You are here

11 de fevereiro: o dia em que nos revoltamos contra a espionagem em massa da NSA

Coligação de ativistas evoca os protestos que levaram à suspensão de leis restritivas, como o SOPA e o PIPA, e convoca um dia de luta contra a prática de espionagem massiva dos cidadãos de todo o mundo e em defesa da liberdade na Internet.

 Organizações de ativistas que defendem os direitos dos cidadãos na Internet convocaram para o próximo dia 11 de fevereiro uma jornada contra a prática de vigilância em massa levada a cabo pela Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos. Entre as organizações que convocam a luta estão a Demand Progress, a Electronic Frontier Foundation ou a Fight For the Future, redes sociais como Reddit, comunidades de programadores, como a Mozilla, e blogs como o Boing Boing.

A ação ocorre dois anos depois dos protestos contra os projetos de lei SOPA (Stop Online Piracy Act – Lei de Combate à Pirataria Online) e o PIPA (Protect Intelectual Property Act), que acabaram por ser abandonados. Os organizadores pretendem também recordar o ativista Aaron Swartz, fundador da Demand Progress, que se suicidou na sequência do processo que lhe foi movido por ter feito o download e distribuído artigos científicos do Massachusetts Institute of Technology.

Na conferência de imprensa que anunciou o dia de luta, David Segal, diretor executivo do Demand Progress, disse que a maior ameaça a uma Internet livre é a espionagem massiva da NSA. “Se Aaron estivesse vivo, estaria na linha da frente, lutando contra estas práticas que prejudicam a nossa capacidade de relacionamento uns com os outros, enquanto seres humanos verdadeiramente livres”.

Nos Estados Unidos, o dia de luta deverá tomar a forma de instalar banners nos sites a pedir aos cidadãos para que pressionem os deputados do seu círculo eleitoral em relação a questões relacionadas com cibervigilância e a liberdade na Internet.

Resto dossier

Internet reage à vigilância dos Estados Unidos

No dia 11 de fevereiro, vai ocorrer na Internet uma jornada de contra-ataque à vigilância em massa exercida sobre a rede mundial pelos espiões da NSA dos Estados Unidos. O Esquerda.net associa-se ao movimento com este dossier, coordenado por Luis Leiria, onde podem ser encontrados os apelos e links da jornada de luta e outros artigos que ajudam o cibernauta a defender a sua privacidade.

Um Planeta, uma Internet: Um apelo à comunidade internacional para lutar contra a vigilância em massa

No dia 11 de fevereiro, o mundo exigirá o fim da vigilância em massa em todos os países, deixando de lado as fronteiras geográficas ou políticas. Os protestos contra o SOPA e a ACTA foram vitoriosos porque todos participámos neles, como uma comunidade. Como disse Aaron Swartz, “fomos heróis da nossa própria história .”  Por Katitza Rodriguez

Conselhos para defender a privacidade na Net

Eis uma lista de recomendações para exercer o direito à privacidade na net. Das mais simples às mais complexas, segue-se uma lista de procedimentos e ferramentas para obter proteção dos bisbilhoteiros da NSA. Mas atenção: defender-se dos espiões dá muito trabalho.

11 de fevereiro: o dia em que nos revoltamos contra a espionagem em massa da NSA

Coligação de ativistas evoca os protestos que levaram à suspensão de leis restritivas, como o SOPA e o PIPA, e convoca um dia de luta contra a prática de espionagem massiva dos cidadãos de todo o mundo e em defesa da liberdade na Internet.

Petição a favor de que o Brasil dê asilo a Snowden já tem quase 1 milhão de assinaturas

Dirigida à presidente e ao ministro da Justiça do Brasil, petição considera que o país “é o lar perfeito para um homem que sacrificou sua vida para divulgar a invasiva e ilegal espionagem dos EUA”.

Medidas de Obama para limitar a NSA são “relações públicas”, denunciam ativistas

Reforma anunciada sexta-feira pouco ou nada limita a espionagem em massa levada a cabo pela Agência de Segurança Nacional dos EUA, dizem as organizações de direitos civis. Empresas como Google ou Microsoft também não ficaram contentes com o discurso de Obama.

Glenn Greenwald: espionagem dos EUA pouco tem a ver com terrorismo

Em entrevista à Carta Maior, o jornalista Glenn Greenwald fala sobre o seu trabalho de divulgar as práticas de espionagem dos EUA e garante que, apesar das ameaças, vai publicar todos os documentos que tem em seu poder. Por Eduardo Febbro.

Veja como a NSA acede ao seu Gmail

Procuramos explicar de maneira simples como funcionam os dois programas do governo dos Estados Unidos que recolhem os nossos dados na Internet. Por Alberto SiciliaPrincipia Marsupia.

“New York Times” diz que Snowden prestou um grande serviço aos EUA

Direção editorial do influente jornal defende que Obama deveria oferecer ao ex-agente da CIA um perdão ou alguma forma de clemência que lhe permita regressar a casa.