You are here

Populações manifestam-se contra encerramento de escolas

Protestos na Guarda e em Canas de Senhorim (Viseu) contestam o fecho de dezenas de escolas nos dois distritos. “Escolas são um precioso instrumento de combate à desertificação", diz sindicalista. Entre as escolas ameaçadas, está uma das cem melhores do país.
Manifestação na Guarda: escolas fazem falta. Foto de Bloco de Esquerda da Guarda
Manifestação na Guarda: escolas fazem falta. Foto de Bloco de Esquerda da Guarda

Pais, crianças, professores, sindicalistas e autarcas protestaram esta segunda-feira na praça do município, na Guarda, contra o encerramento de 13 escolas, em cinco concelhos do distrito.

O Ministério da Educação e Ciência pretende fechar cinco escolas no concelho de Guarda (Rapoula, Cubo, Rio Diz, Rochoso e Vila Fernando) e igual número no município de Celorico da Beira (Açores, Cortiçô da Serra, Ratoeira, Fornotelheiro e Estação), e um estabelecimento de ensino nos concelhos de Aguiar da Beira (Penaverde), Manteigas (Sameiro) e Sabugal (Santo Estevão).

O protesto foi organizado pelo Sindicato dos Professores da Região Centro (SPRC), e teve como lema "Escola fechada - povoação apagada".

Instrumento de combate à desertificação"

"As escolas que o Ministério da Educação pretende encerrar no distrito da Guarda, são todas muito importantes para as crianças que as frequentam e para as populações e localidades em que se inserem", disse à agência Lusa Sofia Monteiro, dirigente do Sindicato.

A sindicalista recordou que cada escola no distrito "funciona como um precioso instrumento de combate à desertificação" sendo "fator de incentivo à fixação de jovens casais" e de "renovação das gerações através do aumento da natalidade".

Algumas crianças exibiam cartazes com as mensagens: "Sameiro com a escola em função anima a população. Demita-se o ministro da Educação", "Escola sim, desertificação não" e "Vou ter de emigrar".

"Não fechem o país - sem escolas não há futuro"

O Bloco de Esquerda da Guarda esteve presente na manifestação, dando início a uma campanha sob o lema "Não fechem o país - sem escolas não há futuro", durante a qual os bloquistas vão afixar faixas em todas as escolas ameaçadas de encerramento no distrito.

Faixa na escola EB Rio Diz, Guarda.

A primeira faixa foi colocada na escola do Rio Diz, no concelho da Guarda, onde estão "inscritas 21 crianças, limite estabelecido pelo governo para viabilizar a manutenção" dos estabelecimentos de ensino.

Manifestação também em Canas de Senhorim

Em Canas de Senhorim, no concelho de Nelas, distrito de Viseu, mais de cem pessoas também se manifestaram contra o encerramento de escolas. Esta foi já a segunda manifestação contra o encerramento de escolas que o MEC pretende concretizar, tendo a primeira ocorrido no dia 10.

Em Canas de Senhorim há quatro escolas na lista de encerramentos para o ano letivo de 2014/2015: EB Póvoa de Santo António; EB Aguieira; EB Lapa do Lobo; EB Vale de Madeiros. Os órgãos autárquicos, nomeadamente a Câmara Municipal de Nelas – que aprovou uma moção contra o encerramento – e a Presidência da Junta de Freguesia de Canas de Senhorim expressaram a sua oposição ao fecho das escolas. Também o Diretor do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim demonstrou a sua oposição ao fecho das escolas.

A Escola Básica da Aguieira está entre as cem melhores a nível nacional, de acordo com os resultados alcançados pelos alunos, em 2013, nas provas finais do 4º ano.

O Bloco de Esquerda de Viseu também está a promover a campanha contra o encerramento das escolas. No distrito de Viseu, o MEC quer encerrar 56 escolas.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)