, os dados da segurança social apontam que em julho de 2014 houve 217.410 pessoas que o receberam, enquanto em junho de 2013 tinham sido 218.665 pessoas e em julho de 2013 foram 262.759 pessoas.

Uma redução de 45.349 pessoas em relação a julho de 2013 e de 1.255 pessoas em relação ao mês anterior.

52.620 pessoas idosas perderam o complemento solidário

Em julho de 2014, 172.570 pessoas idosas receberam CSI. Em julho de 2013, tinham sido 225.190 pessoas a receber, o que significa que num ano 52.620 pessoas deixaram de receber CSI.

Em relação a junho de 2013, menos 209 pessoas idosas receberam CSI.

Maioria PSD/CDS obcecada com mais cortes salariais

Na passada quinta-feira, a maioria de direita aprovou na reunião da comissão permanente da assembleia da república a realização de três plenários extraordinários do parlamento no mês de setembro. Bloco de Esquerda, PCP e PEV votaram contra a deliberação, enquanto o PS se absteve.

Os plenários serão a 2 de setembro (sobre os cortes salariais na função pública e a contribuição de sustentabilidade), a 4 de setembro (orçamento retificativo) e 11 de setembro (orçamento retificativo na especialidade e votação global).

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, considerou que se trata da “obsessão do Governo nos cortes salariais”, repudiou a “instrumentalização” que o governo quer fazer da AR ao “tornar claro que o parlamento não é mais do que uma caixa de carimbos” das suas decisões e recusou dar “um cheque em branco”.

Termos relacionados Política
(...)