You are here

“Relatório confirma que secretário de Estado disse a verdade”

Documento da Comissão Europeia vem confirmar que o governo combinou com a troika os cortes permanentes das pensões e dos salários, e que haverá novos cortes e reduções das despesas sociais para 2015, afirmou João Semedo em Braga.
Manifestação da Apre!. Foto de Paulete Matos
As pensões e reformas vão ficar na dependência exclusiva da vontade dos governantes”, denunciou Semedo. Foto de Paulete Matos

Afinal há um membro do governo que fala verdade, disse, com ironia, João Semedo, num almoço em Braga que comemorou os 15 anos do Bloco de Esquerda. Esse membro, explicou o coordenador do Bloco de Esquerda, não é, evidentemente, Pedro Passos Coelho, nem Paulo Portas, nem Maria Luís Albuquerque. É o secretário de Estado José Leite Martins, que há duas semanas convocou os jornalistas para lhes contar que o governo se preparava para tornar permanentes os cortes das pensões, que encontraria um novo processo para fazer o cálculo de forma a que houvesse cada vez menos reforma e pensão.

“Quantos ministros vieram desmentir este secretário de Estado? Vários, incluindo o primeiro-ministro”, recordou João Semedo. “Pois sabemos desde hoje, por um relatório da Comissão Europeia, que, afinal de contas, o secretário de Estado só divulgou aos jornalistas o que o governo já tinha cordado com a troika: que as pensões e reformas deixam de ficar dependentes daquilo que cada um desconta, para ficarem ao sabor da vontade dos governos, que podem a qualquer momento alterar o seu valor”.

João Semedo. Foto de Paulete Matos

João Semedo: “A despesa social vai continuar a ser cortada”. Foto de Paulete Matos


Reformas vão ficar na dependência exclusiva da vontade dos governantes

“Dizem que as reformas vão ficar indexadas à economia, ao crescimento, à evolução demográfica”, prosseguiu o coordenador do Bloco de Esquerda. “Treta. Vão ficar é na dependência exclusiva da vontade dos governantes”, asseverou Semedo, afirmando que o Bloco não aceita isso.

“Como também não aceitamos o que já está também acordado com a troika e que o governo desmentiu: que os salários da administração pública sejam reduzidos novamente, não apenas com os cortes que já estão em vigor e que vão ser permanentes, mas também com novos cortes em função de novas fórmulas de cálculo do rendimento do trabalho”, explicando que com as novas tabelas, o governo prepara-se para fazer em 2015 um novo corte das remunerações.

Encerramento de metade das repartições públicas

O relatório, disse João Semedo fala também no encerramento de metade das repartições públicas. “Isto significa despedimentos e desemprego, além do que hoje já está em prática na administração pública.”

"O governo cria as vítimas e deixa-as desamparadas. Nós não aceitamos isso”.

Mas as más notícias do relatório vão mais longe: “A despesa social vai continuar a ser cortada”. Semedo recordou que nos últimos cinco anos – o que envolve também o último governo do PS – as despesas públicas na educação reduziram-se 1,8 mil milhões de euros. Valor equivalente foi cortado no SNS. O valor das prestações sociais cresceu pela desgraça social que o governo provocou, mas tem diminuído o número dos seus beneficiários. Há mais de um milhão de portugueses que perdeu o apoio que tinha do Estado. “Apesar disto tudo, o que o governo combinou com a troika ainda mais redução da despesa social. O governo cria as vítimas e deixa-as desamparadas. Nós não aceitamos isso”.

“Aumento do salário mínimo é conversa da treta”

O relatório, prosseguiu Semedo, também fala do salário mínimo nacional. E também para desmentir o governo. “O primeiro-ministro lembrou-se agora do salário mínimo nacional, porque é um bom tema de campanha. Mas o primeiro-ministro não pretende aumentar o salário mínimo nacional, pretende aumentar os votos do PSD e do CDS, e por isso fala nesse tema”. Mas o que está no acordo que o governo fez com a troika é que “Logo se verá se será possível aumentar um pouco. Por isso, também sobre o salário mínimo é tudo conversa da treta”, concluiu o coordenador do Bloco de Esquerda.  

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
(...)