You are here

"O Principezinho" comemora 70 anos com parque de diversões aéreo

O protagonista do célebre conto de Saint-Exupéry será o chamariz do primeiro parque de diversões aéreo, a inaugurar em França no próximo verão.
70 anos do "Principezinho" de Saint-Exupéry

"O Principezinho", protagonista do célebre e homónimo conto do escritor e piloto gaulês, Antoine de Saint-Exupéry, vai ter um parque de atrações, em meados de 2104, que se situará na região da Alsácia, no nordeste da França, informou o jornal "Le Figaro" (*).

As instalações contarão com dois globos gigantes, que evocarão os planetas visitados pelo protagonista deste clássico da literatura francesa, e um "aerobar", no qual os clientes poderão comer a 35 metros de altura, sentados e com os pés no vazio, acrescentou esse diário.

Haverá também salas de cinema para projetar filmes relacionados com o personagem e um espaço dedicado aos animais com mais protagonismo na obra, que incluirá uma quinta com borboletas, um espetáculo com raposas e um rebanho de ovelhas.

O projeto, que será gerido pela empresa Aérophile, utilizará o espaço do antigo parque Bioscope, dedicado ao meio ambiente e encerrado, desde há um ano, no município de Ungersheim (Sul da Alsácia). A reforma das instalações supõe um investimento de 40 milhões de euros.

"O Principezinho" cumpriu este ano o 70º aniversário da publicação da sua primeira edição e converteu-se num fenómeno editorial com traduções em 265  línguas e 145 milhões de exemplares vendidos, sendo a obra da literatura francesa mais lida do mundo (em conjunto com 'O Estrangeiro', de Camus).

'O Principezinho' não foi lançado pela primeira vez, em França, mas sim nos Estados Unidos, onde Saint-Exupéry se encontrava exilado durante a Segunda Guerra Mundial. O livro foi mais tarde editado, em França (1946), pela editora Gallimard, a título póstumo, dado o desaparecimento do autor, em 1944.

A história, sobre um aviador que tem uma avaria em pleno deserto do Sahara, é uma viagem por vários planetas, onde 'O Principezinho' encontra uma série de personagens com quem vai conversando e aprendendo, através de diálogos metafóricos e filosóficos. Tornou-se um livro emblemático ao popularizar a frase: "O essencial é invisível aos olhos".

Tradução: António José André. Veja mais aqui.

(*) Publicado aqui.


 

Termos relacionados Cultura
(...)