You are here

Paulo Pena: “Separar política e banca seria de elementar bom senso”

Paulo Pena, jornalista e autor do livro “Jogos de Poder”, falou ao esquerda.net sobre a responsabilidade dos bancos na crise dos últimos anos, as semelhanças entre os casos do BES e do BCP e o atual regime baseado na articulação entre o poder financeiro e político, “que subverte a política e também não é bom para a banca”.
Paulo Pena é jornalista no Público e lançou este ano o livro "Jogos de Poder", uma investigação sobre a crise e o sistema financeiro português.

“Jogos de Poder” atribui aos bancos a maior fatia da responsabilidade da origem da crise. Como explicar isso a quem acha que andámos a viver acima das nossas possibilidades?

A explicação não é fácil, porque o “viver acima das possibilidades” é uma frase muito simples que tem um pequeno problema, que é o de ser mentirosa. Os bancos são a origem desta crise e isso é muito evidente: todo o problema que nasce em 2007/2008 com o subprime é o que dá origem ao que depois se passou a chamar “crise das dívidas”.

Esta crise das dívidas foi uma forma de resgatar o sistema financeiro que estava em crise desde 2008. Na Europa, os bancos dos países do Norte investiram em várias coisas, nomeadamente nos nossos bancos e no imobiliário. Isso é o traço comum em Portugal, Espanha, Irlanda, menos na Grécia. E é aí que nasce o que se passou a chamar “crise do euro”.

O que é que teria acontecido à banca portuguesa sem a entrada da troika?

Os bancos precisaram do resgate para conseguir manter a sua atividade, ainda que com uma crise evidente que dura até hoje.

Os bancos portugueses iam ter um grave problema de financiamento. Apesar de todo o sistema bancário europeu ter estado coberto por uma garantia implícita por parte da União Europeia, do BCE e dos Estados membros, de que não haveria falências significativas, a banca portuguesa estava num patamar de dificuldade maior porque dependia de financiamentos externos, vindos sobretudo de França, Alemanha e também de Espanha e Inglaterra. Essa garantia é agora avaliada em 1,3 biliões de euros, com os biliões na escala portuguesa, maior do que a anglo-saxónica…

Quando aconteceu o “fecho da torneira” em 2011, os bancos portugueses não tinham dinheiro para sobreviver e fazer a sua atividade. Os bancos precisaram do resgate para conseguir manter a sua atividade, ainda que com uma crise evidente que dura até hoje, porque são bancos que não têm a capacidade financeira suficiente para crescer e financiar a economia.

Foi muito dolorosa a passagem de um sistema em que os bancos eram o coração e a atividade principal da economia - a chamada financiarização da economia - para o que vamos assistir na fase seguinte, em que os bancos são apenas uma forma de financiar a economia e não o seu centro.

Quando o livro saiu ainda não eram conhecidos os buracos do BES Angola e do Grupo Espírito Santo. Como tens acompanhado esta novela das últimas semanas?

Se nos abstrairmos das circunstâncias concretas da família Espírito Santo e etc., a história é mais ou menos a mesma: uma gestão tradicional que é abalada por interesses que são contraditórios com essa gestão, uma guerra pública, um tentativa de controlo e tomada de poder.

Sem grande surpresa, infelizmente. No BES está a acontecer, embora com um diferimento temporal, o que aconteceu em todos os outros bancos, em particular com o BCP que era o seu grande concorrente. Se nos abstrairmos das circunstâncias concretas da família Espírito Santo e etc., a história é mais ou menos a mesma: uma gestão tradicional que é abalada por interesses que são contraditórios com essa gestão, uma guerra pública, um tentativa de controlo e tomada de poder.

Para além disso, o banco assenta em coisas muito frágeis, como a excessiva alavancagem, a tentativa de que a contabilidade não reflicta o que se passa verdadeiramente com os ativos, e a forma de mostrar ao mundo que o banco era mais saudável do que era na realidade. Não nos esqueçamos que é assim que são calculados os bónus dos executivos do banco.

Sabemos que estes bancos tinham uma grande atividade baseada em offshores, com um imobiliário que se desvalorizou muito desde 2008. Tudo isso foi refletido no balanço dos bancos de forma muito diferida e insuficiente, para que o banco tenha de registar as perdas que agora estão à vista de todos.

O BES é um caso emblemático da “captura da política pela banca” descrita no livro. Como contrariar esse fenómeno?

Quanto mais a democracia baixa a guarda sobre a forma como o sistema financeiro se organiza, mais frágil fica o setor financeiro perante a ganância e a criminalidade.

Creio que depois de uma crise com esta magnitude, na Europa como nos EUA, era de elementar bom senso que a política e a banca estabelecessem biombos e que não houvesse, como parece que vai continuar a haver no caso do BES, transferências diretas de deputados para órgãos de gestão dos bancos e vice-versa, ou que os bancos continuem a fornecer a grande maioria dos ministros das Finanças que tivemos desde o 25 de Abril. O livro “Burgueses” diz que dos 19 ministros das Finanças que tivemos nesse período, 14 vieram diretamente da banca.

Isso é o que potencia este regime que já não é uma democracia como nós a entendíamos, é uma forma de articulação entre o poder financeiro e o poder político. Isto subverte a política e também não é bom para a banca. Como se vê, quanto mais a democracia baixa a guarda sobre a forma como o sistema financeiro se organiza, mais frágil fica o setor financeiro perante a ganância e a criminalidade. Fica mais frágil, mais exposto e mais vulnerável até ao ponto de todo o setor financeiro ter de ser resgatado, causando um prejuízo social, económico e político gravíssimo a que hoje assistimos.

