You are here

Miguel Guedes

Músico e jurista. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990.

Artigos do Autor(a)

2021/04/19 - 10:16am

A resposta do cineasta João César Monteiro, aquando da estreia do seu muito polémico filme "Branca de Neve", pode ser a ilustração de toda a Operação Marquês desde o minuto em que José Sócrates aterrou no Aeroporto da Portela.

2021/04/12 - 10:17am

Dizer que as opiniões de Suzana Garcia a habilitam para candidata autárquica, mas não para candidata a deputada, candidata-se a anedota política do ano.

2021/04/04 - 9:12pm

Independentemente da legítima questão constitucional que o TC decidirá, a equação coloca-se no plano político. E no plano político, a equação inclinou-se para o tacticismo cínico.

2021/03/28 - 2:39pm

O PSD tem boas razões internas para defender o adiamento das eleições autárquicas para os últimos meses do ano. Mas são só isso mesmo, boas razões internas.

2021/03/22 - 7:32pm

Ao falharmos no combate à corrupção, deixamos os inimigos da democracia a alimentarem-se da sua corrosão, para a destruir.

2021/03/14 - 8:53pm

A Europa vive agora a sua derradeira hipótese de redefinição, aquela que a salve dos populismos extremistas.

2021/03/04 - 5:00pm

A Humanidade vive segundo as suas próprias leis. Uma das premissas é que os crimes podem prescrever, mas a História não. Mesmo que criminosa, a História não tem direito à prescrição porque vive sob o jugo da memória. E essa não esquece.

2021/02/22 - 3:45pm

Os heróis representam-nos. São a glorificação do nosso bem maior, do que temos de melhor, o orgulho que podemos lançar como carta afectiva. É também por isso que representar Marcelino da Mata como herói é um vexame nacional e diz bem da nossa (não) relação com a História.

2021/02/13 - 10:46pm

Quase 15 000 pessoas morreram de covid-19 em Portugal mas não foi essa a razão que levou o grupo negacionista dos "Médicos pela Verdade" a suspender actividade, redes sociais e respectivo site.

2021/02/09 - 9:06pm

Enquanto se discutem os pequenos descuidos e os enormes abusos no processo de administração de vacinas em Portugal, a grande ilusão está na forma misteriosa como as empresas farmacêuticas driblam os acordos firmados.

Pages