Frota da Liberdade volta a rumar a Gaza para romper o bloqueio

30 de July 2014 - 18:36

Num comunicado datado de 28 de julho, a Frota da Liberdade condena o ataque israelita a Gaza, o bloqueio e a cumplicidade internacional e anuncia que se prepara para rumar novamente a Gaza. Em 2010, o ataque israelita a esta frota causou dez mortes.

PARTILHAR

“A Coligação Internacional da Frota da Liberdade (na qual participam a Inglaterra, França, Suécia, Noruega, Espanha, Itália, Grécia, Turquia, Estado Unidos, Canadá e Austrália) condena o atual ataque militar israelita contra a população civil de Gaza, denuncia o falhanço da comunidade internacional em deter este ataque, e continua a opor-se ao bloqueio económico sobre a população palestiniana de Gaza e ao colaboracionismo de outros governos”, lê-se no comunicado.

Segundo as organizações que integram a frota, “a reivindicação de levantar o bloqueio é um ponto central nas negociações para pôr fim à violência e os governos contrários ao bloqueio devem usar agora a sua influência para assegurar que o acordo que ponha fim à violência também ponha um ponto final ao bloqueio destrutivo.

A Coligação Internacional da Frota da Liberdade anuncia que se prepara para zarpar para Gaza para romper o bloqueio, reunindo participantes de todo o mundo. A frota irá trazer “exportações palestinianas, continuando o trabalho do projeto 'Arca de Gaza'” e não pretende ser acompanhada de qualquer escolta militar.

O Mavi Marmara - o principal navio da Frota da Liberdade em 2010 - irá juntar-se a esta iniciativa, levando a bordo centenas de ativistas pela paz de todo mundo.

A 31 de maio de 2010, a primeira Frota da Liberdade foi atacada pelo exército israelita em águas internacionais, quando tentava levar ajuda humanitária aos palestinianos da Faixa de Gaza. O navio turco Mavi Marmara foi o mais fustigado pelo ataque. Nove cidadãos turcos e um norte americano foram assassinados.