Creio que podemos ligar tudo o que nos está a acontecer - desde a ascensão dos nacionalismos na Europa, a falta de crescimento da economia, as políticas de austeridade - ao que foi a forma como a política deixou que o setor financeiro se tornasse hegemónico e mandasse tanto na política como na economia.

O trabalho de investigação para os “Jogos de Poder” durou mais de um ano. Houve alguma surpresa que queiras destacar?

O setor financeiro tornou-se tão hegemónico e interligado que é muito difícil resolver um problema num banco sem causar o caos no sistema inteiro.

Devo admitir que aprendi muito na investigação para o livro. Tinha à partida uma noção bastante distorcida - como a que creio que terá a maioria de nós - sobre o impacto de cada um destes escândalos financeiros. Por exemplo, não sabia que o caso BCP tinha sido tão central em tudo isto. Creio que ele ajuda a explicar muito e continuará a explicar algumas coisas que ainda se vão passar no BES. À escala portuguesa foi isso que retive como a maior novidade.

Mas também o que falávamos há pouco: a forma como o sistema financeiro se interligou tanto, que se tornou na mesma coisa com diferentes marcas. Se há um problema do BES, todo o sistema bancário e das seguradoras terá problemas. O setor financeiro tornou-se tão hegemónico e interligado que é muito difícil resolver um problema num banco sem causar o caos no sistema inteiro.


Entrevista de Luís Branco.

ESQUERDA.NET | Entrevista | Paulo Pena | Jogos de Poder

(...)

Resto dossier

Impunidade da banca

A ganância dos banqueiros esteve na origem da crise financeira, mas passados seis anos são os contribuintes que continuam a pagar os estragos. A banca ficou impune e continua a ditar a sua lei aos Estados, que impõem a austeridade para conseguir uma das maiores transferências de que há memória dos rendimentos do trabalho para o capital. Dossier organizado por Luís Branco.

Paulo Pena: “Separar política e banca seria de elementar bom senso”

Paulo Pena, jornalista e autor do livro “Jogos de Poder”, falou ao esquerda.net sobre a responsabilidade dos bancos na crise dos últimos anos, as semelhanças entre os casos do BES e do BCP e o atual regime baseado na articulação entre o poder financeiro e político, “que subverte a política e também não é bom para a banca”.

Os banqueiros continuam a tramar o país. Até quando?

Apesar das enormes quantidades de dinheiro transferidos dos Estados e do BCE, os bancos continuam sem conceder crédito às atividades económicas produtivas. Como se chegou a tal situação?

BES Angola, um afro-BPN

Ao assumir o buraco do BES Angola, o governo de Luanda vai gastar o mesmo que aplicou no Fundo Soberano do país.

BES: o império dos homens maus

São várias as formas como o maior banco privado português construiu a sua rede de influência entre os governantes, como diferentes são os sinais de retribuição de cada um dos 25 Ministros e Secretários de Estado que se cruzaram com os destinos do BES.

Devemos acabar com a impunidade dos bancos

Dizem que são "demasiado grandes para falir" mas na verdade são "demasiado grandes para acabar na prisão". Aqui ficam algumas das fraudes dos gigantes da banca mundial: BNP Paribas, Deutsche Bank, Royal Bank of Scotland, Crédit Suisse, Bank of America, Goldman Sachs, JP Morgan, entre outros.

Transparência dos bancos na Europa: um estudo de viabilidade que começa mal

A diretiva "CRD14", aprovada após longa discussão no Parlamento e Conselho Europeu, obriga os bancos a revelarem as suas manobras de otimização fiscal agressiva. Mas a Comissão Barroso encomendou um estudo de viabilidade da medida à PwC, uma das gigantes mundiais que fornece aos bancos esses esquemas de fuga legal aos impostos.

Foto CaptKodak/Flickr

Quatro documentários sobre a impunidade dos bancos

Sugerimos neste dossier quatro documentários, a maior parte com legendas ou dobragem em português. O mais recente é €uro€stafa, de Guillermo Cruz e o mais premiado é Inside Job, de Charles H. Ferguson. Quando a Europa salva os bancos, quem paga?, de Harald Schumman e Árpád Bondy, foi transmitido pelo canal Arte em 2013 e Catastroika, de Aris Chatzistefanou e Katerina Kitidi, tornou-se um sucesso de downloads dentro e fora da Grécia.

BPN: o assalto laranja ao país

O banco fundado e afundado por ex-governantes do PSD serviu de plataforma para branquear capitais e distribuir dinheiro pelo círculo próximo do partido. A fatura está a ser paga pelos contribuintes e pode chegar aos 7 mil milhões. As investigações e processos arrastam-se na justiça e o BPN acabou entregue ao capital angolano a preço de saldo.

Os negócios milionários da SLN/grupo Galilei em Angola

A holding de Oliveira e Costa viu-se livre do BPN e apostou em quotas na exploração de petróleo e em parcerias com altos responsáveis do regime no setor imobiliário. Estes são alguns dos negócios milionários da SLN/Galilei em Angola, descritos no livro “Os Donos Angolanos de Portugal”.

Offshores do BCP: Banqueiros salvos pela prescrição

No início de 2013, um tribunal condenou nove ex-administradores do BCP a multas num total de mais de quatro milhões de euros, confirmando a condenação prévia do regulador da bolsa. O buraco ronda os 600 milhões de euros, mas com o arrastar do processo, os banqueiros condenados ainda podem escapar ao pagamento das multas.

BPP: Lucros para acionistas, buraco para os contribuintes

O Banco Privado Português foi arruinado pela má gestão dos administradores, que transferiam as perdas dos seus investimentos para as carteiras dos clientes. Um ano antes de falir, o banco pagou milhões em dividendos a acionistas como Balsemão, Saviotti e o próprio João Rendeiro, agora acusado em tribunal.