You are here

Onde anda a troika?

Os noticiários anunciaram, o primeiro-ministro fez a declaração oficial, foi finalmente anunciado o fim da troika em Portugal. Mas por entre jogadas argumentativas, onde é que realmente para a troika após 3 anos de agressões ao povo português?

Durante estes 3 anos conhecemos de perto a realidade económica e social das políticas de austeridade, vimos o aumento do desemprego, o aumento da emigração, vivemos de perto as histórias de miséria e desespero. A educação saiu por baixo assim como a generalidade dos serviços públicos. As propinas continuaram a aumentar e o financiamento a escassear. A precarização dos postos de trabalho continuou em ascensão e a instabilidade económica das famílias disparou. Vieram as privatizações e as taxas moderadoras, o aumento do iva e o corte dos subsídios de férias e natal.

E enquanto a miséria de uns se alastrava a prosperidade de outros começava a falar mais alto. Os mais ricos viram as suas fortunas a duplicar, e a crise revelou-se de facto uma oportunidade para a alta finança.

Após 3 anos os portugueses ficaram mais pobres, a economia ficou mais pobre, Portugal ficou mais pobre. E a pobreza é tudo menos uma saída limpa. Porque na verdade a troika não esteve cá 3 anos e foi embora, a troika esteve cá 3 anos e continuará por cá em cada medida de austeridade, em cada subida de impostos, em cada corte salarial. Os senhores da troika foram mas a sua politica ficou, da mesma forma que ficou este governo que pouco governa para nós mas que se ajoelha perante o FMI e o BCE.

A saída mais limpa que vejo no horizonte continua a ser as eleições de dia 25 de Maio, onde poderemos frisar que não queremos esta Europa submissa à austeridade. Nesse domingo, que ironicamente servirá também de data para o comício da troika em Portugal, podemos com o poder do voto derrotar este governo, derrotar a Europa de Merkel e derrotar a austeridade.

Não há outro caminho, dia 25 estaremos de pé contra a austeridade, desobedecendo a esta Europa que nos quer submissos.

Sobre o/a autor(a)

Estudante universitário na UTAD
(...)