You are here

Descoberto o planeta “potencialmente habitável” mais próximo da Terra

O Gliese 832 c tem cinco vezes a massa da Terra e está a uma distância de 16 anos-luz. É um dos três planetas identificados como os mais parecidos com a Terra, e o seu sistema solar é considerado como uma versão em miniatura do nosso.
Representação do planeta Gliese 832 c em comparação com a Terra (Foto: Divulgação/PHL-UPR Arecibo)
Representação do planeta Gliese 832 c em comparação com a Terra (Foto: Divulgação/PHL-UPR Arecibo)

Astrónomos da Universidade de New South Wales, na Austrália, anunciaram a descoberta de um planeta "potencialmente habitável" a 16 anos-luz da Terra, que foi batizado como Gliese 832 c.

O planeta tem uma órbita que dura 36 dias e uma massa pelo menos cinco vezes maior que a da Terra. Recebe da estrela anã vermelha Gliese 832, que orbita, a mesma energia média que a Terra recebe do Sol, e pode ter temperaturas parecidas com as nossas.

Este planeta pode ser o mais parecido com a Terra descoberto até hoje, e já é um dos três com condições mais semelhantes à Terra.

Dos três mais parecidos, é o mais próximo

Os especialistas categorizam esses planetas segundo um Índice de Semelhança com a Terra (ESI, na sigla em inglês). O Gliese 832 c chegou a um ESI de 0,81, e ficou atrás apenas do Gliese 667C c (com ESI 0,84) e do Kleper-62 (com ESI 0,83). Mas o Gliese 832 c é mais próximo da Terra, o que o torna especialmente interessante.

Atuais exoplanetas potencialmente habitáveis

O novo planeta não é o único a orbitar aquela estrela anã vermelha. Do mesmo sistema faz parte um planeta semelhante a Júpiter, o Gliese 832 b, descoberto em 2009.

O sistema planetário Gliese 832 pode ser visto como uma versão miniatura do nosso Sistema Solar

“Com um planeta exterior gigante e um interior potencialmente rochoso, este sistema planetário pode ser visto como uma versão miniatura do nosso Sistema Solar”, disse o professor Chris Tinney, astrónomo da New South Wales.

O que dá ao novo planeta o potencial de sustentação de vida é o facto de a sua órbita estar dentro dos limites da chamada “zona habitável”, que é definida como a que poderia permitir a existência de água líquida na superfície do planeta.

“Será interessante saber se outros objetos no sistema Gliese 832 acompanham esta configuração semelhante à do sistema solar, mas esta arquitetura é rara entre os sistemas de exoplanetas conhecidos”, afirmam os cientistas australianos.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
Comentários (1)